A implantação do programa de educação permanente em saúde: uma contribuição para o fortalecimento do SUS

Kelly Gomes Messias Andrade, Elaine Antunes Cortez, Audrey Vidal Pereira, Jessika Afonso Castro

Resumo


A Educação Permanente em Saúde (EPS) permite a reflexão do processo de trabalho, atuando como uma importante estratégia de transformação da realidade laboral. Com intuito de fortalecer o trabalho em rede do SUS, essa pesquisa tem como objetivo relatar a experiência de implantação do Programa de Educação Permanente em Saúde no município de Itaperuna/RJ, que visa contribuir para a reorganização do sistema de regulação de consultas especializadas neste município. Percorreu-se quatro etapas para a implementação do programa. Emergiu-se em duas reflexões: Educação Permanente em Saúde: uma estratégia necessária à gestão e Fatores positivos e negativos detectados na implantação do Programa de Educação Permanente em Saúde. Percebe-se que através da implantação do programa houve o fortalecimento do comprometimento coletivo, com mudança de atitude dos profissionais, favorecendo uma postura humilde, responsável, comprometida, crítica, reflexiva, proativa de todos, com avanço no Sistema Único de Saúde local.


Palavras-chave


Educação permanente. Administração dos serviços de saúde. Encaminhamento e consulta

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, Karina Barros Calife; GONÇALVES, Otília Simões Janeiro. Formação dos profissionais de saúde para o SUS: significado e cuidado. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 20, n. 4, p. 884-899, jan. 2011. ISSN 1984-0470. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/sausoc/article/view/29725. Acesso em: 20 out. 2018.

BERBEL, Neusi Aparecida Navas. Metodologia da Problematização no Ensino Superior e sua contribuição para o plano da praxis. Semina: v.17, n. esp., p.7-17, 1996.

BERTUSSI, D. Caminhos para a educação permanente. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cartilha ABC do SUS: Doutrinas e Princípios, 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Curso de formação de facilitadores de educação permanente em práticas de saúde: unidade de aprendizagem – análise do contexto da gestão e das práticas de saúde. Ministério da Saúde. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde/FIOCRZ; 2005.

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Legislação estruturante do SUS. Brasília, DF, 2007a. (Coleção Progestores - Para entender a Gestão do SUS, 12).

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Sistema Único de Saúde. Brasília, DF, 2007c. (Coleção Progestores - Para entender a Gestão do SUS, 1).

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Brasília. 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Subsecretaria de Assuntos Administrativos. SUS: a saúde do Brasil / Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Subsecretaria de Assuntos Administrativos. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2011. 36 p.: il. color. – (Série F. Comunicação e Educação em Saúde)

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea: queixas mais comuns na Atenção Básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 290 p. : il. – (Cadernos de Atenção Básica n. 28, Volume II).

BRASILIA. Ministério da Saúde. Educação Permanente em Saúde. Reconhecer a produção local de cotidianos de saúde e ativar práticas colaborativas de aprendizagem e de entrelaçamento de saberes. Maio – SGTES – OS 0314/2014 – Editora MS. Brasília, DF. 2014.

BRASÍLIA. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Agenda de Prioridades de Pesquisa do Ministério da Saúde - APPMS [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Ciência e Tecnologia. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

BORDENAVE, Juan Diáz; PEREIRA, Adair Martins. Estratégias de ensino-aprendizagem. 25a ed. Rio de Janeiro: Vozes; 2004.

CAMPOS, Kátia Ferreira Costa; SENA, Roseni Rosângela de; SILVA, Kênia Lara. Educação permanente nos serviços de saúde. Esc Anna Nery [Internet]. 2017 [cited 2017 Nov 20];21(4):1-10. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v21n4/pt_141 4-8145-ean-2177-9465-EAN-2016-0317.pdf. Acesso em 10 de jul. de 2018.

CECCIM Ricardo Burg; FEUERWERKER, Laura CM 2004. O quadrilátero da formação para a área da saúde : ensino, gestão, a tenção e controle 174 Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 13, n. 1, p. 165-174, 2015 social . Physis: Rev. de Saúde Coletiva 14(1):41-65.

CECCIM, Ricardo Burg. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessá rio. Interface – Comunic, Saúde, Educ. 2005.9(16):161-168.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. 165 p.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. Editora: Paz e Terra. 2011

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Bibliografia brasileira de ciência da informação. Censo demográfico, 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil acesso em 15 de out. 2018.

MENDES, Eugênio Vilaça. As redes de atenção à saúde. Belo Horizonte: Escola de Saúde Pública; 2012.

PINTO, Luiz Felipe; SORANZ, Daniel; SCARDUA, Mariana Tomasi; SILVA, Iandara de Moura. A regulação municipal ambulatorial de serviços do Sistema Único de Saúde no Rio de Janeiro: avanços, limites e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, 22(4):1257-1267, 2017.

RICALDONI CAC, SENA RR. Permanent education: a tool to think and act in nursing work. Rev Latino Am-Enferm [Internet]. 2006.

SANTOS AM, NÓBREGA, IKS, ASSIS MMA, JESUS SR, KOCHERGIN CN, BISPO JÚNIOR JP, et al. Desafios à gestão do trabalho e educação permanente em saúde para a produção do cuidado na estratégia saúde da família. Rev APS [Internet]. 2015 jan/mar [cited 2017 Mar 20]; 18(1):39-49. Available from: https://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/ article/view/2320/857

SARRETA, FO. Educação permanente em saúde para os trabalhadores do SUS [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. 248 p. ISBN 978-85-7983-009-9. Available from SciELO Books .

NOGUEIRA, L. C. L. Gerenciando pela qualidade total na saúde. Belo Horizonte: Desenvolvimento Gerencial, 2003.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). World Health Report: 2006: Working Together for Health Geneva: WHO; 2006. Vol 19.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n26p97-108

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.