Ensino de evolução biológica e o desenvolvimento de uma visão materialista, histórico e dialética acerca da realidade

Thalita Quatrocchio Liporini, Daiany Pressato, Leandro Jorge Coelho, Renato Eugênio da Silva Diniz

Resumo


Admitindo que a evolução constitui um dos eixos organizadores da Biologia, este artigo traz reflexões a respeito de seu ensino à luz dos fundamentos da pedagogia histórico-crítica e na possibilidade do desenvolvimento de uma visão materialista histórico dialética acerca da realidade por meio da apropriação dos conhecimentos evolutivos. A fim de que este estudo promova desdobramentos para o ensino da disciplina escolar Biologia, os objetivos desta pesquisa são: analisar se os conteúdos sobre evolução biológica se configuram como conhecimentos clássicos e identificar as possíveis contribuições do ensino de evolução biológica para a construção de uma visão de mundo materialista histórica dialética.


Palavras-chave


ensino de evolução biológica; pedagogia histórico-crítica; conteúdo clássico

Texto completo:

PDF

Referências


BIZZO, N. M. V. Ensino de Evolução e História do Darwinismo. 494f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 1991.

CICILLINI, G. A. A produção do conhecimento biológico no contexto da cultura escolar do Ensino Médio: a Teoria da Evolução como exemplo. 298f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP, 1997.

DOBZHANSKY, T. Nothing in biology makes sense except in the light of evolution. American Biology Teacher, v. 35, n. 3, p. 125-129, 1973.

DUARTE, N. A individualidade para si: contribuição a uma teoria histórico-crítica da formação do indivíduo. 3ª ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

DUARTE, N. A importância da concepção de mundo para a educação escolar: porque a Pedagogia Histórico-Crítica não endossa o silêncio de Wittgenstein. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 7, n. 1, p. 8-25, 2015.

DUARTE, N. Os conteúdos escolares e a ressurreição dos mortos: contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

FREIRE-MAIA, N. Teoria da Evolução: De Darwin à Teoria Sintética. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

FUTUYMA, D. J. Biologia Evolutiva. 2ª ed. Ribeirão Preto: FUNPEC-RP, 2002.

HUNGARO, E. M. Trabalho, tempo livre e emancipação humana: os determinantes ontológicos das políticas sociais de lazer. 264f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2008.

GOULD, S. J. Três aspectos da Evolução. In: BROCKMAN, J.; MATSON, K. As coisas são assim: pequeno repertório científico do mundo que nos cerca. São Paulo: Cia das Letras, p. 95-100, 1997.

GRAMSCI, A. Os Intelectuais e a Organização da Cultura. 4ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 1978.

LAVOURA, T. N.; MARSIGLIA, A. C. G. A pedagogia histórico-crítica e a defesa da transmissão do saber elaborado: apontamentos acerca do método pedagógico. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 33, n. 1, p. 345-376, 2015.

LIPORINI, T. Q. O ensino de Sistemática e Taxonomia Biológica no Ensino Médio da rede estadual do município de São Carlos – SP. 202f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências, Bauru, SP, 2016.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I. 2ª ed. São Paulo: Boitempo, 2018.

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I. São Paulo: Boitempo, 2012.

MÁRKUS, G. Marxismo e Antropologia: o conceito de “essência” humana na filosofia de Marx. São Paulo, SP: Expressão Popular, 2015.

MARTINS, L. A.-C. P. A teoria da progressão dos animais de Lamarck. 403f. Dissertação (Mestrado em Genética e Biologia Molecular) – Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1993.

MARTINS, L. A.-C. P. Nos tempos de Lamarck: o que ele realmente pensava sobre evolução orgânica. Programa de Estudos Pós-Graduados em História da Ciência, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2002. Disponível em http://www.ghtc.usp.br/server/PDF/lacpm-Tempos-de-Lamarck.PDF. Acesso em 07 demarço de 2019.

MARTINS, L. M. Psicologia Histórico-Cultural, Pedagogia Histórico-Crítica e Desenvolvimento Humano. In: MARTINS, L. M.; ABRANTES, A. A.; FACCI, M. G. D. (Orgs.). Periodização Histórico-Cultural do Desenvolvimento Psíquico: do nascimento à velhice. Campinas, SP: Autores Associados, p. 13-34, 2016.

MARTINS, L. M. Implicações pedagógicas na escola de Vigotski: algumas considerações. In: MENDONÇA, S. G. L; MILLER, S. (Orgs.) Vigotski e a escola atual: fundamentos teóricos e implicações pedagógicas. 2ª edição. Araraquara, SP: Junqueira & Marin; Marília, SP: Cultura Acadêmica, p. 49-61, 2010.

MARTINS, L. M.; LAVOURA, T. N. Materialismo histórico-dialético: contributos para a investigação em educação. Educar em Revista, Curitiba, v. 34, n. 71, p. 223-239, 2018.

MARX, K. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboço da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2011.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. Tradução: José Carlos Bruni, Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Editorial Grijalbo, 1977.

MAYR, E. O que é a Evolução. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

MAYR, E. Isto é Biologia: a Ciência do mundo vivo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

MAYR, E. O desenvolvimento do pensamento biológico: diversidade, evolução e herança. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1998.

MEYER, D.; EL-HANI, C. N. Evolução: o sentido da Biologia. São Paulo: Editora UNESP, 2005.

NASCIMENTO JÚNIOR, A. F. Construção de estatutos de Ciência para a Biologia numa perspectiva histórico-filosófica: uma abordagem estruturante para seu ensino. 439f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências, Bauru, SP, 2010.

PAPÁVERO, N.; SANTOS, C. F. M. Evolucionismo Darwinista? Contribuições de Alfred Russell Wallace à Teoria da Evolução. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 34, n. 67, p. 159-180, 2014.

PAPÁVERO, N.; TEIXEIRA, D. Os Viajantes e a Biogeografia. História, Ciências e Saúde – Manguinhos, v.8 (suplemento), 2001, pp. 1015-1037.

RIDLEY, M. Evolução. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ROSA, J. M. A apropriação dos princípios fundamentais da teoria da evolução e os alcances abstrativos na concepção de mundo. 256f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Letras, Araraquara - SP, 2018.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. 11ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, D.; DUARTE, N. Pedagogia Histórico-Crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

SELLES, S. E.; FERREIRA, M. S. Disciplina Escolar Biologia: entre a retórica unificadora e as questões sociais. In: MARANDINO, M.; FERREIRA, M. S.; AMORIM, A. C. Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa. Niterói, RJ: EDUFF, p. 50-62, 2005.

SMOCOVITIS, V. B. Unifying Biology: The Evolutionary Synthesis and Evolutionary Biology. Princeton: Princeton University Press, 1996.

TONET, I. Método científico: uma abordagem ontológica. São Paulo, SP: Instituto Lukács, 2013.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n26p261-282

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.