Jogos digitais e gamificação: intervenção para o aprimoramento das funções executivas

Daniela Karine Ramos, Clarissa Venturiei, Naomi Stange, Bruna Santana Anastácio

Resumo


Este artigo tem o objetivo de avaliar as contribuições de intervenções com o uso de jogos digitais para o aprimoramento das funções executivas em crianças. A pesquisa realizada observa o desenho de um estudo quase-experimental de abordagem mista. Participaram do estudo 12 crianças com idade média de 10,75 anos, divididas em dois grupos. A avaliação foi realizada com base na aplicação de testes psicológicos antes e depois das intervenções com jogos digitais, comparam-se o desempenho entre o grupo que teve a intervenção gamificada e outro grupo não gamificada, e consideraram-se também as observações realizadas. Os resultados revelaram melhoras significativas no desempenho da atenção alternada, atenção dividida e inteligência geral. A gamificação das intervenções revelou contribuições para o maior engajamento das crianças e uma diferença moderada no tamanho do efeito que pode ser associada a melhoras nas funções executivas.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Lynn Rosalina; MINHO, Marcelle Rose; DINIZ, Marcelo Vera Cruz. Gamificação: diálogos com a educação. In: FADEL, Luciane Maria et al (Org.). Gamificação na educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014 [e-book].

BARROS, Priscila Magalhães; HAZIN, Izabel. Avaliação das Funções Executivas na Infância: Revisão dos Conceitos e Instrumentos. Psicologia em Pesquisa, [s.l.], v. 7, n. 1, p.13-22, jun. 2013. Psicologia em Pesquisa. http://dx.doi.org/10.5327/z1982-1247201300010003.

BISSOLOTTI, Katielen; NOGUEIRA, Hamilton Garcia; PEREIRA, Alice Theresinha Cybis. Potencialidades das mídias sociais e da gamificação na educação a distância. Revista Renote: Novas tecnologias na educação. v. 12, n.2. UFRGS, 2014.

BODROVA Elena; LEONG, Deborah. Tools of the mind. OH: Merrill / Prentice Hall; 2007.

BUSARELLO, Raul Inácio. Gamification: princípios e estratégias. São Paulo: Pimenta Cultural, 2016.

BUSARELLO, Raul Inácio; ULBRICHT, Vania Ribas; FADEL, Luciane Maria. A gamificação e a sistemática de jogo: conceitos sobre a gamificação como recurso motivacional. In: FADEL, Luciane Maria et al (Org.). Gamificação na educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014 [e-book].

CARVALHO, Chrissie; ABREU, Neander. Estimulando Funções Executivas em sala de aula: o Programa Heróis da Mente. Anais do Seminário Tecnologias Aplicadas a Educação e Saúde, v. 1, n. 1, 2014.

CANTIERE, Carla Nunes. Intervenção em funções executivas em alunos dos três anos iniciais do ensino fundamental e sua relação com desempenho cognitivo e perfil comportamental. Tese (Doutorado em Distúrbios do Desenvolvimento) - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2018. Disponível em http://tede.mackenzie.br/jspui/handle/tede/3731. Acesso em: 25 de set. de 2019.

CELIS, Harold Germán Rodríguez; ESCOBAR, Marithza Sandoval. Consumo de videojuegos y juegos para computador: influencias sobre la atención, memoria, rendimiento académico y problemas de conducta. Suma Psicol. vol.18 no.2 Bogotá July/Dec. 2011. Disponível em http://www.scielo.org.co/pdf/sumps/v18n2/v18n2a08.pdf. Acesso em: 25 de set. de 2019.

COHEN, Jacob. Statistical power analysis for the behavioral sciences. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates, 1988.

DETERDING, Sebastian. Gamification: designing for motivation. Interactions, v. 19, n. 4, p. 14-17, 2012.

DIAMOND, Adele; LEE, Kathleen. Interventions shown to aid executive function development in children 4 to 12 years old. Science, v. 333, n. 6045, p. 959-964, 2011.

DIAS, Natália Martins, SEABRA, Alessandra Gotuzo. Programa de Intervenção em Autorregulação e Funções Executivas – PIAFEx. São Paulo: Memnon; 2013.

GOLDIN, Andrea Paula et al. Far transfer to language and math of a short software-based gaming intervention. Proceedings of the National Academy of Sciences, v. 111, n. 17, p. 6443-6448, 2014.

HARVARD, University. Construindo o sistema de “Controle de Tráfego Aéreo” do cérebro: Como as primeiras experiências moldam o desenvolvimento das funções executivas. Estudo n. 11. Center on the Developing Child, 2011. Disponível em: http://www.developing child.harvard.edu, 2011.Acessado em 7 de junho de 2016.

HOMER, Bruce D. et al. Improving high school students' executive functions through digital game play. Computers & Education, v. 117, p. 50-58, 2018. Disponível em https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0360131517302154. Acesso em: 25 de set. de 2019.

KAPP, Karl. The Gamification of Learning and Instruction: Game-based Methods and Strategies for Training and Education. Pfeiffer, 2012.

KNAPP, Katie; MORTON, Bruce. Brain development and executive functioning. In: TREMBLAY, Richard E.; BOIVIN, Michel; PETERS, Ray DeV Peters. Encyclopedia on Early Childhood Development [online]. Montreal, Quebec: Centre of Excellence for Early Childhood Development and Strategic Knowledge Cluster on Early Child Development; 2013. Disponível em http://www.child-encyclopedia.com/sites/default/files/textes-experts/en/646/brain-development-and-executive-functioning.pdf. Acesso em: 25 de set. de 2019.

LAROS, Jacob Arie et al. Modelos de inteligência. In: SEABRA, Alessandra Gotuzoet al (Org.). Inteligência e funções executivas: avanços e desafios para a avaliação neuropsicológica. São Paulo: Memnon, 2014. p. 17-39.

LEÓN, Camila Barbosa Riccardiet al. Programa de Intervenção para Promoção de Autorregulação (PIPA): desenvolvimento e efetividade em crianças pré-escolares. Tese de Doutorado, Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo, 2019.

LEONG, Deborah; PETERS, Jessica. Tools of the mind. Julho, 2012.Disponível em: https://www.cepchile.cl/cep/site/artic/20160304/asocfile/20160304095943/presentation_DLeong.pdf. Acesso em: 02 de Agosto de 2018.

MELTZER, Lynn. Promoting executive functions in the classroom. New York: The Guilford Press; 2010.

ROSÁRIO, Pedro Sales Luís; NÚNEZ, José Carlos; GONZÁLEZ-PIENDA, Júlio. Auto-regulação em crianças sub-10: Projeto sarrilhos do amarelo. Porto: Porto Editora, 2007.

MEDEIROS, Camila D.; FERNANDES, Anderson M.; DAMASCENO, Eduardo F. Uma Abordagem Gamificada para Prevenção do uso de Drogas com Adolescentes. Trabalho apresentado no III Congresso Brasileiro de Informática na Educação (CBIE 2014) e XXV Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE 2014). Disponível em https://br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/3063/2571. Acesso em: 25 de set. de 2019.

MORENO, Julián; VALDERRAMA, Verónica. Aprendizaje Basado en Juegos Digitales en Niños con TDAH: un Estudio de Caso en la Enseñanza de Estadística para Estudiantes de Cuarto Grado en Colombia. Rev. Brasileira de Educação Especial, v.21, n.1, p.143-158, 2015.

MORTON, Bruce J. (org.). Enciclopédia sobre o desenvolvimento na Primeira Infância. [online]. 2013. Disponível em http://www.enciclopedia-crianca.com/funcoes-executivas. Acesso em: 25 de set. de 2019.

PURVES, Daleet al. Neurociências. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

RAMOS, Daniela Karine. Jogos cognitivos eletrônicos: contribuições à aprendizagem no contexto escolar. Ciência e cognição, v.18, n.1, p. 19-32, 2013.Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-58212013000100002. Acesso em: 25 de set. de 2019.

RAMOS, Daniela Karine. Cognoteca: uma alternativa para o exercício de habilidades cognitivas, emocionais e sociais no contexto escolar. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 23, n. 41, p. 63-75, 2014. Disponível em https://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/824. Acesso em: 25 de set. de 2019.

RAMOS, Daniela Karine; MELO, Hiago Murilo de. Jogos digitais e desenvolvimento cognitivo: um estudo com crianças do Ensino Fundamental. Revista Neuropsicologia Latinoamericana, vol8. n. 3,, p. 22-32, 2016. Disponível em http://206.167.239.107/index.php/Neuropsicologia_Latinoamericana/article/view/324/199. Acesso em: 25 de set. de 2019.

RAMOS, Daniela Karine et al. O uso de jogos cognitivos no contexto escolar: contribuições às funções executivas. Psicologia Escolar e Educacional, v.21, n. 2, p. 265-275, 2017. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pee/v21n2/2175-3539-pee-21-02-00265.pdf. Acesso em: 25 de set. de 2019.

RAMOS, Daniela Karine; MELO, Hiago Murilo de; MATTAR, João. Jogos digitais na escola e inclusão digital: intervenções para o aprimoramento da atenção e das condições de aprendizagem. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 18, n. 58, p. 670-692, 2018. Disponível emhttps://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/24120/22985. Acesso em: 25 de set. de 2019.

RAMOS, Daniela Karine et al. Intervenções com jogos em contexto educacional: Contribuições às funções executivas. Psicologia: Teoria e Prática, v. 21, n.2, p. 294-315, 2019. Disponível em http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/ptp/article/view/10763/7678. Acesso em: 25 de set. de 2019.

STERNBERG, Robert J. Psicologia Cognitiva, 2ªed. São Paulo: Congage Learning, 2016.

VIANNA, Maurício. et al. Gamification, Inc.: como reinventar empresas a partir de jogos. [e-book]. Rio de Janeiro: MJV Press, 2013.

WECHSLER, David. Escala Wechsler de Inteligência para Crianças – Quarta Edição (WISC IV). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2013.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p499-520

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.