Vale o que vier?

Considerações sobre a reprodutibilidade musical no TikTok em tempos de Hipercultura

Autores

  • Carlos Lacerda Coelho Universidade Federal de Alagoas
  • Flávio Marcílio Maia e Silva Júnior Universidade Federal de Alagoas

DOI:

https://doi.org/10.28998/lte.2022.n.2.13668

Palavras-chave:

Música, TikTok, Reprodutibilidade, Consumo, Internet

Resumo

O consumo de música no meio digital tem passado por diversas transformações desde a sua digitalização, na virada do século. Atualmente, a circulação musical tem se destacado pelas redes sociais como o Instagram e o TikTok, que por meio da produção de conteúdo criam um formato de reprodução que beira à experimentação e o consumo de forma efêmera. Logo, o objetivo deste artigo é iniciar uma reflexão de como esta reprodutibilidade tem afetado as lógicas de produção, distribuição e consumo de produtos culturais na internet. Para evidenciar o tema tratado, a base teórica apresentada dispõe a tese da perda da aura de Walter Benjamin (2014) como ponto de partida para as reflexões contemporâneas colocadas por Byung-Chul Han (2019) e o mundo hipercultural, aplicado em uma sociedade da plataforma. Para evidenciar o assunto tratado foram trazidos conteúdos que viralizaram nas redes sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Lacerda Coelho, Universidade Federal de Alagoas

Cientista Social e mestre em sociologia pela Universidade Federal de Alagoas - UFAL. Membro do Núcleo de Pesquisa sobre a Violência em Alagoas (NEVIAL) e do Núcleo de Estudos em Gênero, Saúde e Direitos Humanos (MANDACARU).

Flávio Marcílio Maia e Silva Júnior, Universidade Federal de Alagoas

Mestre em Comunicação pelo Programa de Pós Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Sergipe (PPGCOM/UFS) e Graduado em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Foi professor Substituto da unidade Santana do Ipanema/Campus Sertão da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) na área de Comunicação e Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) entre 2019 e 2021. Tem experiência profissional em Assessoria de Comunicação, Jornalismo Cultural, Webjornalismo, Produção de eventos, Comunicação e Marketing Digital. É membro do grupo de pesquisa OBSCOM/Cepos. Lê e pesquisa sobre: música pop, música na internet, economia política da música, culturas midiáticas e plataformas digitais.

Referências

AGRELA, Lucas. Brasil é segundo país que mais usa TikTok no mundo. Exame. 28 de setembro de 2021.

ARAUJO, Saulo Nepomuceno Furtado de. Não sou boy, só não sou otário: negócios, diversão e prestígio nos mercados pop periféricos. 2018. 224 f. Tese (Doutorado em Sociologia). Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

AS 50 QUE VIRALIZARAM – BRASIL.

BAUMAN, Zygmunt. Vida líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

BENJAMIN, Walter; MACHADO, Francisco de Ambrosis Pinheiro. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica: segunda versão. Zouk, 2014.

CASTELL, Manuel. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

COSTA, Janaína. 'Cool For The Summer', música de Demi Lovato viralizou no TikTok. Lorena. 24 de março de 2022.

DE ALMEIDA, Juliana Gisi Martins. A reprodutibilidade técnica e a mudança de percepção da realidade. Revista Diálogo Educacional, v. 5, n. 15, p. 27-43, 2005.

DE MARCHI, Leonardo. Diversidade cultural nos mercados de comunicação e cultura: um panorama das discussões e métodos de pesquisa na indústria fonográfica. Teoria e Cultura, v. 13, n. 2, 2018.

DOL. Capitão de Areia: a música que virou sucesso 50 anos depois. DOL. 02/05/2022.

FRANCO, Renato. 10 lições sobre Walter Benjamin. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2015.

FABRO, Clara. TikTok ultrapassa WhatsApp e é o aplicativo mais baixado de 2020. Techtudo. 13 de dezembro.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.

HAN, Byung-Chul. Hiperculturalidade: cultura e globalização. Editora Vozes, 2019.

HELMOND, A. The platformization of the web: making web data platform ready. Social Media+ Society, Thousand Oaks, v. 1, n. 2, 2015.

JANOTTI JUNIOR, Jéder. Cultura pop: entre o popular e a distinção. In: SÁ, Simone Pereira de; CARREIRO, Rodrigo; FERRARAZ, Rogerio. Cultura pop. Salvador: EDUFBA; Brasília: Compós, 2015, p. 45-56.

LIPOVETSKY, Gilles. Metamorfoses da cultura liberal: ética, mídia, empresa. Porto Alegre: Sulina, 2004.

MACIEL, Rui. Os brasileiros são nossos preferidos. Os planos do TikTok para o país em 2020. Oberlo. 21 de jan de 2020.

MINTZ, A. Midiatização e plataformização. Novos Olhares, v. 8, n. 2, p. 98-109, 6 dez. 2019.

MOSHIN, Maryam. Nova rede social em números: TikTok no Brasil [Infográfico]. CanalTech. 24 de setembro. Disponível em: https://canaltech.com.br/redes-sociais/os-brasileiros-sao-nossos-preferidos-os-planos-do-tiktok-para-o-pais-em-2020-159343/. Acesso em: 06 mai. 2022.

MOURA, Rayane. TikTok resgata “Frozen”, de Madonna, que ganha até um remix novo. Gizmodo. 03 de março de 2022.

O QUE É MASHUP? Tecmundo. 21 de janeiro de 2009.

RÜDIGER, Francisco. A Escola de Frankfurt. In: HOHLFELDT, Antonio; MARTINO, Luiz C.; FRANÇA, Vera Veiga. Teorias da comunicação: conceitos, escolas e tendências. In: Teorias da comunicação: conceitos, escolas e tendências. 15 ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

SÁ, Simone Pereira de. Cultura digital, videoclipes e a consolidação da rede de música brasileira pop periférica. In: XXVI Encontro Anual da Compós, Faculdade Cásper Líbero, São Paulo: COMPÓS, p. 1-24, 2017.

SANTOS, Lucas Vinícius. Pulse: TikTok vai dividir receita de anúncios com criadores. 07/05/2022. Tecmundo.

SOFIA HERMOSO, Sofia. Jovem Dionisio alcança o topo do Spotify Brasil com 'Acorda Pedrinho'. Estadão. 22/05/2022.

THE MUSIC JOURNAL BRAZIL. Nelly Furtado viraliza com inusitado vídeo de “Say It Right”. Gente IG. 21 de março de 2022.

VALENTE, Jonas. Apresentação do dossiê temático “Plataformas digitais, economia e poder”. Revista Eletrônica Internacional de Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura, v. 22, n. 1, p. 78-96, 2020.

VAN DIJCK, José. La cultura de la conectividad: una historia crítica de las redes sociales. Siglo XXI editores, 2019.

Downloads

Publicado

2022-01-31

Como Citar

COELHO, Carlos Lacerda; MAIA E SILVA JÚNIOR, Flávio Marcílio. Vale o que vier? : Considerações sobre a reprodutibilidade musical no TikTok em tempos de Hipercultura. Latitude, Maceió-AL, Brasil, v. 16, n. 2, p. 71–89, 2022. DOI: 10.28998/lte.2022.n.2.13668. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/13668. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ: REDES SOCIAIS EM CONTEXTO DA MUDANÇA: AS RELAÇÕES DE SOCIABILIDADE A PAR

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.