Crítica da medicalização na educação escolar: um saber necessário na formação de professores

Ademir Henrique Manfré

Resumo


Este artigo trata da temática medicalização e educação em uma perspectiva crítica. Analisa o processo exacerbado da crescente medicalização da subjetividade e os impactos provocados por tais intervenções no campo da formação escolar. É resultado de reflexões realizadas junto à disciplina de Psicologia da Educação por mim ministrada. O debate aqui proposto se sustenta nas contribuições analíticas advindas da Teoria Crítica da Escola de Frankfurt. As análises aqui propostas indicam que a medicalização crescente do processo educacional exige um posicionamento intelectual crítico de educadores e demais profissionais da Educação para o desenvolvimento de atitudes de resistência e de compreensão da produção de uma existência empobrecida na contemporaneidade.


Palavras-chave


Educação. Medicalização. Formação

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. Mínima Moralia: reflexões sobre a vida danificada. Tradução de Artur Morão. São Paulo: Edições 70, 2001.

ADORNO, Theodor W. Tabus acerca do magistério. In: Theodor Adorno: educação e emancipação. Tradução de Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995, p. 97 – 118.

ADORNO, Theodor W. Teoria da Semicultura. Tradução de Newton Ramos-de-Oliveira; Bruno Pucci; Cláudia B. M. Abreu. Educação e Sociedade, n. 56, Campinas, São Paulo: Papirus, dez/1996, p. 388 – 411.

AMARANTE, P. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

AGUIAR, Adriano Amaral de. A Psiquiatria no Divã: entre as ciências da vida e a medicalização da existência. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

AGÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. RDC n° 67, de 08 de outubro de 2013. ANVISA divulga lista de remédios mais consumidos no Brasil. D.O.U. Brasília, DF, 2013. Disponível em: http://www.anvisa.org.br. Acesso em: 06 set. 2017.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed., 2001.

BENJAMIN, Walter. Experiência e pobreza. In: Obras escolhidas I. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994a.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Obras escolhidas I. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994b.

BENJAMIN, Walter. Sobre alguns temas em Baudelaire. In: Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. Tradução de José Martins Barbosa, Hemerson Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1989 (obras escolhas, v. 3).

BEZERRA JR, Benilton. A psiquiatria e a gestão tecnológica do bem-estar. In: FILHO, João Freire (org.). Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro; Editora FGV, 2010, p. 117 - 134.

BIRMAN, Joel. Muitas felicidades?! O imperativo de ser feliz na contemporaneidade. In: FILHO, João Freire (org.). Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro; Editora FGV, 2010, p. 27 - 48.

CHAUÍ, Marilena. O que é ser educador hoje? Da arte à ciência: a morte do educador. In: BRANDÃO, Carlos (Org.). O educador hoje. Rio de Janeiro: Graal, 1982, p. 51-70.

COLLARES, Cecília; MOYSÉS, Maria Aparecida A. Preconceitos no cotidiano escolar: ensino e medicalização. São Paulo: Cortez: Campinas, 1996.

Conselho Federal de Psicologia (CFP). Subsídios para a campanha “Não à medicalização da vida”: medicalização da educação. Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia. Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas – CREPOP, 2012.

COSTA, Rachel. Crianças estressadas: por que nossos filhos estão cada vez mais suscetíveis às doenças de origem emocional e o que podemos fazer para identificar e superar o problema diagnosticado em oito de cada dez meninos e meninas submetidos a tratamento. Revista ISTOÉ, ed. 2211, ano 36, 23 de mar. 2012. Disponível em: http://www.istoe.com.br. Acesso em: 15 set. 2017.

CHRISTOFARI, Ana C. Modos de ser e de aprender na escola: medicalização (in) visível? 2014, 137 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

CROCHIK, José L; CROCHIK, Nádia. A desatenção atenta e a hiperatividade sem ação. In: Conselho Regional de Psicologia de São Paulo. Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doença de indivíduos. São Paulo: casa do Psicólogo, 2015, p. 205 – 219.

CROCHIK, José L. Teoria Crítica da sociedade e psicologia: alguns ensaios. Araraquara, SP: Junqueira e Marin; Brasília, DF, 2011.

FILHO, João Freire (org.). Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro; Editora FGV, 2010.

FREUD, Sigmund. (1930). O mal-estar na civilização. Rio de Janeiro: Imago, 1997.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e Narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva: Fapesp, 1994.

GARRIDO, Juliana; MOYSÉS, Maria Aparecida. Um panorama nacional dos estudos sobre a medicalização da aprendizagem de crianças em idade escolar. In: Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010, p. 150-161.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 2000.

ILLICH, Ivan. A expropriação da saúde: nemesis da medicina. Rio de Janeiro: Nova Fronteira S. A, 1975.

LASCH, Christopher. A cultura do narcisismo. Rio de Janeiro: Imago, 1983.

MENEZES, Lucianne Sant’Anna de; ARMANDO, Gisela; VIEIRA, Patrícia. Medicação ou medicalização? São Paulo: Primavera Editorial, 2014. (Coleção Departamento Formação em Psicanálise).

OLIVEIRA, Gilberto Gonçalves de. Neurociências e os processos educativos: um saber necessário na formação de professores. Educação Unisinos, n° 18, p. 13 – 24, jan/ab. 2014.

RIBEIRO, Maria. A medicalização da educação na contramão das diretrizes curriculares nacionais da educação básica. Revista Entreideias, Salvador, v. 3, n. 1, p. 13-29, jan./jun. 2014.

ROHDE, Luis A. et al. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. Revista brasileira de psiquiatria, n. 22, 2004, p. 7-11.

TAVARES, Leandro A. T. A depressão como “mal-estar” contemporâneo: medicalização e (ex) sistência do sujeito depressivo. 2009. 137 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia), Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis, 2009.

TARANTINO, Mônica; OLIVEIRA, Monique; GOMES, Luciana. As revelações sobre o cérebro adolescente: novas pesquisas decifram as transformações cerebrais que acontecem na adolescência, explicam comportamentos típicos e sugerem como lidar com eles. Revista ISTOÉ, ed. 2189, ano 35, 21 de out. 2011. Disponível em: http://www.istoe.com.br. Acesso em: 15 set. 2017.

TIBURI, Márcia. Uma outra história da razão. São Leopoldo: UNISINOS, 2003.

ZUIN, Antônio A. S. et al. Adorno: o poder educativo do pensamento crítico. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1999.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n26p15-35

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.