Da graduação à pós-graduação: a emergência do Mestrado em Antropologia Social na UEM/Moçambique

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n23p463-483

Palavras-chave:

Ensino de Antropologia, Graduação e Pós-graduação em Moçambique.

Resumo

No presente artigo buscamos compreender a emergência recente da pós-graduação em Antropologia Social na UEM a partir de uma perspectiva histórica. Exploramos as razões/motivações que levaram à sua criação/emergência recente. Trata-se do primeiro programa de pós-graduação nesta área de conhecimento oferecido em uma instituição pública de ensino superior. Um dos principais argumentos que procuramos evidenciar, e como o título sugere, é que a pós-graduação emerge, por um lado, como continuidade da graduação em Antropologia e possibilidade de formação antropológica dentro do país, com vista a superar a lacuna na produção do conhecimento antropológico existente. Por outro lado, como uma possibilidade de ruptura em relação à dinâmica impressa anteriormente pelo curso de graduação, caracterizada pela rotina na reprodução do conhecimento antropológico através do ensino, no lugar de produção de conhecimento. Assim, a pós-graduação emerge como motor que pretende galvanizar a produção científica no campo da Antropologia em Moçambique, mas também, como uma resposta à demanda por antropólogos no país, quer ao nível das instituições do Estado (instituições de governo e de ensino públicas), assim como, privadas (ONGs, Organismos Multilaterais e Instituições do Ensino Superior Privadas etc.).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hélder Pires Amâncio, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)


Possui Graduação em Antropologia, Mestrado em Antropologia Social e é doutorando mesma área na Universidade Federal de Santa Catarina. É pesquisar vinculado ao Núcleo de Estudos de Populações Indígenas e pesquisador afiliado ao Departamento de Arqueologia e Antropologia da Universidade Eduardo Mondlane. Seus temas de interesse de pesquisa atualmente são: História da Antropologia; Educação, Infância e Diversidade.

Antonella Maria Imperatriz Tassinari, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1990) e doutorado em Ciência Social (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo (1998). Realizou estágio pós-doutoral no EREA (Centre Enseignement et Recherche en Ethnologie Amérindienne) em convênio com a Université de Paris X Nanterre (2005) e no Departamento de Antropologia da Universidade de Montréal, Canadá (2014/2015). É Professora Titular da Universidade Federal de Santa Catarina, vinculada ao Departamento de Antropologia, onde desenvolve projetos de pesquisa e extensão vinculados ao NEPI (Núcleo de Estudos de Povos Indígenas). Tem atuação na Comissão de Acompanhamento do Programa de Ações Afirmativas e no Colegiado do Curso de Licenciatura Indígena Intercultural do Sul da Mata Atlântica da UFSC, assumindo o cargo de Coordenadora do Curso de 2016 a 2018. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Etnologia Indígena e Antropologia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: povos indígenas, infância e educação indígenas, identidade étnica, diversidade cultural e educação escolar, história e ensino de Antropologia

Referências

BEVERWIJK, Jasmin Matthea Rachel. The Genesis of a System: A coalition formation in Mozambican higher education, 1993–2003. CHEPS/University of Twente, 2005 Disponível em: https://www.utwente.nl/en/bms/cheps/education/phd-page/cheps-alumni-and-their-theses/ProefschriftFinal.PDF.

CORRÊA. Mariza. Damas e Cavalheiros de fina estampa, dragões e dinossauros, heróis e vilões. In: GROSSI, Miriam; TASSINARI, Antonella; RIAL, Carmen. (Org.) Ensino de Antropologia no Brasil: formação, práticas disciplinares e além-fronteiras. Blumenau: Nova Letra, p.105-110, 2006 Disponível em: http://www.abant.org.br/conteudo/livros/EnsinoDeAntropologia.pdf.

CRUZ & SILVA, Teresa. O lugar das ciências sociais como de mudanças: o caso de Moçambique. In: CRUZ & SILVA, Teresa; CASIMIRO, Isabel (Org.). In: A Ciência ao serviço do Desenvolvimento? Experiências de Países Africanos Falantes de Língua Oficial Portuguesa. Dakar: CODESRIA, p. 267-277, 2015 Disponível em: http://www.ios.sinica.edu.tw/cna/download/proceedings/15.Langa.Mozambique.pdf

https://ces.uc.pt/myces/UserFiles/livros/1097_As%20ci%EAncias%20sociais%20no%20contexto%20do%20Ensino%20Superior%20em%20Mo%E7ambique.pdf

https://open.uct.ac.za/bitstream/handle/11427/11301/thesis_hum_2006_langa_p_v.pdf?sequence=1

https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=2ahUKEwjLstGen53eAhWLf5AKHWg1Ao4QFjAAegQICRAC&url=https%3A%2F%2Fwww.codesria.org%2FIMG%2Fpdf%2F13._silva-_o_lugar_das_ciencias_sociais_como_motor_de_mudanca.pdf%3F4133%2F6b53564410423b2e85b8d489d8799044fb925a61&usg=AOvVaw1F8IxMgR05s_G1fzEFwSVP.

DUARTE, Ricardo Teixeira. Arqueologia da idade do ferro em Moçambique. In: Revista Trabalhos de Arqueologia e Antropologia. Maputo: DAA/UEM, p.57-74, 1988.

FELDMAN-BIANCO, Bela. A expansão da pós-graduação em Antropologia: alcances e desafios. In: SIMÃO, Daniel Schroeder; FELDMAN-BIANCO, Bela (Org.). O campo da Antropologia no Brasil: retrospectiva, alcances e desafios. Rio de Janeiro: ABA, 2018 Disponível em: http://www.aba.abant.org.br/files/20181203_5c0580e4d5039.pdf.

FERNANDES, Carlos. Dinâmicas de pesquisa em ciências sociais no Moçambique pós – independente: O caso do Centro de Estudos Africanos, 1975-1990. Tese de doutorado em Estudos Étnicos e Africanos, UFBA: Bahia, 2011 Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/23937/1/tese_CMDFernandes.pdf.

FIALHO, José. Alguns dados sobre Antropologia em Moçambique. In: Revista Trabalhos de Arqueologia e Antropologia. N°2, Maputo: DAA/UEM, p.13-36, 1987.

FONSECA, Claudia. Antropólogos para quê? O campo de atuação profissional na virada do milênio. In: TRAJANO FILHO, Wilson; RIBEIRO, Gustavo Lins. (Org.) O campo da Antropologia no Brasil. Rio de Janeiro: ABA, p.69-92 2004.

GONÇALVES, Antônio Cipriano Parafino. O direito à educação e políticas de expansão do ensino superior público em Moçambique: estagnação, privatização e exclusão (1986-2008). Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 23, n. 1, p. 37-57, 2018 Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aval/v23n1/1982-5765-aval-23-01-00037.pdf.

GROSSI, Miriam. Ensino de Antropologia: uma “velha história” na ABA. In: GROSSI, Miriam; TASSINARI, Antonella; RIAL, Carmen. (Org.) Ensino de Antropologia no Brasil: formação, práticas disciplinares e além-fronteiras. Blumenau: Nova Letra, p.7-14, 2006 Disponível em: http://www.abant.org.br/conteudo/livros/EnsinoDeAntropologia.pdf.

HALKES, Jan e OPPPEWAL, Jolke. Moçambique, socialismo e solidariedade. Amsterdam: Fundação Eduardo Mondlane, 1989.

HONWANA, Alcinda. Espíritos vivos e tradições modernas: possessão de espíritos e reintegração social pós-guerra no sul de Moçambique. Maputo: PROMÉDIA, 2002.

LANGA, Patrício V. and ZAVALE, Nelson C. Private higher education in Mozambique: an overview of a growing subsystem. Working Papers in Higher Education Studies, 1(2), p.89-109, 2015 Disponível em: http://www.wphes-journal.eu/index.php/wphes/article/viewFile/37/20.

LANGA, Patrício Vitorino. Alguns desafios do ensino superior em Moçambique: do conhecimento experiencial à necessidade de produção de conhecimento científico. In: BRITO, Luís et al. (Org.). Desafios para Moçambique 2014. Maputo: IESE, p. 364-395, 2014 Disponível em: http://www.iese.ac.mz/lib/publication/livros/des2014/IESE-Desafios2014_13_EnsSup.pdf.

LANGA, Patrício Vitorino. Higher Educational in Portuguese speaking Countries: A five countries baseline study. Cape Town: African Mind, 2013 Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/298646941_Higher_education_In_Portuguese_speaking_African_countries_a_five_country_baseline_study.

LANGA, Patrício Vitorino. Poverty Fighters in Academia: The Subversion of the Notion of Socially Engaged Science in Mozambican Higher Education. In: Institute of Sociology Academia Sinica and the National Associations Liaison Committee of the ISA, p.245-267, 2010

Disponível em:

http://www.ios.sinica.edu.tw/cna/download/proceedings/15.Langa.Mozambique.pdf.

LANGA, Patrício Vitorino. The Constitution of the Field of Higher Education Institutions in Mozambique. Unpublished Master’s Dissertation. Cape Town: University of Cape Town Library, 2006

Disponível em:

https://open.uct.ac.za/bitstream/handle/11427/11301/thesis_hum_2006_langa_p_v.pdf?sequence=1.

LOFORTE, Ana Maria. Prefácio. In: Revista Trabalhos de Arqueologia e Antropologia. N°2, Maputo: DAA/UEM, p.1-2, 1987.

LOFORTE, Ana. Prefácio. In: Revista Trabalhos de Arqueologia e Antropologia – Primeiro Seminário Interdisciplinar de Antropologia. N°2, Maputo: DAA/UEM, p.1-2, 1987.

LOFORTE, Ana. Social science in Mozambique: current perspectives and the outlook for the future. In: ALMEIDA, Ana Nunes de (Edit.). Social Knowledge: Heritage, challenges, perspectives, vol. 6 Lusophony World: Terra Nostra: Challenges, Controversies and Languages for Sociology and the Social Sciences in the 21st Century. Proceedings of the ISA Regional Conference for the Lusophone World Lisboa, Portugal, November, p. 75-84, 1997 Disponível em: https://www.isa-sociology.org/uploads/files/Chapter%206.pdf.

LOFORTE, Ana. Trabalhos realizados no âmbito da Antropologia em Moçambique. In: Revista Trabalhos de Arqueologia e Antropologia – Primeiro Seminário Interdisciplinar de Antropologia. N°2, Maputo: DAA/UEM, p.61-66, 1987.

LORENÇO, Vitor Alexandre. Estado, Autoridades Tradicionais e Transição Democrática em Moçambique: Questões teóricas, dinâmicas sociais e estratégias políticas. In: Cadernos de Estudos Africanos, p.115-138, 2009 Disponível em: https://journals.openedition.org/cea/189.

MACHEL, Samora. A classe trabalhadora deve exercer o poder na frente da ciência e da cultura. Maputo, 1º de maio de 1976.

MÁRIO, Mouzinho; FRY; Peter; LEVEY, Lisbeth and CHILUNDO, Arlindo. Higher Education in Mozambique. Oxford: James Currey, 2003 Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/305072390_Higher_Education_in_Mozambique_A_Case_Study.

MATSINHE, Cristiano. Estratégias e “estrategismos” contra o HIV/SIDA. In: Tábula Rasa: dinâmicas da resposta moçambicana ao HIV/SIDA. Maputo: Textos editora, p.21-74, 2005.

MAZULA, Brazão. Educação, Cultura e Ideologia em Moçambique: 1975-1985. Edições afrontamento,1995.

MENESES, Maria Paula. As ciências sociais no contexto do ensino superior em Moçambique: dilemas e possibilidades de descolonização. Perspectiva, Florianópolis, v. 34, n. 2, p. 338-364, 2016. Disponível em: https://ces.uc.pt/myces/UserFiles/livros/1097_As%20ci%EAncias%20sociais%20no%20contexto%20do%20Ensino%20Superior%20em%20Mo%E7ambique.pdf

NGOENHA, Severino. Por um pensamento engajado. In: NGOENHA, Severino; CASTIANO, José. Pensamento engajado: ensaios de filosofia africana, educação e cultura. Universidade Pedagógica: Editora Educar, p.13-40, 2010.

NKWI, Paul Nchoji. Antropologia na África pós-colonial: o debate da sobrevivência. RIBEIRO, Gustavo Lins; ESCOBAR, Arturo (Org.) Antropologias Mundiais: transformações disciplinares em sistemas de poder. Brasília: UNB, p.221-224, 2012.

PIMENTA, Denise; MONTINHO, Laura. Um encontro com a Esmeralda: reflexões sobre o fazer antropológico em Moçambique e alhures. Revista Cadernos de Campo, n. 23,| p. 13-24, 2017.

Documentos consultados:

DAA/UEM. Circular sobre Seminário de Antropologia: “Origens Urbanas na Costa Oriental de África”. Maputo: UEM, 1990.

DAA/UEM. Currículos de Licenciatura em Antropologia. Maputo: UEM, 1999, 2005, 2009.

DAA/UEM. Plano Curricular do Mestrado em Antropologia Social. Maputo: UEM, 2015.

DUARTE, Ricardo Teixeira. Relatório de Arqueologia. Maputo: DAA/UEM, 1985.

LUNDIN, Iraê. Projeto de formação básica para estudantes do curso de história, dentro da área específica de Antropologia Social (esboço de proposta). Maputo: DAA, 1991.

MOÇAMBIQUE. Constituição da República. 2004.

UEM-MOÇAMBIQUE. Reunião Anual - Informe do Reitor 2018. Maputo: Gabinete do Reitor, 2018 Disponível em: http://www.uem.mz/images/pdfs/informe-reitor-2018.pdf.

UFICS/UEM. Currículo de Bacharelato em Ciências Sociais. Maputo: UEM, 1998.

Entrevistados , locais e datas de realização:

Ana Maria Loforte, docente aposentada de Antropologia do DAA/UEM, atualmente coordenadora para a área de formação da WLSA-Moçambique. Realizada em 05.04.2017 nos escritórios da WLSA por Hélder Pires Amâncio e Vera Gasparetto.

Elísio Jossias, docente e coordenador do Mestrado em Antropologia Social da UEM. Realizada em 16.04. 2018 no DAA/EM por Hélder Pires Amâncio

Sandra Manuel docente de Antropologia e assessora do Reitor da UEM. Realizada em 28.03.2018 nos escritórios da KALEIDOSCÓPIO – Pesquisa em Cultura e Políticas Públicas por Hélder Pires Amâncio.

Johane Zonjo, docente de Antropologia do DAA/ UEM e funcionário da presidência da República de Moçambique. Realizada em 03.04.2018 no DAA/UEM por Hélder Pires Amâncio.

Perfil dos entrevistados: Mestres e doutores, com experiência de pesquisa e docência em Antropologia, formados em diferentes escolas/tradições de pensamento e países (Moçambique, Portugal, África do Sul, Inglaterra, França). Alguns com formação de base em história/letras e filosofia e depois Antropologia e outros com a formação integral em Antropologia.

Downloads

Publicado

2019-04-25

Como Citar

AMÂNCIO, Hélder Pires; TASSINARI, Antonella Maria Imperatriz. Da graduação à pós-graduação: a emergência do Mestrado em Antropologia Social na UEM/Moçambique. Debates em Educação, [S. l.], v. 11, n. 23, p. 463–483, 2019. DOI: 10.28998/2175-6600.2019v11n23p463-483. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/7277. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê "Ensino de Antropologia"

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.