(Sempre a) Ver e aprender, ou o heterogéneo habitus de observação dos turistas das sociedades coevas

Cândida Cadavez

Resumo


Este artigo discute o modo como, face a todas os constrangimentos e possibilidades proporcionados pela globalização, a prática turística mantém vivo o habitus de visitar espaços exibicionais tradicionais, mas, ao mesmo tempo, contempla novas telas expositivas, igualmente reconhecidas e aceites enquanto provas da identidade das comunidades de acolhimento visitadas. Apesar de, ainda hoje, o habitus turístico continuar a entender os museus como veículos credíveis de divulgação de saberes, existem agora novos focos de interesse menos canónicos para o olhar do turista que evidenciam a forma como, também em turismo, as rotinas coevas se adaptam às novas tendências sociais, resultantes, entre outros, de vivências líquidas e a alta velocidade. Para ilustrar este estudo, são apresentados como exemplo três casos concretos que seduzem atualmente os olhares turísticos que circulam pela zona da Grande Lisboa.


Palavras-chave


Turismo. Espaços exibicionais. Identidades. Habitus. Globalização.

Texto completo:

PDF



Locations of visitors to this page

Revista Iberoamericana de Turismo - RITUR Penedo, Alagoas, Brasil. ISSN: 2236-6040.


Licença Creative Commons
Os originais publicados na Revista Iberoamericana de Turismo estão disponibilizados de acordo com uma Licença Creative Commons 3.0 Brasil (obrigatoriedade de atribuição de créditos/vedado uso comercial/vedada criação de obras derivadas/permitida citação referenciada).