Primeiras estórias, de Guimarães Rosa: da autorreferência textual à alegoria da vida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2317-9945.2020v0n66p357-366

Palavras-chave:

Guimarães Rosa, Primeiras Estórias, Metapoesia

Resumo

Esforço de interpretação de Primeiras estórias como texto que explora a autorreferência como instrumento de coesão entre os diversos contos. A escolha de um universo semântico que remete à própria literatura permite ler a coletânea como compêndio metapoético crivado de “sorrisos e enigmas” endereçados aos leitores. Por fim, cruzando alegoricamente vida e obra do autor, vê-se como a escritura do livro pode ter servido como purgante do “ranço da vaidade”, facultando a Rosa inclusive o ingresso na Academia Brasileira de Letras, no ano seguinte à publicação.

Biografia do Autor

David Lopes da Silva, Universidade Federal de Alagoas (campus Arapiraca)

Bacharel em Filosofia pela UNICAMP (1996), Mestre e Doutor em Literatura Brasileira pela UFSC (2001, 2006). Deu aulas na Faculdade AGES, na UFS e na UFBA. Desde 2009 é professor do campus Arapiraca da UFAL. Interessa-se por Guimarães Rosa, grego antigo e ficção brasileira contemporânea.

Downloads

Publicado

12/12/2020

Como Citar

SILVA, D. L. da. Primeiras estórias, de Guimarães Rosa: da autorreferência textual à alegoria da vida. Leitura, [S. l.], n. 66, p. 357–366, 2020. DOI: 10.28998/2317-9945.2020v0n66p357-366. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/10744. Acesso em: 5 jul. 2022.

Edição

Seção

Estudos Literários