Reflexões sobre o ensino de História da África no currículo escolar: estratégias de inovação à luz da Filosofia da Diferença

Wéllia Pimentel Santos

Resumo


 O presente artigo visou problematizar o ensino da história da África nos currículos escolares, traçando considerações a respeito da importância de um currículo inovador voltado para o ensino da história da África no processo de ensino-aprendizagem. Deste modo a pesquisa refletiu acerca de possíveis estratégias para sua inovação à luz da Filosofia da diferença referenciada pelo filósofo francês Gilles Deleuze, na perspectiva de sua proposta de um currículo rizomático, com vistas a auxiliar a compreensão acerca da importância de se pensar a educação como ação de criação. Tratou-se, assim, de um estudo bibliográfico de caráter descrito e qualitativo, destacando a filosofia da diferença como uma metodologia indispensável no âmbito educacional.


Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, M. G. Educandos e educadores, seus direitos e o currículo. In: BRASIL, Ministério da Educação (MEC). Indagações sobre o currículo do ensino fundamental. 2007.

ASPIS, Renata Lima. Notas esparsas sobre filosofias da diferença e currículo. Revista Currículo sem Fronteiras, v. 16, n. 3, p. 429-439, set./dez. 2016. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol16iss3articles/aspis.pdf. Acesso: 18 de fev. 2019.

________. Ensino de filosofia e resistência. Tese (doutorado) Universidade Estadual de Campinas, 2012. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/250741/1/Aspis_RenataPereiraLima_D.pdf. Acesso: 20 de fev. 2019.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de história: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004.

BRASIL. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 9394/96. Brasília: 1996.

BRASIL, Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Brasília, DF, Outubro de 2004.

CAMPOS, Paulo F. S. O Ensino, a História e a Lei 10.639. In: História e Ensino. Londrina: Editora UEL, 2004. Vol. 10.

CANDAU, V. M.; MOREIRA, A. F. B. Educação escolar e cultura(s): construindo caminhos. Revista Brasileira de educação, n. 23, Mai/Jun/Jul/Ago. 2003.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Tradução de Peter Pál Pelbart. – São Paulo: Ed. 34, 1992.

________. Proust e os Signos. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

________. Diferença e Repetição. Tradução de Luiz Orlandi, Roberto Machado. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? 2.ed. Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

________. Mil Platôs. Capitalismo e esquizofrenia. Vol. 1. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. São Paulo: Ed. 34, 1995.

________. Kafka: por uma literatura menor. Tradução e prefácio Rafael Godinho. Lisboa: Editions Minuit, 2002.

DELEUZE, Gilles. PARNET, Claire. Diálogos. Tradução de José Gabriel Cunha. Lisboa: Relógio D’Água, 1996.

FAVARETTO, C. F. Filosofia, ensino e cultura. In: KOHAN, W. O. (Org.). Filosofia: caminhos para seu ensino. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

GALLO, S. Deleuze & a educação. Autêntica, 2003.

NIETZSCHE, Friedrich. Ecce Homo. Como se chega a ser o que se é. Tradutor: Artur Morão. Colecção: Textos Clássicos de Filosofia, Universidade da Beira Interior Covilhã, 2008.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Trad.: Lílian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

SÁ, Edmilson Siqueira de. Introdução Conceitual para a História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Capítulo do livro – História da África (EaD/FH/UFG). Goiânia: UFG, 2014.

SILVA, Tomaz Tadeu. D. Currículo e identidade social: Território contestado. In:________.(Org.) Alienígenas na sala de aula. Petropóles, RJ, Vozes, 2013.

ZOURABICHVILLI, FRANÇOIS. Deleuze e a questão da literalidade. Revista Educação e Sociedade, Campinas, vol. 26, n. 93, p. 1309-1321, Set./Dez. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v26n93/27281.pdf. Acesso: 21 de fev. 2019.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n25p123-138

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.