Música eletrônica, a formação de uma cultura

Autores

  • Marcelo Garson UECE

DOI:

https://doi.org/10.28998/lte.2018.n.1.5169

Palavras-chave:

música eletrônica, DJ, autonomia, disputa simbólica, cena musical.

Resumo

Este artigo busca compreender o processo histórico de formação de uma cultura da música eletrônica. Para tanto investiga os valores, práticas e discursos que lhe deram sustentação e que se constituíram em grande medida em tensão com as ideologias, convenções musicais e práticas de mercado que caracterizavam o rock hegemônico. Nossa analise é centrada na figura do DJ e de que maneira ele se tornou o personagem central dessa cena. Assim, buscaremos entender de que maneira a música eletrônica constrói sua autonomia enquanto pratica cultural e de que maneira essa autonomia parece ter sido ameaçado com o processo de popularização e alargamento de suas fronteiras no início deste século.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Garson, UECE

Doutor em Sociologia pela USP, é professor visitante no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará.

Referências

ADORNO, Theodor & HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

BACAL, Tatiana. Músicas, máquinas e humanos: os DJs no cenário da música eletrônica. Rio de Janeiro, 2003. 125 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Rio de Janeiro, 2003.

BOURDIEU, Pierre. A Distinção: Crítica Social do Julgamento. São Paulo: Zouk, 2007.

______. Sobre A Televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

______. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

______. The forms of capital. In: RICHARDSON, J. Handbook of theory and research for the sociology of education. Nova York: Greenwood, 1985.

______. Algumas propriedades dos campos. In: ______. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983. p 89-94.

BREWSTER, Bill; BROUGHTON, Frank. Last night a DJ saved my life. The history of the disc jockey. Nova York: Grove Press, 2000.

CHAPPLE, Steve; GAROFALO. Reebe. Rock & indústria: história e política da indústria musical. Lisboa: Editorial Caminho, 1977.

FRITH, Simon. Performing rites: on the value of popular music. Cambridge, Massachussets: Harvard University Press, 1998.

______.Sound Effects: Youth, Leisure and the Politics of Rock 'n' Roll. Rev. ed. London: Constable. Frith, Simon. 1981.

FRITZ, Jimi. Rave Culture. Canadá: Small Fry Press, 1999.

GILBERT, Jeremy; PEARSON, Ewan: Discographies. Londres: Routledge, 1999.

HASLAM, Dave. Adventures on the wheels of steel: the rise of the superstar djs. Londres, Fourth State: 2001.

JANOTTI Jr. Jeder. A música popular massiva, o mainstream e o underground – trajetórias e caminhos da música na cultura midiática. In: Anais do 29º CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 2006a, Curitiba.

_______. Por uma abordagem mediática da canção popular massiva. E-Compós, Brasília, v. 1, 2006b.

_________. Gêneros musicais, performance, afeto e ritmo: uma proposta de análise midiática da música popular massiva. Contemporânea, Bahia, vol. 2, no 2 p. 189-204, dez 2004.

McCAL, Tara. This is not a Rave: In the shadow of a Subculture. Nova York, Thunder´s Mouth Press: 2001.

NEY, Thiago. Considerado o melhor DJ do mundo, Tiësto prega evolução. Folha Online. São Paulo, 14 fev. 2004. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1402200419.htm >. Acesso em 25/5/2018.

POLHEMUS, Ted. In the supermarket of style. In: REDHEAD, Steve. The Clubcultures Reader, p. 130-133. Oxford: Berg, 2003.

REYNOLDS Simon. Generation Ecstasy: into the world of techno and rave culture Routledge, Nova York:1999.

ROCHA, Camilo. O melhor DJ de toda história da civilizaçao ocidental. Revista Beatz, São Paulo, Abril/Maio 2005, nº 15, DS2, p.5.

SÁ, Simone Pereira de. Música eletrônica e tecnologia: reconfigurando a discotecagem. In: Anais da 12ª COMPÓS, 2005, Pernambuco.

SÁ, Simone; GARSON, Marcelo ; WALTEMBERG, Lucas . Música eletrônica e rock, entre ruídos e riffs: gêneros musicais em tempos de hibridismo. In: BORELLI, Silvia H.S. ; FREIRE FILHO, João. (Orgs.). Culturas Juvenis no Século XXI. São Paulo: Educ, 2008, p. 171-194.

STRAW, Will. Systems of Articulation, Logics of change: Scenes and Communities in Popular Music. Cultural Studies. Vol 5, n. 3, oct. 1991, p. 361-375.

______. Scenes and Sensibilities. E-compós., 1-16, Agosto 2006.

TOSCHES, Nick. Criaturas flamejantes. Conrad: São Paulo, 2006.

THORNTON, Sarah. Club Cultures. Music, Media and Subcultural Capital. Hanover/ Londres: Wesleyan University Press, 1996.

Downloads

Publicado

2019-03-23

Como Citar

GARSON, Marcelo. Música eletrônica, a formação de uma cultura. Latitude, Maceió-AL, Brasil, v. 12, n. 1, p. 130, 2019. DOI: 10.28998/lte.2018.n.1.5169. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/106. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê "Cenas musicais: performances artísticas, consumos e estilos de vida"

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.