A violência contra a mulher na literatura contemporânea argentina

Autores

  • Carolina Montebelo Barcelos PUC-Rio

Palavras-chave:

Representação. Violência de gênero. Feminicídio. Patriarcado. Literatura Contemporânea Argentina.

Resumo

De acordo com o Observatório de Igualdade de Gênero da América Latina e do Caribe, em 2021, 11 países registraram uma taxa de feminicídio superior a uma vítima por cada 100.000 mulheres, estando a Argentina na terceira posição do ranking em números absolutos, precedida pelo Brasil e pelo México. Destarte, a literatura latino-americana contemporânea vem reverberando a violência de gênero como ponto central das narrativas. Desse modo, examinam-se, neste artigo, duas produções literárias argentinas: a novela Le viste la cara a Dios, de Gabriela Cabezón Cámara, e o romance Garotas mortas, de Selva Almada. Para fins de suporte teórico, são cotejados com os textos literários análises da violência contra a mulher e do feminicídio levadas a cabo pelas antropólogas Rita Laura Segato, Marcela Lagarde y de Los Ríos e Esther Pineda, assim como pela teórica Diana Russell. Nas considerações finais é discutido, tendo como base os textos literários analisados, como a estrutura patriarcal arraigada na sociedade latino-americana é responsável pela violência de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Montebelo Barcelos, PUC-Rio

Mestre em Letras (Estudos de Literatura Brasileira), pela PUC –Rio, em 2012 e Doutora em Literatura, Cultura e Contemporaneidade, pela PUC-Rio, em 2016. Entre agosto de 2015 e fevereiro de 2016 realizou estágio de Doutorado no departamento de Theatre Arts and Performance Studies da Brown University com Bolsa Sanduíche da CAPES. Atua como professora e pesquisadora de teatro. Áreas de pesquisa: teatro brasileiro, teatro contemporâneo, literatura comparada, literatura contemporânea.

Referências

ALMADA, Selva. Garotas mortas. São Paulo: Todavia, 2018.

CÁMARA Gabriela Cabezón. Le viste la cara a Dios. Barcelona: Penguin Random House Grupo Editorial, 2019.

LAGARDE Y DE LOS RÍOS, Marcela. Por la vida y la libertad de las mujeres. Fin al feminicidio. Fev. 2004. Disponível em: <http://archivos.diputados.gob.mx/Comisiones/Especiales/Feminicidios/docts/mlagardefeminicidio.pdf>. Acesso em: 3 set. 2023.

_____. Introducción. In: RUSSELL, Diana E.; HARMES, Roberta A. Feminicidio: una perspectiva global. México: Universidad Autónoma de México/Centro de Investigaciones Interdisciplinarias em Ciencias y Humanidades, 2006. p. 15-42.

_____. Los cautiverios de las mujeres: madresposas, monjas, putas, presas y locas. México: Siglo XXI Editore, 2015.

ONU – ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Estudio a fondo sobre todas las formas de violencia contra la mujer. Asamblea General. 6 jul. 2006. Disponível em: <https://www.acnur.org/fileadmin/Documentos/BDL/2016/10742.pdf>. Acesso em: 25 ago. 2023.

_____. CEPAL, Observatorio de Igualdád de Género de América Latina y el Caribe. Feminicidio. Disponível em: <https://oig.cepal.org/pt>. Acesso em: 15 ago. 2023.

PELLER, Mariella; OBERTI, Alejandra. Escribir la violencia hacia las mujeres. Feminismo, afectos y hospitalidad. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 28, n. 2, p. 1-13, 2020.

PINEDA, Esther. Cultura femicida: el riesgo de ser mujer en América Latina. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2019.

RUSSELL, Diana E. Introducción: las políticas del feminicidio. In: RUSSELL, Diana E.; HARMES, Roberta A. Feminicidio: una perspectiva global. México: Universidad Autónoma de México/Centro de Investigaciones Interdisciplinarias em Ciencias y Humanidades, 2006. p. 57-72.

_____. Feminicidio: la "solución final" de algunos hombres para las mujeres. In: RUSSELL, Diana E.; HARMES, Roberta A. Feminicidio: una perspectiva global. México: Universidad Autónoma de México/Centro de Investigaciones Interdisciplinarias em Ciencias y Humanidades, 2006. P. 345-366.

SEGATO, Rita Laura. La guerra contra las mujeres. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2021.

Downloads

Publicado

2023-12-05

Como Citar

MONTEBELO BARCELOS, Carolina. A violência contra a mulher na literatura contemporânea argentina. Leitura, [S. l.], v. 1, n. 79, p. 149–160, 2023. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/16344. Acesso em: 28 fev. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.