Planejamento de ensino e aprendizagem na Educação Superior: um ato dialógico de articulação entre a teoria e a prática docente

Francisco Renato Lima, Jovina da Silva

Resumo


Este estudo trata acerca do planejamento de ensino e aprendizagem na educação superior, com enfoque no ato dialógico da teoria com a prática docente. Essa temática ganha importância no contexto atual, quando novas lógicas se definem na construção de conhecimentos e na formação humana. Nesse processo, o trabalho pedagógico pressupõe um diagnóstico como etapa inicial do planejamento e sua execução, o que mostra a importância no exercício da docência e constitui um desafio aos professores na busca de ressignificar a ação docente. A investigação parte de uma abordagem qualitativa e de caráter bibliográfico, com o objetivo de analisar o processo de planejamento do ensino e da aprendizagem na educação superior no contexto da sociedade contemporânea. Apoia-se nas formulações teóricas de Anastasiou; Alves (2009), Freire (200; 2010), Gandin (2001), Gil (2012), Libâneo (1985; 1993; 2003; 2013), Luckesi (2011), Masetto (1998; 2003), Pimenta (1998), Tardif (2002), entre outros, que ampliam a compreensão da necessidade de mudança nos modos de planejar e elaborar planos de ensino e aprendizagem, em atendimento aos desafios da educação superior. Os resultados mostram que, como componente didático-pedagógico no ensino superior, o planejamento representa um mecanismo de orientação da prática docente, trazendo segurança para a operacionalização das atividades necessárias à construção de uma aprendizagem significativa, em que os sujeitos da aprendizagem – professores e alunos – constroem e reconstroem conhecimentos, a partir da identificação de suas fragilidades e do investimento nas potencialidades que nutrem o processo de ensino e aprendizagem. Em vista disso, sugere-se então, o investimento nesse recurso, como mecanismo inclusive, de demonstração de compromisso e respeito com a prática docente, contribuindo para uma educação pautada na emancipação, na criticidade e na esperança de que a educação seja um espaço de democracia e igualdade de oportunidades de direitos sociais.


Palavras-chave


Educação Superior. Planejamento. Prática Docente. Planos de ensino e aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ANASTASIOU, Léa; ALVES, Leonir P. Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 8. ed. Joinville: UNIVILLE, 2009.

ANTUNES, Celso. Como desenvolver as competências em sala de aula. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BENINCÁ, Eli. Prática Pedagógica de sala de aula: princípios e métodos de uma ação dialógica. Cadernos UPF. Passo Fundo/RS, ano 01, nº 04, Ago. 1982.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004.

CUNHA, Maria Isabel da. A docência como ação complexa: o papel da didática na formação de professores. In: ROMNOWSKI, J. P.; MARTINS, P. L. O.; JUNQUEIRA, S. R. A. (Orgs.). Conhecimento local e conhecimento universal: pesquisa, didática e ação docente. Curitiba: Champagnat, 2004. p. 31-42.

DAL MAGRO, Cristian Baú; RAUSCH, Rita Buzzi. Plano de Desenvolvimento Institucional de universidades federais brasileiras. Administração: ensino e pesquisa. Rio de Janeiro, v. 13, nº 3, p. 427–454, jul.-ago.-set., 2012. Disponível em: < https://raep.emnuvens.com.br/raep/article/view/85/167 >. Acesso em: 12 ago. 2018.

ENTWISTLE, H. La relación entre teoria y la practica. In: TIBBLE, J. W. (Org.). Introducción a la ciencia de la educación. Buenos Aires: Paidós, 1976.

FARIAS, Isabel Maria Sabino de et al. O planejamento da prática docente. In: ______. Didática e docência: aprendendo a profissão. Brasília: Liber Livro, 2011. p. 103-127.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 15. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

______. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

FREIRE, Paulo; SHOR, I. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 9. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

GANDIN, Danilo. Posição do planejamento participativo entre as ferramentas de intervenção na realidade. Currículo sem Fronteira, v.1, n. 1, jan./jun., 2001.

GAUTHIER, C.; MARTINEAU, S.; DESBIENS, J. F.; MALO, A.; SIMARD, D. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: Unijuí, 1998.

GIL, Antonio Carlos. Didática do ensino superior. São Paulo: Atlas, 2012.

LIBÂNEO, José Carlos. Democratização da escola pública: a pedagogia crítica social dos conteúdos. São Paulo: Loyola, 1985.

______. Didática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

______. O ensino de graduação na universidade: a aula universitária. Texto apresentado na XII Semana de Planejamento Acadêmico Integrado da Universidade Católica de Goiás (UCG), 2003. p. 01-13. Disponível em: < http://professor.pucgoias.edu.br/SiteDocente/admin/arquivosUpload/5146/material/UCG%20-%20ENSINO%20DE%20GRADUA%C3%87%C3%83O%20Novo.doc >. Acesso em: 12 ago. 2018.

______. Organização e gestão escolar: teoria e prática. Goiânia: Alternativa, 1993.

LIMA, Francisco Renato; SILVA, Jovina da. A universidade rumo a educação para a autonomia e superação da crise dos paradigmas modernos. In: SILVA, Jovina da; LIMA, Francisco Renato (Org.). Ensino superior: concepção, avaliação e planejamento. Teresina: FUESPI, 2016. p. 17-36.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MARQUES, Juracy C. A aula como processo: um programa de auto ensino. Porto Alegre: Globo, 1979.

MASETTO, Marcos Tarciso. Professor universitário: um profissional da educação na atividade docente. Campinas: Papirus, 1998.

______. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Sammus, 2003.

MENEGOLLA, Maximiliano; SANT’ANNA, Ilza Martins. Por que planejar? Como planejar? 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MORETTO, Vasco Pedro. Construtivismo: a construção do conhecimento em aula. São Paulo: DPA, 2004.

NÉRICI, Imídeo G. Didática do ensino superior. São Paulo: IBRASA, 1993.

PENTEADO, V. S. Planejamento: plano de curso, plano de ensino ou plano de aula, que prática é essa? Monografia (Especialização em Fundamentos da Educação) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, 2003.

PESSOA, Fernando. O infante. In: PESSOA, Fernando. Mensagem. Lisboa: Parceria António Maria Pereira, 1934, p. 51.

PIMENTA, S. G.; ANASTASIOU, L. G. C. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: saberes da docência e identidade do professor. In: FAZENDA, Ivani (Org.). Didática e interdisciplinaridade. Campinas: Papirus, 1998. p. 161-178.

ROJO, Roxane. Esferas ou campos de atividade humana? Verbete. Glossário CEALE: termos de Alfabetização, Leitura e Escrita para educadores. ISBN: 978-85-8007-079-8. Belo Horizonte, MG: FAE-CEALE/UFMG, 2014. Disponível em: < http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/esferas-ou-campos-de-atividade-humana >. Acesso em: 12 ago. 2018.

RUÉ, J. Aprender com autonomia no ensino superior. In: ARAÚJO, U. F.; SASTRE, G. Aprendizagem baseada em problemas no ensino superior. São Paulo: Summus, 2009. p. 157-176.

SACRISTÁN, J. G. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

SILVEIRA, Regina Lúcia Barros Leal da. Planejamento de ensino: peculiaridades significativas. Revista Ibero Americana de Educacion, (ISSN: 1681-5653), 2005. Disponível em: < https://rieoei.org/historico/deloslectores/1106Barros.pdf >. Acesso em: 12 ago. 2018.

STEFANELLI, Maguida Costa. Plano de unidade didática de assistência de Enfermagem a pacientes submetidos a tratamentos psiquiátricos. Rev. Esc. Enf. USP, 0(3): p. 355-367, 1976. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v10n3/0080-6234-reeusp-10-3-355.pdf >. Acesso em: 20 ago. 2018.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TORRES, Érica da Cruz. Planejamento em educação. 2005. 42 f. Monografia (Especialização em Docência do Ensino Superior) – Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro, 2005.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Projeto Político Pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas: Papirus, 1998.

ZABALZA, Miguel. O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre, Artmed, 2004.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n25p36-55

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor.

 

                

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.