A problematização e a instrumentalização na formação do pedagogo para o ensino de Ciências da Natureza

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p22-37

Resumo

Este trabalho discute uma experiência de formação de professores para o ensino de ciências, fundamentada em alguns pressupostos da Pedagogia Histórico-Crítica e da Teoria Histórico-Cultural e desenvolvida junto a estudantes do curso de Pedagogia de uma universidade estadual paulista. Partindo de questões problematizadoras, os estudantes em formação tiveram contato com fundamentos teórico-metodológicos que traduziram em planos de aula sobre determinados temas curriculares. Analisando os resultados da experiência, conclui-se que é fundamental problematizar a situação desses estudantes em relação ao domínio sistemático dos conceitos científicos que irão ensinar, evidenciando a necessidade de superação tanto dos conceitos espontâneos das crianças, quanto da forma mecânica de assimilação de conceitos que predominou na trajetória deles e que tendem, sem perceber, a reproduzir em suas aulas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Massi, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Doutora em Ensino de Química pelo Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências da Universidade de São Paulo (2013). Realizou estágio de doutoramento com Bernard Lahire na École Normale Supérieure em Lyon e com João Teixeira Lopes na Universidade do Porto e estágio de pós-doutoramento na Faculdade de Educação da USP (2018). Obteve a Licenciatura em Química pelo Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2005) e o Mestrado em Ciências pelo Instituto de Química de São Carlos - Universidade de São Paulo (2008), tendo desenvolvido dissertação na área de Educação Química. Tem experiência na área de Educação Química, com ênfase em linguagem, sociologia da educação e formação de professores. Atuou como docente em ensino médio e superior em instituições públicas e particulares e em diversos cursos a distância de formação inicial e continuada. É professora assistente doutora do Departamento de Didática da Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara e do Programa de Pós-Graduação em Educação para Ciência da Faculdade de Ciências de Bauru da Universidade Estadual Paulista (UNESP).

Francisco José Carvalho Mazzeu, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCar (1986), Mestrado em Metodologia do Ensino pela UFSCar (1992) e Doutorado em Fundamentos da Educação pela UFSCar (1999). Atualmente é professor assistente doutor no Departamento de Didática da FCL/ UNESP, Campus de Araraquara e professor no Programa de Pós-graduação em Educação Escolar. Coordena o Programa de Educação de Jovens e Adultos - PEJA, na FCL/UNESP/Araraquara. Tem experiência na área de Educação de Jovens e Adultos, com ênfase na relação entre Trabalho e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Alfabetização de jovens e adultos, alfabetização de crianças e formação de professores para as séries iniciais do ensino fundamental. Desenvolve e orienta pesquisas fundamentadas na Psicologia Histórico-Cultural e na Pedagogia Histórico-Crítica.

Michel Pisa Carnio, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Licenciado em Ciências Biológicas pela UNESP de Ilha Solteira (2009), Mestre (2012) e Doutor (2017) em Educação para a Ciência pela UNESP de Bauru.Desenvolveu Pós-Doutorado (2019) em Educação para a Ciência e a Matemática na Universidade Estadual de Maringá (UEM). Integrante do Grupo de Pesquisa "Educação Continuada de Professores e Avaliação Formativa" desde 2010, por meio do qual realizou doutorado-sanduíche (2014) pelo Programa Colombo-Brasileiro de Formação de Professores na Interface Universidade-Escola, em parceria com a Universidad Pedagógica Nacional, da Colômbia. Tem interesse nas áreas de Ensino de Ciências e Biologia, Formação inicial e continuada de Professores, interface Universidade-Escola, Educação CTSA e Questões Sociocientíficas (QSC), Políticas Públicas educacionais, e relações da Teoria Crítica com Psicanálise e Educação.

Referências

ARAÚJO, E. S. N. N.; TIZIOTO, P. C. CALUZI, J. J. Ciência e (In)Tolerância. Cadernos CDMCT - Série Divulgação Científica n.01 – 1 ed. – Bauru: Faculdade de Ciências, 2007.

AUGUSTO, T. G. S.; AMARAL, I. A. Concepções de professoras das séries iniciais, em formação em serviço, sobre a prática pedagógica em ciências. Investigações em Ensino de Ciências, v. 19, n. 1, pp. 163-176, 2014.

AUGUSTO, T. G. S.; AMARAL, I. A. A formação de professoras

para o ensino de ciências nas séries iniciais: análise dos efeitos de uma proposta inovadora. Ciência e Educação, v. 21, n. 2, p. 493-509, 2015.

BATISTA, I. L.; NASCIMENTO, E. L. União da História da Ciência com o Vê de Gowin: um estudo na formação de professores das séries iniciais. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 11, n.2, p. 41-66, 2011.

BELUSCI, H. T.; BAROLLI, E. Impasses na formação inicial de professores das séries iniciais para o ensino de Ciências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 13, n. 1, p. 135-158, 2013.

BIZZO, N. Conhecimento científico e cotidiano. In: BIZZO, N. Ciências: fácil ou difícil? São Paulo: Ática, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ciências. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. (2001). Parecer nº. CNE/CP 009/2000, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Conselho Nacional de Educação, Brasília, DF, 8 mai. 2001.

CARVALHO, A. M. P. O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.) Ensino de ciências por investigação - Condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013. cap.1.

GALLET, D. S.; MEGID, M. A. B. A.; CAMARGO, F. F. A experimentação em ciências naturais: uma abordagem histórico-crítica. Experiências em Ensino de Ciências, Universidade Federal de Mato Grosso, v.11, no. 1, 2016.

GASPARIN, J. L. Uma didática para a Pedagogia Histórico-Crítica. 4. ed. rev. e ampl. Campinas, SP: Autores Associados, 2007. (Coleção educação contemporânea).

GIL-PÉREZ, D. G.; MONTORO, I. F.; ALÍS, J. C.; CACHAPUZ, A.; PRAIA, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação, 7, 125-153.

FERNANDES, R. C. A.; NETO, J. M. Modelos educacionais em 30 pesquisas sobre práticas pedagógicas no ensino de Ciências nos anos iniciais da escolarização. Investigações em Ensino de Ciências, v. 17(3), p.641-662, 2012.

KRASILCHIK, MYRIAM. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo Perspec. [online]. 2000, vol.14, n.1, pp. 85-93.

LIBANEO, J. C.; PIMENTA, S. G. Formação de profissionais da educação: visão crítica e perspectiva de mudança. Educ. Soc., Campinas , v. 20, n. 68, p. 239-277, Dec. 1999.

LIMA, M. E. C. C.; MAUÉS, E. Uma releitura do papel da professora das séries iniciais no desenvolvimento e aprendizagem de ciências das crianças. Revista Ensaio, v. 8, n. 2, p. 161-175, 2006.

LIMA, M. E. C.; LOUREIRO, M. B. Trilhas para ensinar ciências para crianças. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.

LONGHINI, M. D. O conhecimento do conteúdo científico e a formação do professor das séries iniciais do ensino fundamental. Investigações em Ensino de Ciências, v. 13, n. 2, p. 241-253, 2008.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação educacional escolar; para além do autoritarismo, Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro. ABT, 13 (61): 6-5, nov./dez., 1984.

MAZZEU, Francisco José Carvalho. Uma proposta metodológica para a formação continuada de professores na perspectiva histórico-social. Cad. CEDES, Campinas, v. 19, n. 44, p. 59-72, Apr. 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621998000100006&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 26 de outubro de 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32621998000100006.

NIGRO, R. G.; AZEVEDO, N. M. Ensino de ciências no fundamental 1: perfil de um grupo de professores em formação continuada num contexto de alfabetização científica. Ciência & Educação, v. 17, n. 3, p. 705-720, 2011.

OECD. PISA 2012 Results: What Students Know and Can Do – Student Performance in Mathematics, Reading and Science. 2014. Disponível em: <http://www.oecd.org/pisa/aboutpisa/>. Acesso em: 01 jun. 2015.

SANTOS, W. L. P. dos; MORTIMER, E. F. Uma Análise de Pressupostos Teóricos da Abordagem C-T-S (Ciência-Tecnologia-Sociedade) no Contexto da Educação Brasileira. Ensaio – pesquisa em educação em ciências, v. 2, n. 2, p.133-162, 2000.

SANTOS, Cesar Satiro dos. ENSINO DE CIENCIAS: ABORDAGEM HISTORICO-CRITICA. São Paulo: Autores Associados, 2005 (coleção: Armazém do Ipê)

SAVIANI, Demerval. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. 7 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

VASCONCELOS, C; PRAIA, J. F.; ALMEIDA, L. S. Teorias de aprendizagem e o ensino/aprendizagem das ciências: da instrução à aprendizagem. Psicol. Esc. Educ. 2003, vol.7, n.1, pp. 11-19.

VIGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo : Martins Fontes, 2001.

ZILLI, B. et al. Apropriação teórica e metodológica da Pedagogia Histórico-Crítica na Educação em Ciências. In: X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2015, Águas de Lindóia. Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em CiênciasX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2015. p. 1-9.

ZUQUIERI, Rita de Cássia Bastos. Ensino de Ciências na Educação Infantil: Análise de Práticas Docentes na Abordagem Metodológica da Pedagogia Histórico-Crítica. Bauru, SP: Faculdade de Ciências/Universidade Estadual Paulista (UNESP), 2007. Dissertação (Mestrado)

Downloads

Publicado

2020-06-22

Como Citar

MASSI, Luciana; MAZZEU, Francisco José Carvalho; CARNIO, Michel Pisa. A problematização e a instrumentalização na formação do pedagogo para o ensino de Ciências da Natureza. Debates em Educação, [S. l.], v. 12, n. 27, p. 22–37, 2020. DOI: 10.28998/2175-6600.2020v12n27p22-37. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/7281. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos