A problematização e a instrumentalização na formação do pedagogo para o ensino de Ciências da Natureza

Luciana Massi, Francisco José Carvalho Mazzeu, Michel Pisa Carnio

Resumo


Este trabalho discute uma experiência de formação de professores para o ensino de ciências, fundamentada em alguns pressupostos da Pedagogia Histórico-Crítica e da Teoria Histórico-Cultural e desenvolvida junto a estudantes do curso de Pedagogia de uma universidade estadual paulista. Partindo de questões problematizadoras, os estudantes em formação tiveram contato com fundamentos teórico-metodológicos que traduziram em planos de aula sobre determinados temas curriculares. Analisando os resultados da experiência, conclui-se que é fundamental problematizar a situação desses estudantes em relação ao domínio sistemático dos conceitos científicos que irão ensinar, evidenciando a necessidade de superação tanto dos conceitos espontâneos das crianças, quanto da forma mecânica de assimilação de conceitos que predominou na trajetória deles e que tendem, sem perceber, a reproduzir em suas aulas.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, E. S. N. N.; TIZIOTO, P. C. CALUZI, J. J. Ciência e (In)Tolerância. Cadernos CDMCT - Série Divulgação Científica n.01 – 1 ed. – Bauru: Faculdade de Ciências, 2007.

AUGUSTO, T. G. S.; AMARAL, I. A. Concepções de professoras das séries iniciais, em formação em serviço, sobre a prática pedagógica em ciências. Investigações em Ensino de Ciências, v. 19, n. 1, pp. 163-176, 2014.

AUGUSTO, T. G. S.; AMARAL, I. A. A formação de professoras

para o ensino de ciências nas séries iniciais: análise dos efeitos de uma proposta inovadora. Ciência e Educação, v. 21, n. 2, p. 493-509, 2015.

BATISTA, I. L.; NASCIMENTO, E. L. União da História da Ciência com o Vê de Gowin: um estudo na formação de professores das séries iniciais. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 11, n.2, p. 41-66, 2011.

BELUSCI, H. T.; BAROLLI, E. Impasses na formação inicial de professores das séries iniciais para o ensino de Ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 13, n. 1, p. 135-158, 2013.

BIZZO, N. Conhecimento científico e cotidiano. In: BIZZO, N. Ciências: fácil ou difícil? São Paulo: Ática, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ciências. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. (2001). Parecer nº. CNE/CP 009/2000, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Conselho Nacional de Educação, Brasília, DF, 8 mai. 2001.

CARVALHO, A. M. P. O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.) Ensino de ciências por investigação - Condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013. cap.1.

GALLET, D. S.; MEGID, M. A. B. A.; CAMARGO, F. F. A experimentação em ciências naturais: uma abordagem histórico-crítica. Experiências em Ensino de Ciências, Universidade Federal de Mato Grosso, v.11, no. 1, 2016.

GASPARIN, J. L. Uma didática para a Pedagogia Histórico-Crítica. 4. ed. rev. e ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2007. (Coleção educação contemporânea).

GIL-PÉREZ, D. G.; MONTORO, I. F.; ALÍS, J. C.; CACHAPUZ, A.; PRAIA, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, 7, 125-153.

FERNANDES, R. C. A.; NETO, J. M. Modelos educacionais em 30 pesquisas sobre práticas pedagógicas no ensino de Ciências nos anos iniciais da escolarização. Investigações em Ensino de Ciências, v. 17(3), p.641-662, 2012.

KRASILCHIK, MYRIAM. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo Perspec. [online]. 2000, vol.14, n.1, pp. 85-93.

LIBANEO, J. C.; PIMENTA, S. G. Formação de profissionais da educação: visão crítica e perspectiva de mudança. Educ. Soc., Campinas , v. 20, n. 68, p. 239-277, Dec. 1999.

LIMA, M. E. C. C.; MAUÉS, E. Uma releitura do papel da professora das séries iniciais no desenvolvimento e aprendizagem de ciências das crianças. Revista Ensaio, v. 8, n. 2, p. 161-175, 2006.

LIMA, M. E. C.; LOUREIRO, M. B. Trilhas para ensinar ciências para crianças. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.

LONGHINI, M. D. O conhecimento do conteúdo científico e a formação do professor das séries iniciais do ensino fundamental. Investigações em Ensino de Ciências, v. 13, n. 2, p. 241-253, 2008.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação educacional escolar; para além do autoritarismo, Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro. ABT, 13 (61): 6-5, nov./dez., 1984.

MAZZEU, Francisco José Carvalho. Uma proposta metodológica para a formação continuada de professores na perspectiva histórico-social. Cad. CEDES, Campinas, v. 19, n. 44, p. 59-72, Apr. 1998. Disponível em: . Acesso em 26 de outubro de 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32621998000100006.

NIGRO, R. G.; AZEVEDO, N. M. Ensino de ciências no fundamental 1: perfil de um grupo de professores em formação continuada num contexto de alfabetização científica. Ciência & Educação, v. 17, n. 3, p. 705-720, 2011.

OECD. PISA 2012 Results: What Students Know and Can Do – Student Performance in Mathematics, Reading and Science. 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2015.

SANTOS, W. L. P. dos; MORTIMER, E. F. Uma Análise de Pressupostos Teóricos da Abordagem C-T-S (Ciência-Tecnologia-Sociedade) no Contexto da Educação Brasileira. Ensaio – pesquisa em educação em ciências, v. 2, n. 2, p.133-162, 2000.

SANTOS, Cesar Satiro dos. ENSINO DE CIENCIAS: ABORDAGEM HISTORICO-CRITICA. São Paulo: Autores Associados, 2005 (coleção: Armazém do Ipê)

SAVIANI, Demerval. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. 7 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

VASCONCELOS, C; PRAIA, J. F.; ALMEIDA, L. S. Teorias de aprendizagem e o ensino/aprendizagem das ciências: da instrução à aprendizagem. Psicol. Esc. Educ. 2003, vol.7, n.1, pp. 11-19.

VIGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo : Martins Fontes, 2001.

ZILLI, B. et al. Apropriação teórica e metodológica da Pedagogia Histórico-Crítica na Educação em Ciências. In: X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2015, Águas de Lindóia. Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em CiênciasX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2015. p. 1-9.

ZUQUIERI, Rita de Cássia Bastos. Ensino de Ciências na Educação Infantil: Análise de Práticas Docentes na Abordagem Metodológica da Pedagogia Histórico-Crítica. Bauru, SP: Faculdade de Ciências/Universidade Estadual Paulista (UNESP), 2007. Dissertação (Mestrado)




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p22-37

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.