Efeitos do racismo da trajetória escolar de crianças: uma revisão sistemática

Ueliton Santos Moreira-Primo, Dalila Xavier de França

Resumo


O objetivo deste artigo foi realizar uma revisão integrativa de estudos com foco nos efeitos do racismo em crianças no contexto da escola. Foi realizada uma busca nas bases de dados SciELO, Periódicos Capes, Base Digital de Teses e Dissertações e Google Acadêmico, utilizando os termos “racismo”, “escola” e “educação”, tomando-se as crianças como foco. O banco final incluído na análise foi constituído por 34 estudos empíricos (16 artigos, 12 dissertações e 6 teses), publicados desde 1999. Os estudos revelam efeitos nocivos do racismo nas crianças negras, principalmente no desenvolvimento da identidade e autoconceito negativo, na baixa autoestima e no fracasso escolar. Sugere-se que medidas sejam urgentemente implementadas visando à redução do racismo na escola.


Palavras-chave


Criança; Educação; Racismo na escola

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, Deise Maria Santos. Olhares de crianças sobre pobreza e raça nas relações escolares. 138 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, 2008.

ALLPORT, Gordon. The nature of prejudice. (3ª ed.). Wokingham: AddisonWesley, 1954.

ALVES, Antonia Regina S. A. A Construção da Identidade das Crianças Afrodescendentes na Escola. Editora Realize, Anais CINTEDI, V. 1, ISSN 2359-2915, 2014. Disponível em: http://editorarealize.com.br/revistas/cintedi/trabalhos/Modalidade_1datahora_12_11_2014_21_10_16_idinscrito_5018_3c3daa3af7a1f7ede73437c702423dc8.pdf. Acesso em: 21 out. 2018.

AMARAL, Arleandra Cristina Talin. A infância pequena e a construção da identidade étnico: potenciais e limitações sob o olhar do professor. Tese (Doutorado)- Universidade Federal Do Paraná, Curitiba, 2013.

BASTOS, Priscila da Cunha. “Eu nasci branquinha”: construção da identidade negra no espaço escolar. Revista Eletrônica de Educação, v. 9, n. 2, p. 615-636, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.14244/198271991117. Acesso em: 20 out. 2018.

BRASIL. Censo Escolar – Educacenso. O item cor/raça no censo escolar da educação básica. Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2015. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/educacenso/documentos/2015/cor_raca.pdf. Acesso em: 30 out. 2018.

CAMINO,Leoncio; SILVA, Patrícia. MACHADO, Aline. PEREIRA, Cícero. A face oculta do racismo no Brasil: Uma análise psicossociológica. Revista Psicologia Política, 1(1), 13-36, 2001. Disponível em: http://www.fafich.ufmg.br/~psicopol/psicopol/artigos_pub/artigo_4.pdf. Acesso em: 10 out. 2018.

CARVALHO, Marília. Quem é negro, quem é branco: desempenho escolar e classificação racial de alunos. Rev. Bras. Educ. [online]. 2005, n.28, pp.77-95. ISSN 1413-2478. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782005000100007. Acesso em: 25 out. 2018.

CASTELAR, Marilda; LEMOS, Flávia Cristina; KHOURI, Jamille Georges; ANDRADE, Thaís. Brinquedos e brincar na vida de mulheres educadoras negras. Psicol. Esc. Educ. vol.19 no.3 Maringá set./dez. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/2175-3539/2015/0193911. Acesso em: 20 out. 2018.

CAVALLEIRO, Eliane. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: Racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. São Paulo: Contexto, 2005.

CAVALLEIRO, Eliane. O Processo de Socialização na Educação infantil: A Construção do Silêncio e da Submissão. Rev. Bras. Cresc. Desenv. Hum., São Paulo, 9(2), 1999. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/jhgd/article/view/39447. Acesso em: 20 out. 2018.

CHAGAS, Luana; FRANÇA, Dalila Xavier de. Racismo, Preconceito e Trajetória Escolar de Crianças Negras e Brancas: A Realidade de Sergipe. Anais: relatório disponível pelo IV Colóquio Internacional Educação e Contemporaneidade, ISSN 1982-3657, 2010.

CHISTÉ, Tânia Mota. “Eu queria ser branco”: reflexões que transbordam as linhas de existência da criança negra. Revista Simbiótica, vol.2, n. 1, jun., 2015. Disponível em: http://www.portaldepublicacoes.ufes.br/simbiotica/article/view/10327/7267. Acesso em: 20 out. 2018.

CRUZ, Eliana Marques Ribeiro. Percepções das crianças sobre currículo e relações étnico-raciais na escola: desafios, incertezas e possibilidades. 154 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2008.

CRUZ, Tânia Mara. Espaço escolar e discriminação: significados de gênero e raça entre crianças. Educ. rev., Belo Horizonte , v. 30, n. 1, p. 157-188, Mar. 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edur/v30n1/a07v30n1.pdf. Acesso em: 23 out. 2018.

FARIAS, Ana Carolina Batista de Almeida. "Loira você fica muito mais bonita": relações entre crianças de uma EMEI da cidade de São Paulo e as representações étnico-raciais em seus desenhos. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

FASSON, Karina. Raça, infância e escola: etnografia entre crianças em uma escola municipal de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

FEITOSA, Caroline Felipe Jango. Aqui tem racismo!: um estudo das representações sociais e das identidades das crianças negras. 240 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP, 2012.

FERNANDES, Florestan. Heteronomia racial na sociedade de classes. In: FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. Volume 1 - O legado da raça branca. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1965, p. 211-261.

FRANÇA, Dalila Xavier de. Discriminação de Crianças Negras na Escola. Revista Interacções, vol. 13 n.º 45 (2017): Violência, discriminação e desigualdades / Artigos. Disponível em: https://revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/view/9476. Acesso em: 20 out. 2018.

FRANÇA, Dalila Xavier de. A socialização e as relações interétnicas. In L. Camino, A. N.R. Torres, M. E. O. Lima, & M. E. Pereira (Orgs.), PsicologiaSocial: Temas e Teorias (2a ed., pp. 541-587). Brasília: Technopolitik, 2013.

GAUDIO, Eduarda. Relações étnico-raciais e os cabelos na educação infantil: olhar sobre a perspectiva das crianças. Revista Eventos Pedagógicos, 6, nov. 2015. Disponível em: http://sinop.unemat.br/projetos/revista/index.php/eventos/article/view/1995/1633. Acesso em: 21 out. 2018.

GOMES, Nilma Lino. Alguns Termos e Conceitos Presentes no Debate Sobre Relações Raciais no Brasil: uma breve discussão. Ação Educativa, 2012. Disponível em: http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/10/. Acesso em: 30 out. 2018.

GOMES, Nilma Lino. Diversidade étnico-racial, inclusão e equidade na educação brasileira: desafios, políticas e práticas. RBPAE – v.27, n.1, p. 109-121, jan./abr. 2011. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/viewFile/19971/11602. Acesso em: 30 out. 2018.

GUIZZO, Bianca; ZUBARAN, Maria; BECK, Dinah. Raça e gênero na educação básica: pesquisando ‘com’ crianças. Acta Scientiarum. Education Maringá, v. 39, suppl., p. 523-531, 2017. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/29311. Acesso em: 21 out. 2018.

HONDT, Fanny D’. ECCLES , Jacquelynne S. ECCLES. HOUTTE, Mieke Van HOUTTE. STEVENS, Peter A. J. STEVENS. Perceived Ethnic Discrimination by Teachers and Ethnic Minority Students’ Academic Futility: Can Parents Prepare Their Youth for Better or for Worse?. Springer Science+Business Media, New York, 2016.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Características Étnicos-Raciais da População- Classificações e Identicidades. IBGE. José Luis Petruccelli e Ana Lucia Sabola (orgs.). Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv63405.pdf . Acesso em. 10 out. 2018.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: Uma análise das condições de vida da população brasileira. IBGE. Rio de Janeiro, RJ: Autor, 2013.

LIMA, Marcus Eugênio Oliveira; VALA, Jorge. As novas formas de expressão do preconceito e do racismo. Estud. Psicol. Vol.9 nº3. Natal Sep/Dec 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/epsic/v9n3/a02v09n3.pdf. Acesso em: 10 set. 2018.

LINS RODRIGUES, Antonio Cesar. Corpos e culturas invisibilizados na escola: racismo, aulas de educação física e insurgência multicultural. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

LOPES, Marluce Leila Simões. "Infâncias capturadas" e trajetórias de crianças negras encaminhadas pela escola ao Conselho Tutelar. Universidade Federal do Espirito Santo, Vitória. PPGE - Teses de doutorado, 2014.

MARTINS, Telma Cezar da Silva. O branqueamento no cotidiano escolar: práticas pedagógicas nos espaços da creche. 164 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Universidade Nove de Julho, São Paulo, 2017.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Vozes, 1999.

MUNANGA, Kabengele. Superando o Racismo na escola. 2ª Ed. revisada. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

NASCIMENTO, Vinícius; FERNANDES, Taffarel. Chica da Silva e o mito da democracia racial a partir dos romances de Paulo Amador e João Felício dos Santos. Revista Parajás, v. 1, n. 1 / 2018. Disponível em: http://revista.institutoparajas.org/parajas/article/view/13/18. Acesso em: 21 out. 2018.

NASCIMENTO, Wanderson Flor do. Intolerância ou racismo?. Hora Grande. Outubro de 2016 - ano XXI- edição 167. Disponível em: https://www.academia.edu/31433487/Intoler%C3%A2ncia_ou_racismo. Acesso em: 25 de Outubro de 2018.

NUNES, Mighian Danae Ferreira. Mandingas da infância: as culturas das crianças pequenas na escola municipal Malê Debalê, em Salvador (BA). Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

OLIVEIRA, Ariadne Moreira Basílio. Modernidade, raça e intolerância: direitos humanos na encruzilhada. Em: Anais Encontro da ANDHEP- Direitos humanos, sustentabilidade, circulação global e povos indígenas. Vitória (ES), 2016.

OLIVEIRA, Fabiana de; ABRAMOWICZ, Anete. Infância, raça e "paparicação". Educ. rev. Vol.26, n.2, Belo Horizonte, Aug., 2010.http://dx.doi.org/10.1590/S0102-46982010000200010. Acesso em: 20 out. 2018.

PETTIGREW, Thomas. When Groups Meet: the Dynamics of Intergroup Contact. Psychology Press, 2011. In: Intergroup contact theory. Annual Review of Psychology, 49, 65-75, 1998.

PRIEST, Naomi; PERRY, Ryan; FERDINAND, Angeline; PARADIES, Yin; KELAHER, Margaret. Experiences of Racism, Racial/Ethnic Attitudes, Motivated Fairness and Mental Health Outcomes Among Primary and Secondary School Students. Journal of Youth and Adolescence, 2014.

ROCHA, Nara Maria Forte Diogo. Relações étnico-raciais e educação infantil: dizeres de crianças sobre cultura e história africana e afro-brasileira na escola. 324f. – Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Fortaleza (CE), 2015.

ROSEMBERG, Fúlvia. Relações Raciais e rendimento escolar no Estado de São Paulo. Cadernos de pesquisa, nº 63. Fundação Carlos Chagas. São Paulo, 1987. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1264. Acesso em: 10 out. 2018.

SANTANA, J. V. J.; DIAS, J. O.; PEREIRA, R. S.; CUNHA, A. S. J. “Eu tenho vergonha em dizer que sou negra, ninguém gosta, né”? As crianças e as relações étnico-raciais em Itapetinga-BA. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, Sergipe, Brasil, v. 12, n. 28, p. 323-346, jan./mar. 2019. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/9982. Acesso em: 05 mar. 2019.

SANTIAGO, Flavio. "O meu cabelo é assim... igualzinho o da bruxa, todo armado": hierarquização e racialização das crianças pequenininhas negras na educação infantil. 127 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP, 2014.

SANTIAGO, Flavio. Creche e racismo. Revista Eletrônica de Educação, v. 9, n. 2, p. 441-460, 2015. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/viewFile/1118/418. Acesso em: 20 out. 2018.

SANTOS, Ana Cristina Conceição. Escola, família e comunidade quilombola na afirmação da identidade étnica da criança negra. 129 f. Dissertação (Mestrado em Educação Brasileira) - Centro de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2008.

SANTOS, Carina Feitosa dos. Escola e preconceito: relações raciais na ótica dos professores. 135 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2014.

SARZEDAS, Letícia Passos de Melo. Criança negra e educação: um estudo etnográfico na escola. 167 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras de Assis, 2007.

SILVA, Caroline. As representações sociais acerca da criança negra na educação infantil e os mecanismos de discriminação. Eventos Pedagógicos, v. 6, n. 4 (17. ed.), p. 323-341,nov./dez. 2015. Disponível em: http://sinop.unemat.br/projetos/revista/index.php/eventos/article/view/1990. Acesso em: 21 out. 2018.

SILVA, Marcella de Holanda. Negritude e infância: cultura, relações étnico-raciais e desenvolvimento de concepções de si em crianças.205 f. Dissertação (Mestrado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde) -Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

SILVA, Vera Lúcia Neri da. Os Estereótipos Racistas nas Falas de Educadoras Infantis: Suas Implicações no Cotidiano Educacional da Criança Negra. Dissertação (mestrado)- Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ, 2002.

SOUSA, Kassia Mota de. Entre a escola e a religião: desafios para as crianças de candomblé em Juazeiro do Norte. 145 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Fortaleza-CE, 2010.

TAJFEL, Henri. Categorização social, identidade social e comparação social. Grupos Humanos e Categorias Sociais (Lígia Amâncio, Trad.). Belo Horizonte, MG: Livros Horizonte, 1983.

TRINIDAD, Cristina Teodoro. Construção da identidade étnico-racial: o que as crianças pré-escolares têm a dizer?. Editora Realize, Anais VIII FIPED, V. 1, ISSN 2316-1086, 2016. Disponível em: https://editorarealize.com.br/revistas/fiped/trabalhos/TRABALHO_EV057_MD1_SA14_ID2709_07092016203022.pdf. Acesso em 20 out. 2018.

TRINIDAD, Cristina Teodoro. UM CORPO NEGADO: a importância da Educação Infantil para a construção e a afirmação da identidade étnico-racial de crianças pré-escolares. Revista Eventos Pedagógicos, v. 6, n. 4 (17. ed.), número regular, p. 366-383, nov./dez., 2015. Disponível em: http://sinop.unemat.br/projetos/revista/index.php/eventos/article/view/2052. Acesso em: 21 out. 2018.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n26p176-198

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.