Disputar o saber e transformar a política: intersecções de gênero-raça-classe nas páginas do jornal feminista Mulherio (1981-1988)

Autores

  • José dos Santos Costa Júnior Universidade Estadual da Paraíba
  • Roger Camacho Barrero Júnior UFRGS

DOI:

https://doi.org/10.28998/rchv13n25.2022.0011

Palavras-chave:

Metodologia da História, Imprensa, Mulherio

Resumo

Em 1981 um grupo de trabalhadoras da saúde e pesquisadoras feministas criou um periódico que tinha por objetivo debater pautas de movimentos de mulheres e expor práticas de prevenção e profilaxia da saúde feminina. Muitas de suas organizadoras vinham de partidos de esquerda e partiram de seus saberes e repertórios para defender a equidade de gênero e o fim de discriminações, trazendo para a discussão pesquisas e trabalhos científicos. Pensando nisso, este artigo tem o objetivo de analisar como as pesquisadoras que escreviam o jornal feminista Mulherio (1981–1988) utilizaram-se de seus repertórios socioculturais e científicos para tratar do corpo e da saúde feminina. Metodologicamente, opera-se com a análise do discurso a partir de Michel Foucault, o que possibilita ler as imagens e textos em sua historicidade, pluralidade e tensões que lhe foram constitutivas, contribuindo para a constituição de sujeitos e práticas de poder-saber. Tratando-se, portanto, da análise de um periódico que teve considerável circulação, pode-se percebê-lo como produto dos anseios específicos, reproduzindo ou questionando certas premissas científicas e valores socialmente constituídos e articulados às transformações em curso nas relações de gênero.  

Referências

AMADO, Janaína. O grande mentiroso: tradição, veracidade e imaginação em história oral. Projeto História, São Paulo n. 14, 1996.

BADINTER, Elisabeth. O conflito: a mulher e a mãe. São Paulo: Editora Record, 2011.

BARRETO, Letícia Cardoso. "Somos sujeitas políticas de nossa própria história": prostituição e feminismos em Belo Horizonte. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2015.

BIROLI, Flávia. Gênero e desigualdades: limites da democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo Editorial, 2018.

CARVALHO, Carlos Alberto de. Afetar e ser afetado pelo acontecimento: coberturas jornalísticas da Aids e impactos sociais. Intercom-Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, v. 38, n. 2, p. 253-272, 2015.

CARVALHO, Leonardo Dallacqua de; SOUZA, Vanderlei Sebastião de. Continuidades e rupturas na história da eugenia: uma análise a partir das publicações de Renato Kehl no Pós-Segunda Guerra Mundial. Perspectiva, v. 35, n. 3, p. 887-910, 2017.

CORREA, Sonia. PAISM: uma história sem fim. Revista Brasileira de Estudos Populacionais. Vol. 10 (1/2). Campinas, 1993.

COSTA, Ana Alice Alcantara. O movimento feminista no Brasil: dinâmicas de uma intervenção política. Revista Gênero, v. 5, n. 2, 2005.

COSTA, Cléria Botelho da. A escuta do outro: dilemas da interpretação. História Oral, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 47-65, jul./dez. 2014.

DONZELOT, Jacques. A polícia das famílias. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Revisão da tradução de J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1986.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Felipe Baeta Neves. 8ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2016.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 22ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FRACCARO, Gláucia. Os direitos das mulheres: feminismo e trabalho no Brasil (1917-1937). São Paulo: Editora da FGV, 2018.

FREYRE JUNIOR, Olival. Sobre as ‘Raízes sociais e econômicas dos principia de Newton. Revista da SBHC, n. 9, p. 51-64, 1993.

GOULD, Stephen Jay. A Falsa Medida do Homem. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

KOSELLECK, Reinhardt. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. São Paulo: Editora da PUC, 2006.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1998.

LATOUR, Bruno. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru: Edusc, 2001.

LE BRETON, David. Rostos: ensaio de antropologia. Tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira. Petrópolis, RJ: Vozes, 2019.

LUCA, Tânia Regina de. “História dos, nos e por meio dos impressos.” In: PINSKI, Carla Bassanezi. Fontes Históricas. São Paulo: Editora Contexto, 2006.

MACHADO, Roberto. Foucault, a ciência e o saber. 3ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

MENDONÇA, Lígia. Mulher e Saúde: Uma avaliação contemporânea. In: BORBA, Ângela; FARIA, Nalu; GODINHO, Tatau. Mulher e Política: Gênero e Feminismo no Partido dos Trabalhadores. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998.

MOREIRA, Laís de Araújo. Direito e Gênero: a contribuição feminista para a formação política das mulheres no processo de (re) democratização brasileiro. Gênero e Direito, v. 5, nº 01, 2016.

NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Estudos Feministas, Santa Catarina, ano 8, 2º semestre, 2000.

OSIS, Maria José Martins Duarte. Paism: um marco na abordagem da saúde reprodutiva no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 14, p. S25-S32, 1998.

PINTO, Céli Regina J. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.

RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. 1ª ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

RATTNER, Daphne. Da saúde materno-infantil ao PAISM. Tempus Actas de Saúde Coletiva, v. 8, n. 1, p. 103-108, 2014.

ROHDEN, Fabíola. Catolicismo e protestantismo: o feminismo como uma questão emergente. Cadernos Pagu, n. 8/9, p. 51-97, 1997.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. Tese de Doutorado. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2012.

SCOTT, Joan. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica.” Educação e Realidade. Porto Alegre, nº 16, 1991.

SOARES, Vera. Muitas faces do feminismo no Brasil. In: BORBA, Ângela; FARIA, Nalu; GODINHO, Tatau. Mulher e Política: Gênero e Feminismo no Partido dos Trabalhadores. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998.

STEPAN, Nancy. A hora da eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2005.

VASCONCELOS, Vânia Nara Pereira. Evas e Marias em Serrolândia: práticas e representações sobre as mulheres em uma cidade do interior (1970 – 1990). Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal da Bahia (UFBA), 2006.

WOITOWICZ, Karina Janz. Páginas que persistem: A imprensa feminista na luta pelos direitos das mulheres no Brasil. IV Congresso Nacional de História da Mídia, 2008. Disponível em: http://www.ufrgs.br/alcar/encontros-nacionais-1/encontros-nacionais/6o-encontro-2008-1/Paginas%-20que%20resistem%20A%20imprensa%20feminista.pdf Acesso: 04/08/2020 às 21:33 hrs.

Downloads

Publicado

04/08/2022

Como Citar

dos Santos Costa Júnior, J., & Barrero Júnior, R. C. . (2022). Disputar o saber e transformar a política: intersecções de gênero-raça-classe nas páginas do jornal feminista Mulherio (1981-1988). Revista Crítica Histórica, 13(25). https://doi.org/10.28998/rchv13n25.2022.0011