A música nos anos iniciais do ensino fundamental

André Luciano Alves, Patrícia Fernanda Carmem Kebach, Israel Gonçalves Moreira

Resumo


Este artigo apresenta a música como conteúdo pertencente ao componente curricular Artes no Ensino Fundamental. Aborda, também, os processos de construção de conhecimento musical da criança e o papel da música na educação, de modo geral. Assim, tem-se como objetivo analisar como a música vem sendo trabalhada nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e contribuir para se compreender o desenvolvimento musical da criança. O artigo visa, assim, a definir o conceito de música, identificar formas de se trabalhar com a música no espaço escolar e demonstrar a importância de se trabalhar este conteúdo de forma interdisciplinar para o amplo desenvolvimento da criança. Portanto, tratou-se de uma pesquisa exploratória, de cunho qualitativo, através da qual foi realizada uma coleta de dados a partir de entrevistas realizadas com professores e com a gestão da escola investigada, a fim de se investigar o que se tem feito nas escolas para se desenvolver a expressão musical das crianças. A partir da análise de dados, conclui-se que o conteúdo musical tem sido pouco trabalhado nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e que um dos motivos dessa defasagem é a formação insuficiente dos professores unidocentes, motivo que os deixa inseguros para sensibilizarem musicalmente as crianças, e, portanto, não incluírem em suas práticas pedagógicas atividades musicais.


Palavras-chave


Desenvolvimento Musical. Educação Musical. Anos Iniciais do Ensino Fundamental.

Texto completo:

PDF

Referências


BELOCCHIO, Cláudia R. Educação musical: olhando e construindo na formação e ação de professores. Revista da ABEM, Porto Alegre, V. 6, p. 41-47, setembro de 2001.

BEYER, Esther S. W.; KEBACH, Patrícia F. C. (Org.) Pedagogia da música: experiências de apreciação musical. Porto Alegre: Mediação, 2009. 160. (Coleção Educação e Arte, 11).

BRASIL. Ministério da educação. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Vol.3, Brasília MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Lei nº 11.769, de 18 de agosto de 2008. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 159, 19 ago. 2008. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Lei nº 13.278, de 2 de maio de 2016. Altera o parágrafo 6º do artigo 26 da Lei

nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as diretrizes e bases da educação nacional, referente ao ensino da arte. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3 maios 2016. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. 2017.

BRÉSCIA, Vera Lucia Pessagno. Educação Musical: bases psicológicas e ação preventiva. São Paulo: Átomo, 2003.

BRESLER, Liora. Pesquisa qualitativa em educação musical: contextos, características e possibilidades. Revista da ABEM, Porto Alegre, V. 16, 7-16, mar. 2007.

BRITO, Teca Alencar de. Música na Educação Infantil: propostas para formação integral da criança. 2. ed. São Paulo: Petrópolis, 2003.

BRITO, Teca Alencar de. Música na Educação Infantil: propostas para a formação Integral da criança. Petrópolis: 2010.

BRITO, Teca Alencar de. Educação musical: território para a produção musical infantil. 2011. Disponível

em: http://www.tecaoficinademusica.com.br/Teca/ Tec_Bib_00.swf. Acesso em 23

nov.2018.

BIRKENSHAW, L. Music for fun, music for learning. Saint Louis: Swift Print Communications, 1994.

FIGUEIREDO, Sérgio. Os processos de aprovação da Lei 11.769/2008 e a obrigatoriedade da música na Educação Básica. In: Encontro Nacional De Didática E Práticas De Ensino, 15., 2010, Belo Horizonte. Anais: ENDIPE, 2010.

FREIRE, Vanda Bellard. Música e Sociedade: uma perspectiva histórica e uma reflexão aplicada ao ensino superior de música. Florianópolis: Associação Brasileira de Educação Musical, 2010.

GÓES, R. S. A música e suas possibilidades no desenvolvimento da criança e do aprimoramento do código linguístico. Revista do Centro de Educação a Distância - CEAD/UDESC. v.2, n. 1, 2009.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. - 6. ed. - São Paulo: Atlas, 2008.

HENTSCHKE, Liane; AZEVEDO, Maria Cristina de C. C.; ARAÚJO, Rosane C. de.

Os saberes docentes na formação do professor: Perspectivas teóricas para a

educação musical. Revista da ABEM, Porto Alegre, n.45, p. 49-58, 2006.

KEBACH, Patrícia F. C. Musicalização Coletiva de Adultos: o processo de cooperação nas produções musicais em grupo. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação, 2008, Porto Alegre, BR-RS.

KEBACH, Patrícia F. C.; DUARTE, Rosangela. Oficinas Pedagógicas Musicais:

Espaço Construtivista Privilegiado de Formação Continuada: Schème. Revista

Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genéticas, Volume I nº 2 – Jul-Dez/2008.

KEBACH, Patrícia F. C.; SANT’ANNA, Denise; PECKER, Paula C.; DUARTE, Rosangela. A expressão musical na Educação Infantil. Porto Alegre: Mediação, 2013.

LOUREIRO, Alicia Maria Almeida. O Ensino de música na escola fundamental. 4.ed.

Campinas: Papirus, 2008. Coleção Papirus Educação.

MOREIRA, A. C.; Santos, H.; Coelho, I. S. A Música Na Sala De Aula - A Música.1-

, 1998.

LÜDKE, Menga. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MANZINI, Eduardo José. Entrevista semi-estruturada: análise de objetivos e de

roteiros. Seminário internacional sobre pesquisa e estudos qualitativos, 58-59 2004.

Disponível em:http://www.sepq.org.br/Iisipeq/anais/pdf/gt3/04.pdf. Acesso em 12

set.2018.

ONGARO, Carina de Faveri, SILVA, Cristiane de Souza e RICCI, Sandra Mara. A

importância da música na aprendizagem. 2006. Disponível em:

http://www.alexandracaracol.com/Ficheiros/music.pdf. Acesso em: 10 jun.2018.

RUUD, E. Caminhos da musicoterapia. São Paulo: Summus, 1990.

SALOMÃO, H. A. S.; MARTINI, M.; JORDÃO, A. P. M. A importância do lúdico na educação infantil: Enfocando a brincadeira e as situações de ensino não direcionado. Psicologia.com. Pt – Portal dos Psicólogos, set, 2007. Disponível em www.psicologia.com.pt/artigos/textos/A0358.pdf Acesso em 13 nov. de 2018.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n26p158-175

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.