A materialização do Programa Tutoria Educacional na educação pública municipal de Manaus/AM

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2021v13n32p23-40

Palavras-chave:

Trabalho docente, Programa tutoria educacional, Rede pública municipal, Instituições privadas

Resumo

Este artigo objetiva discutir a materialização das políticas neoliberais, por meio da implementação do Programa Tutoria Educacional (PTE), na rede pública municipal de Manaus/AM. Tem por referência empírica o PTE implementado na Secretaria Municipal de Educação (SEMED/MANAUS) com a Fundação Itaú Social a partir de 2015. Trata de um estudo de caráter exploratório por meio de análise teórica e documental que permitem eleger o termo competência como eixo norteador do trabalho docente. Dessa forma, percebe-se que existe um inegável movimento em prol de viabilizar a expansão de instituições privadas no setor educacional. Portanto, questionam-se não só as implicações para os profissionais que atuam na educação, como também problematiza até que ponto os sujeitos históricos permanecem nesse processo apenas como reprodutores ideológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rudervania da Silva Lima Aranha, Universidade Federal do Amazonas

Graduada em Pedagogia com habilitação em Supervisão e Orientação Educacional pela Universidade Federal do Amazonas (2001), Especialista em Educação Infantil pela Universidade Estadual do Amazonas (2007).  Mestrado (2017) em Educação, pela Universidade de Federal do Amazonas. É professora da Secretaria Municipal de Educação com atuação na  Educação de Jovens e Adultos.  Atualmente é Doutoranda em Educação pela Universidade Federal do Amazonas. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos temas: Métodos e Técnicas de Estudo e Trabalho Científico, Didática Geral, Legislação do ensino e Educação  Indígena.  Desenvolve trabalhos no campo das Políticas Públicas e Educação no Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Políticas Públicas e Educação na UFAM, certificado pelo CNPq. O endereço para correspondência é Universidade Federal do Amazonas, Faculdade de Educação, Programa de Pós-graduação em Educação - PPGE  , Rua Gal. Rodrigo Octávio Jordão Ramos, 3.000 – Coroado - CEP 69077-000 Manaus – AM. Email rudervania.aranha@gmail.com  e telefone para contato: 92 99414-9228 e fax: 92 3305-1181 ramal 1785.

Selma Suely Baçal de Oliveira, Universidade Federal do Amazonas

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Amazonas (1991), Mestrado (1998) e Doutorado (2002) em Educação, ambos pela Universidade de São Paulo. É professora (Associado 3) da Universidade Federal do Amazonas com atuação no Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFAM, onde orienta discentes de Doutorado e Mestrado. Atualmente é Diretora da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Amazonas - FACED-UFAM. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Trabalho e Educação, atuando principalmente nos temas: Sociologia do Trabalho; Trabalho e Educação; Qualificação Profissional; Novas Tecnologias, Formação para o Trabalho e Qualificação dos Trabalhadores. Desenvolve trabalhos no campo das Políticas Públicas e Educação, sendo líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Políticas Públicas e Educação na UFAM, certificado pelo CNPq, além de desenvolver sua cátedra no nível superior, há mais de 20 anos, nas disciplinas do Campo da Sociologia da Educação e Sociologia do Trabalho. O endereço para correspondência é Universidade Federal do Amazonas, Faculdade de Educação, Departamento de Teorias e Métodos, Rua Gal. Rodrigo Octávio Jordão Ramos, 3.000 – Coroado - CEP 69077-000 Manaus – AM. Email selmabacal@ufam.edu.br e telefone para contato: 92 99420-8030 e fax: 92 3638-9254.

Luciana de Lima Pereira, Universidade Federal do Amazonas

Graduada em Pedagogia com habilitação em Supervisão e Orientação Educacional pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM-2006), especializou-se em Metodologia do Ensino Superior (UFAM-2007). Possui Doutorado em Educação (UFAM-2013) na linha de pesquisa Educação, Políticas Públicas e Desenvolvimento Regional, tendo defendido trabalho na área de trabalho e educação. É funcionária pública municipal.Tem experiência na área de Educação (ensino fundamental 1º ao 5º, EJA, ens. superior). Atua principalmente nos seguintes temas: trabalho, desemprego, qualificação, pobreza, gestão e qualidade do ensino básico. 

Referências

ADRIÃO, T. O Negócio da Educação: aventuras na terra do capitalismo sem risco. MARINGONI, G. (Org.) São Paulo: Olho d’Água, 2017.

AMARAL, M. P. do. Política pública educacional e sua dimensão internacional: abordagens teóricas. Educação e Pesquisa, São Paulo: Universidade de São

Paulo. v. 36, p. 39-54, 2010. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=29812343004. Acesso em: 04 jun.2018.

ANDERSON, P. Balanço do Neoliberalismo. In: SADER, E.; GENTILI, P. (Orgs.). Pós-Neoliberalismo: As políticas sociais e o Estado democrático. 8. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

ARANHA, R. S. L. PROEMEM: a lógica do mercado na educação pública municipal de Manaus. 2017. 148 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Educação - Educação e Políticas Públicas, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2017. Disponível em: https://tede.ufam.edu.br/handle/tede/6134. Acesso em: 15 jun. 2018.

ARCE, A. Compre o kit neoliberal para a educação infantil e ganhe grátis os dez passos para se tornar um professor reflexivo. Educação & Sociedade, Campinas, v.22, n. 74, p.251-283, 2001.

BRASIL. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília, DF: Presidência da República, [1995]. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me002599.pdf. Acesso em: 26 jun. 2017.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, [2019]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 22 dez. 2019.

BRASIL. Parecer CNE/CEB nº 16, de 05 de outubro de 1999. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional de Nível Técnico. Brasília, DF,[2021]. Disponível em: http://www.educacao.pr.gov.br/arquivos/File/pareceres/parecer161999.pdf. Acesso em: 06 mar. 2017.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res1_2.pdf. Acesso em: 06 mar. 2017.

CORAGGIO, J. L. Proposta do Banco Mundial para a educação: sentido oculto ou problemas de concepção?. In: TOMMASI, L. de; WARDE, M. J.; HADDAD, S. (Orgs.). O Banco Mundial e as políticas educacionais. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1998.

CORIAT, B. Novas tendências do mercado de trabalho. Revista do Serviço Público, Brasília, n. 3, p. 5-27, jul./set.1998.

FREITAS, H. C. L. de. Certificação docente e formação do educador: regulação e desprofissionalização. Educação e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 85, p. 1095-1124, 2003.

FRIGOTTO, G. Educação e a crise do capitalismo real. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

FUNDAÇÃO ITAÚ SOCIAL. Guia de tutoria pedagógica (2010). Disponível em: http://www.fundacaoitausocial.org.br.html. Acesso em: 29 abr. 2016.

GENTILI, P. A falsificação do consenso: simulacro e imposição na reforma educacional do neoliberalismo. Petrópolis: Vozes, 1998.

HADDAD, S. (Org.). Banco Mundial, OMC e FMI: o impacto nas políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 2008.

KRAWCZYK, Nora. A construção social das políticas educacionais no Brasil e na América Latina. In: BROOKE, Nigel (Org.). Marcos históricos na formação da educação. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012. p. 347-349.

KUENZER, A. Z. (Org.) Ensino médio: Construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

MANAUS. Convênio nº 12/2015, celebrado em 30/09/2015, participes: O Município de Manaus através da Secretaria Municipal de Educação – SEMED e a Fundação Itaú Social. Diário Oficial do Município de Manaus. Manaus, AM, Ano XVII, Edição 3811, p. 18 jan. 2016.

______. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (SEMED). Termo de Convênio nº 12/2015, de 30 de setembro de 2015. Plano de Trabalho. Manaus, 2015.

MANCEBO, D.; MAUÉS, O. CHAVES, V. L. J. Crise e reforma do Estado e da Universidade Brasileira: implicações para o trabalho docente. Educar, Curitiba, n. 28, p. 37-53, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602006000200004. Acesso em: 20 jul. 2016.

MELLO, G. N. de. Formação inicial de professores para a educação básica: uma (re) visão radical. São Paulo em Perspectiva, v.14, n. 1, p. 98-110, 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-88392000000100012&script=sci_abstract. Acesso em: 20 jul. 2016.

MOTTA, V.C.; FRIGOTTO, G. Por que a urgência da reforma do Ensino Médio? Medida Provisória Nº 746/2016 (LEI Nº 13.415/2017). Disponível em: Educação e Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p.355-372, abr./jun. 2017. https://www.scielo.br/pdf/es/v38n139/1678-4626-es-38-139-00355. Acesso em: 20 jul. 2016.

OLIVEIRA, A. S. de; BUENO, B. O. Formação às avessas: problematizando a simetria invertida na educação continuada de professores. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 4, p. 875-890, 2013.

OLIVEIRA, A. S. de. A competência como o eixo da educação básica, da formação docente e do mundo do trabalho na sociedade do conhecimento: algumas reflexões. In: SOUZA. D. T. R. de; SARTI, F. M. Mercado de formação docente: constituição, funcionamento e dispositivos. Belo Horizonte: Fino Traço, 2014.

PEREIRA, L. L. (Des) emprego no polo industrial de Manaus – setor eletroeletrônico: o trabalhador e a qualificação frente às exigências do capital. 2013. 136 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Mestrado em Educação - Educação e Políticas Públicas, Faculdade de Educação. Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2013. Disponível em: https://tede.ufam.edu.br/handle/tede/6134. Acesso em: 15 jun. 2018.

PERONI, V. M. V. Política educacional e o papel do Estado no Brasil dos anos 1990. São Paulo: Xamã, 2003.

RAMOS, M. N. A Pedagogia das Competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2002.

RAVITCH, D. Vida e morte do grande sistema escolar americano: como testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Porto Alegre: Sulina, 2011.

ROPÉ, F.; TANGUY, L. Saberes e competências: O uso de tais noções na escola e na empresa. 3. ed. Campinas, SP: Papirus, 2002.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M. de; EVANGELISTA, O. Política educacional. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

SILVA, C. C. Banco Mundial em foco: sua atuação na educação brasileira e na dos países que integram a Iniciativa Via Rápida na América Latina. In: HADDAD, S. (Org.). Banco Mundial, OMC e FMI: o impacto nas políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 2008.

SILVA, M. A. da. Intervenção e consentimento: a política educacional do Banco Mundial. Campinas: Autores Associados: São Paulo: FAPESP, 2002.

TANGUY, L. Competências e integração social na empresa. In. Saberes e competências: O uso de tais noções na escola e na empresa. ROPÉ, F.; TANGUY, L. 3. ed. Campinas, SP: Papirus, 2002.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

ARANHA, Rudervania da Silva Lima; OLIVEIRA, Selma Suely Baçal de; PEREIRA, Luciana de Lima. A materialização do Programa Tutoria Educacional na educação pública municipal de Manaus/AM. Debates em Educação, [S. l.], v. 13, n. 32, p. 23–40, 2021. DOI: 10.28998/2175-6600.2021v13n32p23-40. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/10410. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.