Visibilidade e prestígio na construção da rede colaborativa dos docentes de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Alagoas: um olhar a partir do conceito de capital simbólico de Pierre Bourdieu

Autores

  • Jorge Raimundo da Silva Universidade Federal de Alagoas - Ufal
  • Maria das Graças Targino Pós-Doutora em Jornalismo Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Universidade Federal da Paraíba http://orcid.org/0000-0002-7563-3473

DOI:

https://doi.org/10.28998/cirev.2018v5n2b

Palavras-chave:

Rede Colaborativa. Capital Simbólico (Pierre Bourdieu). Análise de Redes Sociais. Medicina veterinária – produção científica. Universidade Federal de Alagoas – produção científica.

Resumo

A lógica da produção científica configura-se como espécie de competição entre os pesquisadores para a obtenção da autoridade científica e do prestígio ou do capital simbólico e, decerto, a colaboração científica contribui para este fim. Analisa-se, assim, a rede colaborativa e a visibilidade da produção de artigos dos docentes do curso de medicina veterinária da Universidade Federal de Alagoas na Web of Science e na Scopus. O pressuposto teórico fundamenta-se no conceito de capital simbólico de Pierre Bourdieu. Para a consecução do objetivo, a pesquisa configura-se como de natureza quali-quantitativa de cunho descritivo, recorrendo-se à pesquisa bibliográfica e à pesquisa documental para a coleta de dados disponibilizados nos respectivos currículos Lattes. Após a quantificação da produção científica, a rede colaborativa é representada por grafos, utilizando-se o software Ucinet. Dentre os resultados centrais, constata-se que o autor mais produtivo mantém a maior interação com seus pares, denotando que sua rede colaborativa é a mais expansiva. Ao contrário do esperado, os dois primeiros docentes mais produtivos não são os mais citados, e, sim, o terceiro e o quarto mais produtivos, o que lhes concede maior visibilidade e prestígio dentre os pares e na comunidade científica como um todo. Infere-se, então, que os docentes da área estudada, em geral, mantêm interação com relações interinstitucionais intensas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Raimundo da Silva, Universidade Federal de Alagoas - Ufal

Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB - Especialista em Biblioteconomia pela Faculdade Integrada de Jacarepaguá - FIJ - RJ, Graduado pela Universidade Federal de Alagoas (2004). Bibliotecário da Universidade Federal de Alagoas - Ufal. Foi professor no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC do Instituto Federal de Educação Tecnológica de Alagoas - IFAL. Editor das Revistas Olhares Plurais, Palavramundo e Revista PalavraMundo Direito.

Maria das Graças Targino, Pós-Doutora em Jornalismo Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília e jornalista, finalizou seus estudos em nível de pós-doutorado junto ao Instituto Interuniversitario de Iberoamérica da Universidad de Salamanca, e Máster Internacional en Comunicación y Educación da Universidad Autónoma de Barcelona (Espanha), ano 2007. Atuou como pesquisadora junto ao referido Instituto / USAL, de março de 2010 a julho de 2011. Sua experiência acadêmica inclui, ainda, cursos em países, como Inglaterra, Cuba, México, França e Estados Unidos. Ao longo das décadas, tem escrito centenas de artigos técnico-científicos, capítulos de livros e livros nas áreas de ciência de informação e comunicação. Após manter vinculação com a Universidade Federal do Piauí, por 25 anos e como professora do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFPI, entre 2011 e 2013, atualmente, é professora do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da UFPB e Coordenadora do Curso de Alfabetização e Letramento vinculado ao Centro de Educação Aberta a Distância  / UFPI. Dentre outras atividades atuais, é membro da Comissão Editorial (permanente ou ad hoc) de diferentes periódicos nacionais e internacionais. Ademais, mantém, a cada semana, coluna de opinião no jornal O Dia, Teresina PI.

Referências

ALEJANDRO, Á. O.; NORMAN, A. G. Manual introductorio al analisis de redes sociales: medidas de centralidad. 2005. Disponível em: <http://revista-redes.rediris.es/webredes/talleres/ Manual_ARS.pdf>. Acesso em: 17 mar. 2018.

BONAMINO, A. Os efeitos das diferentes formas de capital no desempenho escolar: um estudo à luz de Bourdieu e de Coleman. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 15, n. 45, p. 486-594, set. / dez. 2010.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2007.

______. A economia das trocas simbólicas. 8. ed. São Paulo: Perspectiva, 2015.

______. Razões práticas: sobre a teoria da ação. 11. ed. São Paulo: Papirus, 2016.

______. O campo científico. In: ORTIZ, R. (Org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1983. p.122-155.

______. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia do campo científico. São Paulo: Unesp, 2004.

CARRINGTON, P. J.; SCOTT, J.; WASSERMAN, S. (Ed.). Models and methods in social network analysis, structural analysis in social the social sciences. Cambridge: Cambridge University, 2005.

CARVALHO, K. de. Redes sociais: Presença humana e a comunicação informal. In: _____. POBLACIÓN, D.; MUGNAINI, L. M.; RAMOS, L. M. S. V. C. Redes sociais colaborativas: em informação científica. São Paulo: Angellara, 2009. p. 141-167.

CASTELLS, M. A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005. v.1

_____. A sociedade em rede: classificação da produção intelectual. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

COURY, H. J. C. G. Research and scientific publication integrity. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 16, n. 1, p. V-VI, jan. / fev. 2012.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 26 ed. São Paulo: Graal, 2013.

GARCIA, J. C. R. Patenteie e prospere: o que significa? Datagramazero, Rio de Janeiro, v.12, n.2, p. 18-23, abr. 2011.

LEITE, M. P. F. R. Avaliando a qualidade de revistas científicas para a publicação de resultados de pesquisas e estudos. Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, v. 13. n. 3, p. 317-319, jan./mar. 2009.

LETA, J.; CRUZ, C. H. de B. A produção científica brasileira. In: VIOTTI, E. B.; MACEDO, M. de M. (Org.). Indicadores de ciência, tecnologia e inovação no Brasil. Campinas: Unicamp, 2003. p. 125-168.

MARTELETO, R. M. Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 1, p. 71-81, jan./abr. 2001.

MATHEUS, R. F.; SILVA, A. B. de O. Fundamentação básica para análise de redes sociais: conceitos, metodologia e modelagem matemática. In: POBLACIÓN, D.; MUGNAINI, L. M.; RAMOS, L. M. S. V. C. Redes sociais colaborativas: em informação científica. São Paulo: Angellara, 2009. p. 219-262.

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999.

MENEGHINI, R. The key role of collaborative work in the growth of Brazilian science in the last ten years. Scientometrics, [S. l.], v. 35, n. 3, p. 367-373, 1996.

MOURA, A. M. M. de; CAREGNATO, S. E. Produção científica dos pesquisadores brasileiros que depositaram patentes na área da biotecnologia, no período de 2001 a 2005: colaboração interinstitucional e interpessoal. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 15, n. 29, p.84-105, 2010. Disponível: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2010v15n29p84/19543>. Acesso em 3 mar. 2018.

RECUERO, R. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2011.

SHINKAI, R. S. Integridade na pesquisa e ética na publicação. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 2-3, 2011.

SOLLA PRICE, D. J. de. Networks of scientific papers. Science, Washington – DC, v. 149, n. 3683, p. 510-515, 1965.

TARGINO, M. das G. ¿Tutoría o autoría? Fonseca: Journal of Communication, Salamanca, v. 2, p. 18-34, jun. 2011. Disponível em: <http://fjc.usal.es/index.php/sumario2/66-tutoriao autoria>. Acesso em: 3 mar. 2018.

THIRY-CHERQUES, H. R. Pierre Bourdieu: a teoria na prática. RAP, Rio de Janeiro, v. 40, n. 1 p. 27-55, jan. / fev. 2006.

VANZ, S. A. de S.; STUMPF, I. R. C. Colaboração científica: revisão teórico conceitual. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.15, n.2, p.42-55, maio / ago. 2010.

VIEIRA, L. A. Ciência da informação e redes de colaboração acadêmica: diálogos, constituição e perspectivas. 2009. 173 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

WASSERMAN, S.; FAUST, K. Social network analysis: methods and applications. Cambridge: Cambridge University, 1999.

ZIMAN, J. An introduction to science studies: the philosophical and social aspects of science and technology. Cambridge: Cambridge University, 1984

Downloads

Publicado

2018-08-22

Como Citar

Silva, J. R. da, & Targino, M. das G. (2018). Visibilidade e prestígio na construção da rede colaborativa dos docentes de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Alagoas: um olhar a partir do conceito de capital simbólico de Pierre Bourdieu. Ciência Da Informação Em Revista, 5(2), 14–30. https://doi.org/10.28998/cirev.2018v5n2b

Edição

Seção

Relatos de Pesquisa | Research Reports

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.