Os organismos internacionais e o livro didático no Brasil: anticomunismo e naturalização da ordem social vigente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/lte.2019.n.2.10634

Palavras-chave:

Livro didático, Organismos internacionais, Capitalismo, Comunismo,

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar a influência dos organismos internacionais na política nacional do livro didático no Brasil desde a segunda metade do século XX. Para tal, realizamos uma pesquisa bibliográfica e documental à luz do referencial teórico-metodológico do materialismo histórico-dialético. Ao longo do texto, mostramos que tanto no início da segunda metade do século XX, como no contexto pós-anos 1980, o pano de fundo ideológico de tal interferência é a busca de legitimação do sistema capitalista como uma experiência societária que, apesar de suas limitações, seria a única alternativa possível. Por fim, concluímos que em ambos os cenários a política do livro didático aparece como uma ferramenta estratégica na interdição ideológica do comunismo como projeto societário.

Abstract

The article aims to analyze the influence of international organizations on the national textbook policy in Brazil since the second half of the 20th century. To this end, we conducted a bibliographic and documentary research in the light of the theoretical-methodological framework of historical-dialectical materialism. Throughout the text, we show that both in the beginning of the second half of the twentieth century, and in the post-1980s context, the ideological background of such interference is the search for legitimation of the capitalist system as a societal experience that, despite its limitations, would be the only possible alternative. Finally, we conclude that in both scenarios the textbook policy appears as a strategic tool in the ideological interdiction of communism as a societal project.


Biografia do Autor

Valci Melo, Universidade Federal de Alagoas/Professor Substituto

Doutor e Mestre em Educação pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), licenciado em Pedagogia e em Ciências Sociais, docente na rede pública municipal de São José da Tapera e professor substituto da Ufal, Campus do Sertão.

Referências

ALTMANN, Helena. Influências do Banco Mundial no projeto educacional brasileiro. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.28, n.1, p. 77-89, jan./jun. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022002000100005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 22 jul. 2018.

BATISTA, Paulo Nogueira. O Consenso de Washington: a visão neoliberal dos problemas latino-americanos. [1994] Disponível em: <http://www.consultapopular.org.br/sites/default/files/consenso%20de%20washington.pdf>. Acesso em: 09 ago. 2018.

BITTENCOURT, Jane. A Base Nacional Comum Curricular: uma análise a partir do ciclo de políticas. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 13, 2017, Curitiba. Anais..., Curitiba: PUC-PR, CIERS-ed, FCC, 2017, p. 553-569.

BRASIL. Decreto n. 91.144, de 15 de março de 1985. Cria o Ministério da Cultura e dispõe sobre a estrutura, transferindo-lhe os órgãos que menciona, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 15 mar. 1985. Seção 1, p. 4703.

BRASIL. Decreto-lei n. 1.006, de 30 de dezembro de 1938. Estabelece as condições de produção, importação e utilização do livro didático. Diário Oficial [dos] Estados Unidos dos Brasil, Rio de Janeiro, DF, 05 jan. 1939. Seção 1, p. 277.

BRASIL. Decreto-Lei n. 8.460, de 26 de dezembro de 1945. Consolida a legislação sobre as condições de produção, importação e utilização do livro didático. Diário Oficial [dos] Estados Unidos dos Brasil, Rio de Janeiro, DF, 28 dez. 1945. Seção 1, p. 19208.

BRASIL. Decreto-Lei n. 93, de 21 de dezembro de 1937. Cria o Instituto Nacional do Livro. Diário Oficial [dos] Estados Unidos dos Brasil, Rio de Janeiro, DF, 27 dez. 1937. Seção 1, p. 25586.

BRASIL. Plano decenal de educação para todos. Brasília: MEC, 1993

BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos. A crise da América Latina: consenso de Washington ou crise fiscal? Pesquisa e Planejamento Econômico, Brasília, v. 21, n. 1, abr. 1991. Disponível em: <http://www.bresserpereira.org.br/papers/1991/91-AcriseAmericaLatina.pdf>. Acesso em: 09 ago. 2018.

CASSIANO, Célia Cristina de Figueiredo. O mercado do livro didático no Brasil: da criação do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) à entrada do capital internacional espanhol (1985-2007). 252f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

CHAVES, Miriam Waidenfeld. Desenvolvimentismo e pragmatismo: o ideário do MEC nos anos 1950. Cad. Pesqui., São Paulo , v. 36, n. 129, p. 705-725, dez. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-15742006000300010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 04 ago. 2018.

CUNHA, Marcus Vinícius. A educação no período Kubitschek: os centros de pesquisas do Inep. R. bras. Est. pedag., Brasília, v. 83, n. 203/204/205, p. 127-140, jan./dez. 2002. Disponível em: <http://rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/rbep/article/download/1057/796/>. Acesso em: 24 jul. 2018.

DAVIES, Nicholas. A política educacional nos governos do PT: continuidades ou descontinuidades em relação aos do PSDB? Revista HISTEDBR On-line, Campinas, nº 67, p. 39-52, mar. 2016.

FERREIRA, Rita de Cássia Cunha. A Comissão Nacional do Livro Didático durante o Estado Novo (1937-1945). 2008. 139 f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências e Letras de Assis, Universidade Estadual Paulista – UNESP, Assis – SP, 2008.

FILGUEIRAS, Juliana Miranda. Os processos de avaliação de livros didáticos no Brasil (1938-1984). 263f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.

FONSECA, Marília. O Banco Mundial e a educação: reflexões sobre o caso brasileiro. In: GENTILI, Pablo (org.). Pedagogia da exclusão: critica ao neoliberalismo em educação. 6. ed. Petrópolis – RJ: Vozes, 2000 (Tradução de Vânia Paganini Thurler e Tomaz Tadeu da Silva). Disponível em:

<https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8646087>. Acesso em: 17 ago. 2018.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS PEDAGÓGICOS. Conferências Internacionais de Instrução Pública: recomendações (1934-1963). Brasília: INEP, 1965.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Biobibliografia de Anísio Teixeira. R. bras. Est. pedag., Brasília, v. 82, n. 200/201/202, p. 207-242, jan./dez. 2001.

LEHER, Roberto. Um Novo Senhor da Educação? A política educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Outubro, São Paulo, v. 1, n. 3, p. 19-30, 1999. Disponível em: <http://outubrorevista.com.br/um-novo-senhor-da-educacao-a-politica-educacional-do-bancomundial-para-a-periferia-do-capitalismo/>. Acesso em: 03 ago. 2018.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2013.

MAÇAIRA, Julia Polessa. O ensino de Sociologia e o Livro Didático. In: BRUNETTA, Antonio Alberto; BODART, Cristiano das Neves; CIGALES, Marcelo Pinheiro (orgs.). Dicionário do Ensino de Sociologia. Maceió, AL: Editora Café com Sociologia, 2020.

MOTA JR., William Pessoa; MAUÉS, Olgaíses Cabral. O Banco Mundial e as políticas educacionais brasileiras. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 4, p. 1137-1152, out./dez. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2175-62362014000400010&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 11 ago. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. La reforma de los manuales escolares y del material de enseñanza. Cómo ponerlos al servicio de la compreensión internacional. Paris: Imprenta Lahure, 1951.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA. Declaração Mundial sobre Educação Para Todos (Conferência de Jomtien). Tailândia: Unesco, 1990. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf>. Acesso em: 23 jan. 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. O Sistema das Nações Unidas. Departamento de Informações Públicas – DPI, abr. 2011. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/organismos/organograma/>. Acesso em: 26 jul. 2018.

PANIAGO, Maria Lúcia. “Livro” didático: a simplificação e a vulgarização do conhecimento. São Paulo: Instituto Lukács, 2013.

PASQUALE, Carlos. Apresentação. In: INEP. Conferências Interamericanas de Educação: recomendações (1943-1963). Brasília: INEP, 1965b.

PASQUALE, Carlos. Apresentação. In: INEP. Conferências Internacionais de Instrução Pública: recomendações (1934-1963). Brasília: INEP, 1965a.

TEIXEIRA, Anísio. Discurso de posse do professor Anísio Teixeira no Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. R. bras. Est. pedag., Rio de Janeiro, v. 17, n. 46, p. 69-79, abr./jun. 1952. Disponível em: <http://www.bvanisioteixeira.ufba.br/artigos/discurso2.html>. Acesso em: 26 jul. 2018.

THE WORLD BANK. Comunicado à imprensa nº 2018/090/LAC. Programa para Resultados no Brasil vai apoiar a implementação da Reforma do Ensino Médio, beneficiando cerca de 2,4 milhões de estudantes. Disponível em: <https://www.worldbank.org/pt/news/press-release/2017/12/14/brazil-program-for-results-supports-upper-secondary-education-reform>. Acesso em: 18 ago. 2018.

Downloads

Publicado

29/09/2020

Como Citar

MELO, V. Os organismos internacionais e o livro didático no Brasil: anticomunismo e naturalização da ordem social vigente. Latitude, Maceió-AL, Brasil, v. 13, n. 2, p. 164–184, 2020. DOI: 10.28998/lte.2019.n.2.10634. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/latitude/article/view/10634. Acesso em: 23 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos