A importância das Pedagogias críticas para o ensino de Ciências: a pedagogia histórico-crítica como proposta para a superação do cenário educacional atual

Guilherme Augusto Fernandes, Flávio Henrique Chaves Filho, Vanessa Ribeiro Julio, Luciana Maria Lunardi Campos

Resumo


O ensino de Ciências sofreu importantes movimentos, com novas teorias de aprendizagem e tendências, das quais algumas têm contribuído para o esvaziamento das categorias “trabalho docente” e “conteúdos escolares”. Tal esvaziamento contribui para a perpetuação do ideal neoliberal hegemonicamente vigente. Frente a isso, o presente trabalho discute a importância das pedagogias críticas para a superação do cenário educacional atual, propondo a pedagogia histórico-crítica como instrumento. Sua relevância está ao considerar a educação como mediação da leitura da prática social, ao fornecer elementos culturais, teóricos e práticos para isto. Será discutido o valor dos conteúdos científicos sob essa perspectiva, no contexto de problemáticas atuais do sistema capitalista e seu potencial de superá-las.


Palavras-chave


Pedagogia histórico-crítica. Ensino de ciências. Trabalho docente.

Texto completo:

PDF

Referências


AMAYA, J. F. S. La tormenta perfecta: Ideología de género y articulación de públicos. Sex., Salud Soc. (Rio J.), Rio de Janeiro, n. 27, p. 149-171, Dezembro de 2017. Available from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-64872017000300149&lng=en&nrm=iso Acesso em: 14 Nov. 2018.

BATISTA, E.L., LIMA, M.R. A pedagogia histórico-crítica como teoria pedagógica transformadora: da consciência filosófica à prática revolucionária. In: MARSIGLIA, A.C., Pedagogia histórico-crítica: 30 anos. Campinas: Autores Associados, 2011.

BATISTA, E.L. (orgs). Pedagogia histórico-Crítica: desafios e perspectivas para uma educação transformadora. Campinas: Autores Associados, 2012.

BEALE, S. Adversaries, zombies and NIPCC climate pseudoscience. The Conversation, 25 de setembro de 2013. Disponível em: https://theconversation.com/adversaries-zombies-and-nipcc-climate-pseudoscience-17378 Acesso em: 25 de janeiro de 2019.

BEDUSCHI, R. S. O ensino de evolução biológica sob o olhar da Pedagogia Histórico Crítica: em busca das significações dos professores de Biologia. Dissertação de mestrado. UNESP. Faculdade de Ciências – Bauru, 2018.

BONFIM, C. R. de S. Educação sexual e formação de professores de ciências biológicas: contradições, limites e possibilidades. 267f. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, 2009.

BRASIL. Conselho Nacional de Combate à Discriminação. Brasil sem homofobia. Programa de combate à violência e à discriminação contra GLTB e promoção da cidadania homossexual. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Medida Provisória n. 746 de 22 de setembro de 2016. Disponível em: Medida Provisória MPV 746/2016. Brasília, 22 set. 2016. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Mpv/mpv746.htm Acesso em: 21 jan. 2018.

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, Consed, Undime, 2017, 600p. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/12/BNCC_19dez2018_site.pdf. Acesso em: 5 de janeiro de 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: pluralidade cultural e orientação sexual. Brasília: MEC/SEF, v. 10, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro101.pdf.

BRASIL. Projeto de Lei nº 867, de 2015. Inclui, entre as diretrizes e bases da educação nacional, o "Programa Escola sem Partido". Brasília: Câmara Federal, 2015. Disponível em: https://goo.gl/EWfaVK . Acesso em: 20 de janeiro de 2018.

CAMPOS, R. S. P. de. A perspectiva Histórico-Crítica e prática docente de ensino de Biologia. 2017. 181 f. Tese (Doutorado em Educação para Ciência) – Universidade Estadual de São Paulo, Bauru, 2017.

CESAR, M. R. de A.; DUARTE, A. de M. Governamento e pânico moral: corpo, gênero e diversidade sexual em tempos sombrios. Educação em revista Curitiba, n. 66, p. 141-155, dezembro de 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602017000400141&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 de janeiro de 2019.

CERVI, G. M. Formação de professores e flexibilização curricular: para onde vamos? Pensando possibilidades. In: As (contra)reformas na educação hoje / Luciana Aparecida Araújo Penitente, Sueli Guadalupe de Lima Mendonça, Stela Miller (organizadores). – Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2018.

CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo - SP: Ática, 2000.

CHAUÍ, M. Vocação política e vocação científica da Universidade. In: CHAUÍ, M. (Org.). Escritos sobre a Universidade. São Paulo - SP: Unesp, 2001.

COELHO, F. M. F. Ideologia de gênero: origens e consagração no Brasil. II Simpósio Internacional da ABHR/XV Simpósio Nacional da ABHR/II Simpósio Sul da ABHR, UFSC Florianópolis – SC, junho de 2016. Disponível em: http://www.simposio.abhr.org.br/resources/anais/6/1459276453_ARQUIVO_Coelho,Fernanda-ABHR2016.pdf. Acesso em: 20 de janeiro de 2019.

COELHO, L. J. Diversidade sexual e Ensino de Ciências: buscando sentidos. 2014. 155 f. Dissertação (Mestrado em Educação para Ciência) – Universidade Estadual de São Paulo, Bauru, 2014.

COOK, J. NUCCITELLI, D. GREEH, S. A. RICHARDSON, M. WINKLER, B. PAINTING, R. WAY, R., JACOBS, P. SKUCE, A. Quantifying the consensus on anthropogenic global warming in the scientific literature. Environ. 15 de maio de 2013. Disponível em: Acesso em: https://iopscience.iop.org/article/10.1088/1748-9326/8/2/024024/pdf 24 de janeiro de 2019

COSTA, L. de O.; Melo, P. L. da C.; Teixeira, F. M. Reflexões acerca das diferentes visões de alunos do ensino médio sobre a origem da diversidade biológica. Ciência & Educação, v. 17, p. 115-128, 2011.

DIRETO DA CIÊNCIA. Fala de Crivella sobre darwinismo constrange até criacionistas. Maurício Tuffani, 24 de outubro de 2016. Disponível em: http://www.diretodaciencia.com/2016/10/24/fala-de-crivella-sobre-darwinismo-constrange-ate-criacionistas/. Acesso em: 25 de janeiro de 2019.

DELLA FONTE, Sandra Soares. As Fontes Heideggerianas do Pensamento Pós-moderno. 2006. 233 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

DUARTE, N. Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos: contribuição à teoria Histórico-Crítica do Currículo. Campinas: Autores Associados, 2016.

DUARTE, N. Educação Escolar, Teoria do Cotidiano e a Escola de Vigotski. 3 ed.rev. e ampl. – Campinas, SP: Autores Associados, 2001.

DUARTE, N. Vigostski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 3ª edição. Campinas, SP. Autores Associados, 2004.

GALEANO, E. As veias abertas da América Latina. Tradução de Galeno de Freitas. 34a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. 307p. Título original: Las venas abiertas de America Latina. (Coleção Estudos Latino-Americanos, v.12).

GERALDO, A. C. H. Didática de ciências naturais na perspectiva histórico-crítica. Campinas - SP: Autores Associados. 2009

GERALDO, A. C. H. História da Ciência: uma síntese didática dos primórdios da formação humana até a revolução científica na era moderna. 2016. 80 f. Tese (Doutorado) - Curso de Faculdade de Educação, Unicamp, Campinas, 2016.

G1. Donald Trump procura via rápida para romper acordo climático de Paris. 14 de novembro de 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/natureza/noticia/2016/11/donald-trump-procura-rapida-para-romper-acordo-climatico-de-paris.html Acesso em: 25 de janeiro de 2019.

G1 SC. Deputada estadual do PSL eleita por SC incita alunos a filmar e denunciar professores. 29 de outubro de 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/eleicoes/2018/noticia/2018/10/29/deputada-estadual-do-psl-eleita-por-sc-incita-alunos-a-filmar-e-denunciar-professores.ghtml Acesso em: 5 de janeiro de 2019.

HEIDRICH, G. Holiday nas escolas: saiba o que um vereador pode ou não fazer. Nova Escola, 7 de abril de 2017, atualizada em 11 de abril de 2017. Disponível em:https://novaescola.org.br/conteudo/4875/saiba-o-que-um-vereador-pode-ou-nao-fazer-numa-escola Acesso em: 5 de janeiro de 2019.

HOFSTATTER, L. J. V.; OLIVEIRA, H. T. de; SOUTO, F. J. B. Uma contribuição da educação ambiental crítica para (des)construção do olhar sobre a seca no semiárido baiano. Revista Ciência & Educação (Bauru) vol.22, nº3. Bauru, jul/set. 2016.

KONDER, L. O que é dialética. 28ª edição. São Paulo: Brasiliense, 1998.

KRASILCHIK, M..Caminhos do ensino de ciências no brasil. In: (MEC), Ministério da Educação (Org.). Tendências na Educação em Ciências. Brasília-DF; 1992.

KRASILCHIK, M.. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, São Paulo - SP, v. 14, n. 1, p. 85-92, 2000.

LEFEVBRE, H. Lógica Formal – Lógica Dialética. Carlos Nelson Coutinho. 5ª Edição. Civilização Brasileira S. A. Rio de Janeiro – RJ, 1991.

LEWANDOWSKY, S. PILDITCH, T. D. MADSEN, J. K. ORESKES, N. RISBEY, J.S.Influence and seepage: An evidence-resistant minority can affect public opinion and scientific belief formation. Cognition. 11 de janeiro de 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cognition.2019.01.011

LIBÂNEO, J. C. OLIVEIRA, J. F., TOSCHI, M. S. Educação escolar: políticas, estruturas e organização 10 ed. ver. e ampl. – São Paulo: Cortez, 2012.

LIBÂNEO, J. C. Políticas educacionais no Brasil: Desfiguramento da escola e do conhecimento escolar. Cadernos de pesquisa v. 46 n. 159 p.38-62 jan/mar, 2015.

MACEDO, E. Repolitizar o social e tomar de volta a liberdade. Educação em revista, Belo Horizonte, v. 34, e212010, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982018000100302&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 de janeiro de 2019.

MARANDINO, M., KRASILCHIK, M.; Ensino de ciências e cidadania. São Paulo - SP: Editora Moderna, 2004.

MARQUES, L.. Negação da ciência ganha força em nacionalismo que une esquerda e direita. Folha de São Paulo, 6 de janeiro de 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2019/01/negacao-da-ciencia-ganha-forca-em-nacionalismo-que-une-esquerda-e-direita.shtml?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=compfb&fbclid=IwAR3At42w0ER5CgTDeQLgP8XodPQGc0Upt0CDrwNIMfqu98LF_9d7XnX7aEc Acesso em: 20 de Janeiro de 2019

MARSIGLIA, A. C. G. (Org.). Pedagogia histórico-crítica: 30 anos. Campinas: Autores Associados, 2011.

MAYR, E.. O Desenvolvimento do Pensamento Biológico: diversidade, evolução e herança. Brasília: UNB, 1998.

MELLO, G. N. Magistério de 1º grau. Da competência técnica ao compromisso político. São Paulo: Cortez, 1982. 151p.

MINTO, C. A. (Contra)Reformas na educação brasileira: ontem e hoje. In: As (contra)reformas na educação hoje / Luciana Aparecida Araújo Penitente, Sueli Guadalupe de Lima Mendonça, Stela Miller (organizadores). – Marília : Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2018a.

MINTO, L. W. Formação de professores e políticas de ensino superior no Brasil. In: As (contra)reformas na educação hoje / Luciana Aparecida Araújo Penitente, Sueli Guadalupe de Lima Mendonça, Stela Miller (organizadores). – Marília : Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2018b.

PASQUINI, P. Hostilidade de filhos de Bolsonaro a aquecimento global preocupa cientistas. Folha de São Paulo, 9 de novembro de 2018 Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2018/11/hostilidade-de-filhos-de-bolsonaro-a-aquecimento-global-preocupa-ambientalistas.shtml Acesso em: 25 de janeiro de 2019.

ROCHA, K. dos A. Diversidade sexual e combate à homofobia no cenário das políticas públicas para a educação. X Congresso Nacional de Educação – EDUCERE PUCP, Curitiba, 2011. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/5958_2939.pdf Acesso em: dezembro de 2018.

SADI, A. Damares: educação domiciliar permite a pais ensinar 'mais conteúdo que a escola'. G1, 25 de janeiro de 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/blog/andreia-sadi/post/2019/01/25/damares-educacao-domiciliar-permite-a-pais-ensinar-mais-conteudo-e-gerenciar-aprendizado.ghtml?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_campaign=g1 Acesso em: 25 de janeiro de 2019.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 3 ed. rev. – Campinas, SP: Autores Associados, 2010.

SAVIANI, D. Escola e democracia: teorias da educação curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. 35. ed. revista – Campinas, SP: Autores Associados 2002.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 10. Ed. Campinas, SP, Autores Associados. 2008.

SELLES, S. E. A polêmica instituída entre ensino de evolução e criacionismo: dimensões do público e do privado no avanço do neoconservadorismo. Ciência & Educação (Bauru), Bauru, v. 22, n. 4, p. 831-835, dezembro de 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132016000400831&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 30 janeiro de 2019.

SEMIS, L. MEC não apoia proposta de liberar 40% do Ensino Médio a distância. Nova Escola, 19 de março de 2018. Disponível em:https://novaescola.org.br/conteudo/10751/governo-quer-liberar-ate-40-do-ensino-medio-a-distancia Acesso em: 5 de janeiro de 2019.

TEIXEIRA, P. Evolução x Criacionismo na escola: quais os objetivos do ensino de biologia?. In: XVII ENDIPE. (Org.). Didática e Prática de Ensino na relação com a Sociedade. 1ed.Fortaleza: EdUECE, 2016, v., p. 2092-20102.

TERRA. Cinco pontos que marcaram os discursos de posse de Bolsonaro. Brasil, 1 de janeiro de 2019. Disponível em: Acesso em: https://www.terra.com.br/noticias/brasil/politica/cinco-pontos-que-marcaram-os-discursos-de-posse-de-bolsonaro,d5811748d309b355cdfadb449cd87c3dwjg5x6uw.html 26 de janeiro de 2019.

TERRA. Ações da Justiça Eleitoral em universidades provocam reações em meio acadêmico e jurídico. Brasil, 26 de Outubro de 2018. Disponível em: https://www.terra.com.br/noticias/brasil/acoes-da-justica-eleitoral-em-universidades-provocam-reacoes-em-meio-academico-e-juridico,4d4c8db0756aeb61604ad4aacf5413d14yp46rul.html Acesso em: 25 de janeiro de 2019.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. 4ª Edição. São Paulo: Martins Fontes, 1991.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n26p342-364

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.