Literatura e oralidade em Água funda, de Ruth Guimarães

Autores

  • Mara Lívia Farias Cardoso FURG

DOI:

https://doi.org/10.28998/revistaleitura.v1i73.13223

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar o romance Água funda (1946), de Ruth Guimarães, destacando a presença da oralidade, bem como dos elementos da cultura popular. A obra apresenta um discurso calcado em expressões coloquiais da linguagem interiorana, num enredo que remete a um conjunto de acontecimentos nos quais se manifestam as lendas da tradição oral do folclore brasileiro. Partindo das considerações acerca das relações entre a oralidade e a literatura, discorremos acerca dos diálogos e das intersecções entre a escrita e a oralidade na obra em questão. Paul Zumthor (1993), Dino Preti (2001; 2012) e Irene Machado (1995) são algumas das referências utilizadas para fundamentar a abordagem desse conteúdo.

Downloads

Publicado

30/08/2022

Como Citar

FARIAS CARDOSO, M. L. Literatura e oralidade em Água funda, de Ruth Guimarães . Leitura, [S. l.], v. 1, n. 73, p. 168–178, 2022. DOI: 10.28998/revistaleitura.v1i73.13223. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/13223. Acesso em: 8 dez. 2022.