A BNCC no descompasso entre o ideal do currículo formal e interposições do currículo real

Crígina Cibelle Pereira, Joelma Uchoa Pinheiro, Francisco Antonio Rocha Feitosa

Resumo


Este artigo apresenta uma análise da Base Nacional Comum Curricular em face das relações de poder impressas pelo currículo formal. Caracteriza-se como uma pesquisa bibliográfica, de cunho exploratório, tendo como objetivos analisar os pressupostos epistemológicos da BNCC e refletir sobre suas limitações nas possíveis contribuições para o ensino, considerando as distâncias entre o currículo formal e a sua efetivação real. Fundamentados pela teoria crítica do currículo, analisamos a BNCC a partir dos eixos ideologia, cultura e poder. Os resultados apontam duas realidades distintas: de um lado, a proposta de educação homogeneizadora do currículo formal; de outro, a escola, atuando na ressignificação do currículo com práticas inovadoras e significativas, para além das prescrições formais.


Palavras-chave


BNCC. Educação. Realidade Escolar.

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel G. Reformas educacionais hoje na América Latina. In: MOREIRA, Antonio Flávio (org.) Currículo: Políticas e Práticas. Campinas: Papirus, 1999.

AXER, Bonnie; MOTA, Jade Juliane Dias; AFONSO, Nataly da Costa. Base Nacional Comum Curricular: fixações de identidade na tentativa de um sujeito nacional. In: II Colóquio Luso Afro-Brasileiro de Questões Curriculares: Currículo, ideologia e políticas Educacionais. Recife, Pernambuco, Brasil, 2017.

BORDIEU P.; PASSERON J.C. A Reprodução: Elementos para uma Teoria do Sistema de ensino. 3.ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

BRASIL. BNCC - Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: Ministério da Educação. 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, v. 134, n. 248, 23 dez. 1996.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica (DCN). Brasília, DF: Ministério da Educação, 2013.

CANDAU, Vera Maria. Reformas educacionais hoje na América Latina. In: MOREIRA, Antônio (Org.) Currículo: Políticas e Práticas. Campinas: Papirus, 1999.

COSTA, Vanessa Socorro Silva da. Base Nacional Comum Curricular como política de regulação do currículo, da dimensão global ao local, o que pensam os professores? 2018. 183p. Tese de doutorado em educação. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Programa de Estudos Pós-graduados em Educação. São Paulo, 2018.

CORTELLA, Mário Sérgio. A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. 15. ed. São Paulo: Cortez, 2016.

CURY, Carlos Roberto Jamil et al. Base Nacional Comum Curricular: dilemas e perspectivas. São Paulo: Cortez, 2018.

FERRAÇO, Carlos Eduardo et al. Currículo e Educação Básica. Por entre redes de conhecimentos, imagens, narrativas, experiências e devires. Rio de Janeiro: Rovelle, 2011.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e Cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Trad. Guacira Lopes Louro. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FREIRE, Paulo; GUIMARÃES, Sérgio. Partir da Infância: diálogos sobre educação. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2014.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à pratica educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

KRAMER, Sonia. Propostas Pedagógicas ou Curriculares: subsídios para uma leitura crítica. In MOREIRA, Antonio Flávio (org.). Currículo: Políticas e Práticas. Campinas: Papirus, 1999.

LOPES, Alice Casimiro. Apostando na produção contextual do Currículo. In: AGUIAR, Márcia Ângela; DOURADO, Luiz Fernandes (orgs.). A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. [Livro eletrônico] Recife: ANPAE, 2018.

MIDWINTER, E.). Teaching in the urban environment In: Schooling in the City. London: Ward Lock, 1977, p.110-117.

MOREIRA, Antonio Flávio (org.). Currículo: Políticas e Práticas. Campinas: Papirus, 1999.

MOREIRA, Antonio Flávio; SILVA, Tomaz Tadeu (orgs.) Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 1994.

MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa; MACEDO, Elisabeth Fernandes. Faz sentido ainda o conceito de transferência educacional? In: MOREIRA, Antonio Flávio. (org.) Currículo: Políticas e Práticas. Campinas: Papirus, 1999.

MORIN, Edgar. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Trad. Eloá Jacobina. 15.ed. Rio de Janeiro: Betrand Brasil, 2008.

OLIVEIRA, Inês Barbosa. Currículos praticados entre a invisibilidade e a legitimação: um percurso nos/dos/com os cotidianos. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo. Currículo e Educação Básica: por entre redes de conhecimentos, imagens e devires. Rio de Janeiro: Rovelle, 2011.

RODRIGUES, Vivian Aparecida. A Base Nacional Comum Curricular em questão. 2016.. 153p. Dissertação de Mestrado em Educação. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.

SACRISTAN. J. Gimeno. O Currículo: uma reflexão sobre a prática. 3.ed. Porto Alegre: Art/med,1998.

YOUNG, Michael F. D. Para que servem as escolas? Educação e Sociedade. v. 28, n.101. Campinas, 2007, pp. 1287-1302.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n25p344-364

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.