Base Nacional Comum Curricular e Educação Infantil

uma discussão a partir dos Estudos Culturais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13n33p15-32

Palavras-chave:

Base Nacional Comum Curricular, Educação Infantil, Representação, Currículo

Resumo

Este artigo insere-se no conjunto de estudos que discutem documentos curriculares voltados para a Educação Infantil, tendo como objetivo discutir as representações de infâncias e crianças propagadas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Tomando como referencial teórico-metodológico os Estudos Culturais em Educação, de viés pós-estruturalista, empreendeu-se uma análise cultural da parte específica da BNCC sobre Educação Infantil, dialogando com os conceitos de representação, identidade e currículo. Analiticamente operou-se com dois eixos: 1) Crianças protagonistas e 2) Crianças ocultadas na BNCC? Os resultados apontaram que há a reiteração de uma representação de criança ideal que experimenta, brinca e que tem seu desenvolvimento incentivado. Porém, ao mesmo tempo, praticamente não são evidenciadas representações de crianças que escapam a este ideal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa da Silva Almeida, ULBRA

Atua como diretora de escola pública de educação básica no município de Triunfo/RS. É tutora na Uniasselvi e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação da ULBRA/RS.

Referências

AGOSTINI, Camila Chiodi. As artes de governar o currículo da Educação Infantil: a Base Nacional Comum Curricular em discussão. 2017. 167 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Erechim, Erechim, 2017.

AMORIM, Ana Luisa Nogueira de. Sobre educar na creche: é possível pensar em currículo para crianças de zero a três anos? 2011. 338 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, 2011.

ANDRADE, Paula Deporte de. A formação da infância do consumo: um estudo sobre crianças nos anúncios publicitários da revista Veja. 2011. 170 F. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2011.

ARIÈS, Philippe. A descoberta da infância. In: ____. História social da criança e da família. Tradução de Dora Flasksman. 2. ed. Rio de Janeiro: LCT, 2015. p. 17- 31

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n. 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC, 2009.

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Infância e maquinarias. 2001. 259 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. A invenção do eu Infantil: dispositivos pedagógicas em ação. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n 21, p. 17-39, set./out./nov./dez. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/wtprtVVdk4qGQ73F7TyQwTr/abstract/?lang=pt. Acesso em: 15 abr. 2021.

BUJES, Maria Isabel Edelweiss. Que infância é esta? In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 23., 2000. Anais... Caxambu/MG: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), 2000. p. 198-220.

CARVALHO, Rodrigo Saballa de. Educação infantil: práticas escolares e o disciplinamento dos corpos. 2005. 193 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

CORAZZA, Sandra Mara. Infância e educação: Era uma vez ... quer que conte outra vez? Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

GUIZZO, Bianca Salazar. Aquele negrão me chamou de leitão: representações e práticas de embelezamento na educação infantil. 2011. 199 f. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

HALL, Stuart. A identidade cultural pós-moderna. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 12. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade, Porto Alegre, n. 2, v. 22, p. 15- 46, dez. 1997.

KOHAN, Walter Omar. Infância e filosofia. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; GOUVEA, Maria Cristina Soares (orgs.). Estudos da Infância: educação e práticas sociais. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 40-61.

LOCKMANN, Kamila; MACHADO, Roseli Belmonte. Base Nacional Comum, escola, professor. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03, p. 1591-1613, out./dez. 2014. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/21670/16304. Acesso em: 1 jun. 2021.

SANTOS, Aline Renata dos e SILVA; Janssen Felipe da. Currículo pós-colonial e práticas docentes descoloniais: caminhos possíveis. Debates em Educação, Maceió, v. 12, p. 387-407, 2020. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/9630. Acesso em: 16 nov. 2021.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Uma agenda crítica para os estudos da criança. Currículo sem Fronteiras, v. 15, n. 1, p. 31-49, jan./abr. 2015. Disponível em: https://www.curriculosemfronteiras.org/vol15iss1articles/sarmento.htm. Acesso em: 23 mar. 2021.

SARMENTO, Manuel Jacinto; PINTO, Manuel. As crianças: contextos e identidades. Braga, Portugal: Universidade do Minho, 1997

SEVERO, Carolina da Silva. Infâncias online: uma análise das representações de crianças e de infâncias no site Catraquinha. 147f. 2018. 116 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Luterana do Brasil, Programa de Pós-Graduação em Educação, Canoas, 2018.

SILVA, Ileizi Luciana Fiorelli; ALVES NETO, Henrique Fernandes; VICENTE, Daniel Vitor. A proposta da Base Nacional Comum Curricular e o debate entre 1988 e 2015. Revista Ciências Sociais, Unisinos, São Leopoldo/RS, v. 51, n. 3, p. 330-342, set./dez. 2015. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/ciencias_sociais/article/view/csu.2015.51.3.10. Acesso em: 23 fev. 2021.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade. uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu da. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000

SOUZA, Daniela de Souza Dias de. Representações de infâncias contemporâneas em projetos políticos pedagógicos de escolas de Educação Infantil. 2018. 116 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Luterana do Brasil, Programa de Pós-Graduação em Educação, Canoas, 2018.

WILLIAMS, Raymond. 2003 [1961]. La larga revolución. Buenos Aires, Nueva Visión.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da; HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn (orgs.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 7-72.

WORTMANN, Maria Lúcia. Sujeitos estranhos, distraídos, curiosos, inventivos, mas também éticos, confiáveis. Desprendidos e abnegados: professores de ciências e cientistas na literatura infanto-juvenil. In: SILVEIRA, Rosa Maria Hessel. Professoras que as histórias nos contam. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 1-32.

Publicado

2021-12-22

Como Citar

GUIZZO, Bianca Salazar; ALMEIDA, Vanessa da Silva. Base Nacional Comum Curricular e Educação Infantil: uma discussão a partir dos Estudos Culturais. Debates em Educação, [S. l.], v. 13, n. 33, p. 15–32, 2021. DOI: 10.28998/2175-6600.2021v13n33p15-32. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/12640. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Educação Infantil e currículo(s):culturas, docência e formação em debate

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.