A Interseccionalidade como conteúdo da Educação Histórica

Autores

  • André Luiz da Silva Cazula Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP

DOI:

https://doi.org/10.28998/rchv13n25.2022.0005

Palavras-chave:

Interculturalidade, Educação Histórica, Interseccionalidade

Resumo

A composição de sistemas múltiplos de subordinação tem sido descrita de vários modos: discriminação composta, cargas múltiplas ou como dupla ou tripla discriminação. A interseccionalidade vem sendo desenvolvida como categoria conceitual e ferramenta analítica, o que fomenta a denúncia de conteúdos defasados, eurocêntricos e androcêntricos. Nesse sentido, faz-se necessário incorporar uma perspectiva intercultural nas práticas de ensino. Conforme a Educação Histórica, campo de pesquisa em expansão no Brasil, os conteúdos escolares devem ser significados no presente para que orientem a vida humana prática. Jörn Rüsen, teórico da área, indica o combate ao etnocentrismo em benefício da diversidade cultural. As Diretrizes Curriculares Estaduais do Estado do Paraná, de 2008, bem como o Referencial Curricular Paranaense para o Novo Ensino Médio, de 2021, apresentam uma fundamentação a partir de pressupostos teóricos e metodológicos baseados na Educação Histórica. Com o objetivo de corroborar com práticas curriculares alinhadas com a equidade, este artigo propõe o conteúdo interseccional no Ensino de História.

Referências

AGUIAR, Márcia Angela da S. Relato de resistência à instituição da BNCC pelo Conselho Nacional de Educação mediante pedido de vista e declaração de votos. In: A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Organização: Márcia Angela da S. Aguiar e Luiz Fernandes Dourado [Livro Eletrônico]. – Recife: ANPAE, 2018. Disponível em <https://www.anpae.org.br/BibliotecaVirtual/4-Publicacoes/BNCC-VERSAO-FINAL.pdf>. Acesso em 14/05/2022.

BARCA, Isabel. Marcos de consciência histórica de jovens portugueses. Currículo sem Fronteiras, v. 7, n. 1, p. 115-126, jan./jun. 2007. (revista portuguesa online). Disponível em <https://www.curriculosemfronteiras.org/vol7iss1articles/barca.pdf>. Acesso em 14/05/2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Curricular Comum. Brasília. MEC. 2018. Disponível em <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em 14/05/2022.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Cotidiano escolar e práticas interculturais. Cadernos de Pesquisa. v. 46, n. 161, p. 802-820, jul./set. 2016. Disponível em <https://www.scielo.br/j/cp/a/GKr96xZ95tpC6shxGzhRDrG/?lang=pt&format=pdf>. Acesso em 14/05/2022.

CERTEAU, Michel de. A invenção do Cotidiano: Artes de fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

COLLINS, Patricia Hill; BILGE, Sirma. Interseccionalidade. Trad. Rane Souza. São Paulo: Boitempo, 2021.

CRENSHAW, K. Documentos para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativo ao gênero. Trad. Liane Schneider. Estudos Feministas, ano 10, n.1: p. 171-188, 2002. Disponível em <https://www.scielo.br/j/ref/a/mbTpP4SFXPnJZ397j8fSBQQ/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em 14/05/2022.

CRENSHAW, Kimberlé. A Interseccionalidade na discriminação de raça e gênero. Cruzamento: raça e gênero. Texto de palestra proferida na UNIFEM. In VV.AA. Brasília: Unifem, 2004, p. 7-16.

DIAS, Sueli de Fátima; CAINELLI, Marlene Rosa. Ensino de História: Educação Histórica no contexto de mudanças das práticas pedagógicas (Paraná, 2008). Revista do Centro de Educação. UFSM. Santa Maria, v. 45, 2020. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/36242>. Acesso em 14/05/2022.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 44ª ed. Rio de Janeiro/ São Paulo: Paz e Terra, 2018.

GARCIA, Tânia Braga. Estudos sobre consciência histórica na Universidade Federal do Paraná. In: BARCA, Isabel (Org.). Estudos de consciência histórica na Europa, América, Ásia e África: actas das 7.ª Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga: Universidade do Minho. 2008. p. 123 – 133.

GERMINARI, Geyso Dongley. Educação Histórica: A constituição de um campo de pesquisa. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 42, p. 54-70, jun. 2011. Disponível em <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639866>. Acesso em 14/05/2022.

LEE, Peter. Em direção a um conceito de literacia histórica. Educar em Revista. Número especial. Curitiba. Ed. UFPR, n°1, Janeiro 2006. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/5543>. Acesso em 14/05/2022.

LOPES, Alice Casemiro. Apostando na produção contextual do currículo. In: A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Organização: Márcia Angela da S. Aguiar e Luiz Fernandes Dourado [Livro Eletrônico]. – Recife: ANPAE, 2018. Disponível em <https://www.anpae.org.br/BibliotecaVirtual/4-Publicacoes/BNCC-VERSAO-FINAL.pdf>. Acesso em 14/05/2022.

MACEDO, Elizabeth. “A base é a base”. E o currículo é o que? In: A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Organização: Márcia Angela da S. Aguiar e Luiz Fernandes Dourado [Livro Eletrônico]. – Recife: ANPAE, 2018. Disponível em <https://www.anpae.org.br/BibliotecaVirtual/4-Publicacoes/BNCC-VERSAO-FINAL.pdf>. Acesso em 14/05/2022.

OLIVEIRA, Keila de; RAUEN, Margarida Gandara. A formação docente antirracista e anti-sexista. Resumo expandido. GT08 – Formação de Professores. 40° Reunião Nacional da Anped. Universidade Federal do Pará (UFPA). set./out. 2021.

PARANÁ. Secretaria da Educação e do Esporte do Estado do Paraná. Referencial Curricular para o Ensino Médio no Paraná. Curitiba, 2021. Disponívem em: <https://www.educacao.pr.gov.br/sites/default/arquivos_restritos/files/documento/2021-08/referencial_curricular_novoem_11082021.pdf>. Acesso em 14/05/2022.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Departamento de Educação Básica. Diretrizes Curriculares da Educação Básica – História. Curitiba, 2008. Disponível em <http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_hist.pdf>. Acesso em 14/05/2022.

RAMOS, Márcia Elisa Teté; CAINELLI, Marlene. A Educação Histórica como campo investigativo. Diálogos (Maringá Online), v. 19, n. 1, p. 11-27, jan./abr. 2015. Disponível em: <https://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/Dialogos/article/view/33801>. Acesso em 14/05/2022.

RAUEN, Margarida G. Currículo, leituras e sistemas de discriminação: há alternativas? Interfaces. Vol. 11, n. 4. Guarapuava, p. 283- 294, 2020. Disponível em: <https://revistas.unicentro.br/index.php/revista_interfaces/article/view/6700>. Acesso em 14/05/2022.

RÜSEN. Jörn. Razão histórica: teoria da história: fundamentos da ciência histórica. Tradução de Estevão de Rezende Martins. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1° reimpressão, 2010a.

RÜSEN. Jörn. Aprendizado histórico. In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel; MARTINS, Estevão de Rezende (Orgs.). Jörn Rüsen e o ensino de história. Curitiba: Ed. UFPR, 2010b.

RÜSEN. Jörn. Experiência, interpretação, orientação: As três dimensões da aprendizagem histórica. In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel; MARTINS, Estevão de Rezende (Orgs.). Jörn Rüsen e o ensino de história. Curitiba: Ed. UFPR, 2010c.

RÜSEN, J. Como dar sentido ao passado: questões relevantes de meta-história. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, Ouro Preto, v. 2, n. 2, p. 163–209, 2009. Disponível em: <https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/12>. Acesso em 14/05/2022.

RÜSEN. Jörn. Cultura: Universalismo, relativismo ou o que mais? História & Ensino, Londrina, v. 18, n. 2, p. 281-291, jul./dez. 2012. Disponível em: <https://www.uel.br/revistas/uel/index.php/histensino/article/view/13263>. Acesso em 14/05/2022.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora; URBAN, Ana Claudia. Afinal, O que é Educação Histórica? Revista Ibero-Americana de Educação Histórica - RIBEH. V. 01, n. 1, p. 07-31, Ago./Dez. 2018.

SILVA, Jeferson Rodrigo da. Artes de fazer o ensino de história: professor, aluno e livro didático entres os saberes admitido e inventivo. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade Estadual de Londrina, Centro de Letras e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História Social. Londrina, 2012. Disponível em: <http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UEL_ecbd7d90d71e7e026aa969f350b21738>. Acesso em 14/05/2022.

SILVA, Monica Ribeiro da. A BNCC da reforma do Ensino Médio: O resgate de um empoeirado discurso. Educação em Revista. Belo Horizonte. v. 34, 2018. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/edur/a/V3cqZ8tBtT3Jvts7JdhxxZk/abstract/?lang=pt>. Acesso em 14/05/2022.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O Currículo como fetiche: A poética e a política do texto curricular. 2° reimpressão. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

Downloads

Publicado

04/08/2022

Como Citar

da Silva Cazula, A. L. (2022). A Interseccionalidade como conteúdo da Educação Histórica. Revista Crítica Histórica, 13(25). https://doi.org/10.28998/rchv13n25.2022.0005

Edição

Seção

Dossiê Ensino de História: etnicidade e relações raciais