As comunidades de práticas de Wenger e a praxiologia de Bourdieu

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/cirev.2022v9n1/3a

Palavras-chave:

Comunidades de práticas. Praxiologia. Comunidades virtuais.

Resumo

Realiza revisão de literatura, relacionando as ideias do autor precursor do termo comunidades de práticas Etiene Charles Wenger com a praxiologia de Pierre Félix Bourdieu.  Wenger considera como elementos principais das comunidades de práticas o domínio, a comunidade e a prática, enquanto Bourdieu estabelece abordagem epistemológica e organiza o pensamento social em dois tipos de conhecimento, o objetivismo e a fenomenologia. Ao usar as práticas das ações humanas, baseando-se no habitus, identificam-se sistemas aos quais o indivíduo se adapta, e, teoricamente, também surgem semelhanças entre as comunidades de práticas e a praxiologia, exemplificadas pelo condicionamento dos atores à sociedade e às suas relações de força, domínio, lutas e estratégias. Portanto, ao estudar as comunidades de práticas versus a praxiologia, certifica-se que a aprendizagem coletiva se fortalece, resultando num compartilhamento de informações entre os membros da comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kleber José de Lima da Costa Barros, Universidade Federal da Paraíba

Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba

Joana Coeli Ribeiro Garcia, Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Ciência da Informação pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia/Universidade Federal do Rio de Janeiro
Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal da Paraíba

Marynice de Medeiros Matos Autran, Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Informação e Comunicação em Plataformas Digitais pela Universidade do Porto
Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal da Paraíba

Referências

ANDRADE JUNIOR, Pericles Morais. Agência e estrutura: o conhecimento praxiológico em Pierre Bourdieu. Estudos de Sociologia, revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE, v. 12, n. 2, p. 97-118, 2008. Disponível em: <https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/235400>. Acesso em: 29 dez. 2020.

BOURDIEU, Pierre. Esboço de uma Teoria da Prática. In: ORTIZ, Renato (org.). A sociologia de Pierre Bourdieu, São Paulo: Editora Ática, 1994.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Tradução: Mariza Côrrea, Campinas, SP: Papirus. 1996.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Ed. da UNESP, 2004.

FERREIRA, Carlos Eduardo Coelho. Comunidades virtuais e as organizações: um estudo sobre a utilização deste novo ambiente. 2008. 104 f. Dissertação (mestrado) – Escola de Administração de empresas de São Paulo, 2008. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/2305>. Acesso em: 11 jan. 2021.

FREITAS, Celma. A prática em Bourdieu. Revista Científica FacMais, v. I, p. 5-22, 2012. Disponível em: <http://revistacientifica.facmais.com.br/wp-content/uploads/2012/04/1.A-PR%C3%81TICA-EM-BOURDIEU-Celma-Freitas1.pdf>. Acesso em: 30 dez. 2020.

GARCIA, Joana Coeli Ribeiro; SILVA, Edilene Maria. Nuanças e estratégias que circundam o conhecimento tácito. Navus Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, v.5, n.3, p.6-21, 2015. Disponível em: <http://www.spell.org.br/documentos/ver/36791/nuancas-e-estrategias-que-circundam-o-conhecime--->. Acesso em: 14 abr. 2021.

LAVE, Jean; WENGER, Etienne. Situated Learning: legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

MEDEIROS, Jackson da Silva. Abordagem bourdieusiana para uma análise de campo: um enfoque para a comunicação científica e o acesso aberto. Em Questão, v. 23, n. 2, p. 98-119, 2017. DOI: 10.19132/1808-5245232.98-119. Disponível em: <http://www.brapci.inf.br/index.php/res/v/10650>. Acesso em: 03 jan. 2021.

RIMÁ, Jacqueline de Castro; GARCIA, Joana Coeli Ribeiro; TARGINO, Maria das Graças. Comunidades de práticas virtuais dos técnicos administrativos em educação de Instituições de Ensino Superior. Informação em Pauta, v. 2, n. 1, p. 8-27, 25 jun. 2017. Disponível em: <http://www.periodicos.ufc.br/informacaoempauta/article/view/6244>. Acesso em: 22 mar. 2021

SENGE, Peter M. A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende. Tradução: Gabriel Zide Neto, 34 ed. Rio de Janeiro: BestSeller, 2017.

SILVA, Anderson Aparecido Lima da. A teoria da prática de Pierre Bourdieu: entre estruturalismo e fenomenologia. Kínesis, v. 8, p. 31-45, 2016. Disponível em: <https://redib.org/Record/oai_articulo2318476-a-teoria-da-pr%C3%A1tica-de-pierre-bourdieu-entre-estruturalismo-e-fenomenologia>. Acesso em: 02 jan. 2021.

TEIXEIRA FILHO, Jayme. Comunidades virtuais: como as comunidades de prática na internet estão mudando os negócios. Rio de Janeiro: Senac, 2002.

TORMA, Kathy Rejane Pestana. Habitus. Comunidades de prática: a construção de um novo sujeito social. SEPesq, 2015. Trabalho apresentado no XI Semana de Extensão, Pesquisa e Pós-Graduação. Disponível em: <https://www.uniritter.edu.br/files/sepesq/arquivos_trabalhos/3612/698/790.pdf>. Acesso em: 02 jan. 2021.

TURNER, Fred. Where the Counterculture Met the New Economy. Technology & Culture, vol. 46, p. 485-512, 2005. Disponível em: <https://www.academia.edu/26433630/Where_the_Counterculture_Met_the_New_Economy_The_WELL_and_the_Origins_of_Virtual_Community>. Acesso em: 11 jan. 2021.

SCARTEZINI, Natalia. Introdução ao método de Pierre Bourdieu. Cadernos de Campo (UNESP), v. 1415, p. 25-37, 2011. Disponível em: <https://periodicos.fclar.unesp.br/cadernos/article/download/5159/4224>. Acesso em: 14 jan. 2021.

WENGER, Etienne. Communities of practice: learning, meaning, and identity. Cambridge: Cambridge university press, 1998.

WENGER, Etienne; MCDEMORTT, Richard; SNYDER, William. Cultivating communities of practice: a guide to managing knowledge. Boston: Harvard Business Press, 2002.

Downloads

Publicado

2023-04-01

Como Citar

Lima da Costa Barros, K. J. de, Garcia, J. C. R., & Medeiros Matos Autran, M. de. (2023). As comunidades de práticas de Wenger e a praxiologia de Bourdieu. Ciência Da Informação Em Revista, 9(1/3), 1–12. https://doi.org/10.28998/cirev.2022v9n1/3a

Edição

Seção

Artigos | Articles

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.