Os sentidos do trabalho para técnicos em assuntos educacionais no contexto do modo de produção capitalista

Caio Caselli Martins, Adriano Larentes da Silva

Resumo


O objetivo do estudo é investigar os sentidos atribuídos ao trabalho por técnicos em assuntos educacionais (TAEs) de uma instituição federal, considerando o modo de produção vigente. A pesquisa qualitativa se caracteriza como descritiva e exploratória. Com diferenças marcantes, mas também elementos em comum, o trabalho do séc. XX até os dias atuais está intrinsecamente vinculado aos ditames do capitalismo, que enxerga os trabalhadores como forças de trabalho – e não como seres humanos. Neste cenário, os sentidos do trabalho para os TAEs do Instituto Federal de Santa Catarina refletem a dupla dimensão do trabalho: Ontológica e Histórica. Ora o trabalho se aproxima da representação de atividade vital e potencializadora do desenvolvimento humano, e ora assemelha-se como atividade estranha ao trabalhador, se resumindo à manutenção da subsistência.

Palavras-chave


Sentidos do trabalho; Técnicos em Assuntos Educacionais; Modo de produção capitalista.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Giovanni. Trabalho, subjetividade e capitalismo manipulatório: o novo metabolismo social do trabalho e a precarização do homem que trabalha. Revista da Rede de Estudos do Trabalho. Ano IV, n. 8, 2011. Disponível em: http://www.estudosdotrabalho.org/RevistaRET08.html. Acesso em: 10 maio 2018.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2. ed., rev. e ampl. São Paulo/SP: Boitempo, 2009.

ARROYO, Míguel G. Currículo, território em disputa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

AZEVEDO, Ana Carina. Os primórdios da organização científica do trabalho em Portugal: o progressivo aperfeiçoamento dos métodos de racionalização desde o início do século XX até à II Guerra Mundial. Revista Mundos do Trabalho, v. 4, n. 7, jan./jun. 2012, p. 245-265. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/1984-9222.2012v4n7p245/23304. Acesso em: 18 jun 2019.

BACCIN, E. V.; SHIROMA, E. O. A intensificação e precarização do trabalho docente nos institutos federais. Revista Pedagógica. Chapecó/SC, v. 18, n. 39, p. 129-150, set./dez. 2016.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BRASIL. Decreto nº 72.493, de 19 de julho de 1973. Dispõe sobre o Grupo Outras Atividades de Nível Superior e dá outras providências. Brasília, 1973. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1970-1979/D72493.htm. Acesso em: 16 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Ofício Circular nº 015/2005/CGGP/SAA/SE/MEC. Brasília, 2005. Disponível em http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/canalcggp/oficios/oc01505.pdf. Acesso em: 29 out. 2017.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Brasília, 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm . Acesso em: 20 out. 2017.

BRASIL. Lei nº 5.645, de 10 de dezembro de 1970. Estabelece diretrizes para a classificação de cargos do Serviço Civil da União e das autarquias federais, e dá outras providências. Brasília, 1970. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L5645.htm. Acesso em: 16 fev. 2018.

COUTINHO, Maria Chalfin; DIOGO, Maria Fernanda; JOAQUIM, Emanuelle de Paula. Sentidos do trabalho e saber tácito: estudo de caso em universidade pública. Revista de Psicologia da Vetor Editora, v. 9, n. 1, p. 99-108, jan./jun. 2008.

ESCURRA, María Fernanda. O trabalho como categoria fundante do ser social e a crítica à sua centralidade sob o capital. Verinotio – Revista on-line de Filosofia e Ciências Humanas. Ano XI, n. 22, out./2016.

FLORO, Elisângela Ferreira. Gerencialismo educacional e precarização do trabalho docente no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília/SP, 2016.

FREITAS, Luis Carlos de. Brasil de Fato. Entrevista concedida a Guilherme Henrique. São Paulo, 04 de janeiro de 2019. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2019/01/04/uma-vez-que-esse-mercado-se-fortalece-ele-elimina-a-escola-publica-diz-estudioso/. Acesso em: 02 abr. 2019.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Trabalho. In: Dicionário da Educação Profissional em Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. Rio de Janeiro/RJ, 2009. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/dicionario/index.html. Acesso em 22 nov. 2017.

IFSC – Instituto Federal de Santa Catarina. Anuário Estatístico 2017. Disponível em: http://www.ifsc.edu.br/anuario-estatistico. 2017b. Acesso em: 27 out. 2017.

IFSC – Instituto Federal de Santa Catarina. Edital 33/2017. Rege as normas do Concurso Público do IFSC 2017. Disponível em: http://portal.ifsc.edu.br/concurso2017-edital. 2017. Acesso em: 10 nov. 2017.

KONDER, Leandro. O que é dialética. São Paulo: Brasiliense, 2008.

LESSA, Sérgio. Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LOUREIRO, Thiago. Assistentes em administração: trabalho, sofrimento e adoecimento de servidores. Revista Laborativa, v. 6, n. 2, p. 59-79, out./2017. Disponível em: http://ojs.unesp.br/index.php/rlaborativa. Acesso em: 26 jun. 2018.

LUKÁCS, György. Para uma ontologia do ser social – Volume 2. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARTINS, Selma Aparecida Caselli. Cotidiano de trabalho de profissionais da atenção básica à saúde: uma arena de sentidos, emoções, saberes e fazeres. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política – Volume 1. São Paulo: Nova Cultural, 1996 (Os Economistas).

Ministério da Educação e Cultura. Departamento de Pessoal. Considerações sobre a situação atual dos técnicos em assuntos educacionais no MEC. Brasília, 1979. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me001934.pdf. Acesso em: 16 fev. 2018.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 2016. Expansão da Rede Federal. Disponível em: http://redefederal.mec.gov.br/expansao-da-rede-federal. Acesso em: 20 out. 2017.

OLIVEIRA, Blenda Cavalcante de; CRUZ, Shirleide Pereira da Silva. Verticalização e trabalho docente nos Institutos Federais: uma construção histórica. Revista HISTEDBR Online. Campinas/SP, v.17, n.2 [72], p.639-661, abr./jun. 2017.

OLIVEIRA, Renato almeida de. A concepção de trabalho na filosofia do jovem Marx e suas implicações antropológicas. Revista Kínesis, vol. 2, n. 03, abr. 2010, p. 72-88. Disponível em: http://www.marilia.unesp.br/Home/RevistasEletronicas/Kinesis/6_RenatoAlmeidadeOliveira.pdf. Acesso em: 15 dez. 2018.

RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2001.

RIBEIRO, Carla Vaz dos Santos. O trabalho do técnico-administrativo em instituições federais de ensino superior: análise do cotidiano e implicações na saúde. V Jornada Internacional de Políticas Públicas, Universidade Federal do Maranhão, São Luis, 2011.

SANSEVERINO, Adriana Manzolillo; GOMES, Carlos Francisco Simões. Propostas dos técnicos em assuntos educacionais. Revista de Carreiras e Pessoas. São Paulo, v. 07, n. 02, mai./ago. 2017.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação. V. 12, n. 34, jan./abr. 2007.

SOUZA, Priscila Cardoso Moraes de; CORRÊA, Simone. O papel dos técnicos em assuntos educacionais no IFRJ: desafios identitários. In: As nuances e o papel social dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia: lugares a ocupar. Pereira, Marcus V.; Rôças, Giselle (orgs). João Pessoa: IFPB, 2018.

VEIGA, Fernanda dos Anjos; BAPTISTA, Ester Roseli. Intensificação e precarização do trabalho de técnico-administrativos na UFPA: um estudo sobre o trabalho dos secretários. Revista Expectativa. Cascavel/PR, V. 15, n. 15, 2016. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/expectativa/article/view/14245. Acesso em: 24 maio 2018.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p330-351

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.