Análise de conceitos científicos presentes no anime Hataraku Saibou

Taynara Rúbia Campos, Dulce Márcia Cruz

Resumo


Os animes (animações japonesas) possuem uma riqueza de gêneros e temas abordados e são populares por sua estética característica e linguagem narrativa inovadora. Neste trabalho, abordamos o anime Hataraku Saibou, que mostra a rotina de células antropomorfizadas, cumprindo suas funções em um corpo humano, representado por uma cidade. O objetivo da pesquisa foi descrever e analisar a representação que o anime traz de conceitos científicos, desde elementos estéticos, como o cenário e o design de personagens, até os narrativos. A análise seguiu a metodologia de Penafria (2010) e foi focada, especificamente, nas hemácias, uma das personagens principais no episódio chamado “Circulação Sanguínea”. O resultado da pesquisa mostra que em Hataraku Saibou vários conceitos científicos de morfologia e fisiologia celular são representados em imagens e narrativas que rodeiam os personagens da animação, mostrando com criatividade esses processos, o que pode servir de inspiração para um ensino de ciências inovador e divertido. A análise conduz à ideia que os recursos audiovisuais, utilizados nas aulas de forma reflexiva, crítica e significativa podem ter resultados positivos, tornando-as motivadoras e proveitosas. O texto conclui com uma reflexão sobre como essa linguagem narrativa pode ser pensada por professores de ciências para enriquecer o processo de ensino e aprendizagem na cultura digital.


Palavras-chave


Animação japonesa; Circulação Sanguínea; Ensino de ciências; Recurso paradidático

Texto completo:

PDF

Referências


BÉVORT, E.; BELLONI, M. L. Mídia-educação: Conceitos, história e perspectivas. Educação Social, vol. 30, nº 109, p. 1081 – 1102, 2009.

CATAPAN, A. H. Pedagogia e tecnologia: A comunicação digital no processo pedagógico. Educação Porto Alegre, PUCRGS, vol. 26, nº 50, p. 141 – 153, 2003.

CASTOLDI, R.; POLINARSKI, C. A. A utilização de recursos didático-pedagógicos na motivação da aprendizagem. I Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia, p. 684 - 692, 2009.

COMENIUS, J. A. Didática Magna. 2001. Digitalização do Original de 1621 – 1657. Introdução, tradução e notas de Gomes, J. F., Fundação Calouste Gulbenkian, 179 p.

CRUZ, D. M. Construção de narrativas e a criação de jogos digitais: uma proposta de novos letramentos no espaço escolar. In: Jogos Digitais em Contextos Escolares, Ramos, D. K. & Cruz, D. M. (Orgs.), 1ª edição, Curitiba: Editora CRV, p. 193 -207, 2018.

EROSCHENKO, V. P. diFiore’s Atlas of Histology with functional correlations, 11th Edition, 2011. Estados Unidos: Lippincott Williams & Wilkins, 552 p.

FANTIN, M. Audiovisual na escola: abordagens e possibilidades. In: Escritos de alfabetização audiovisual. Orgs: Barbosa, M. C. S. & Santos, M. A., Porto Alegre: Libreros, 2014.

FONTANELLA, G. S. Animação na Educação: O entre-entendimento na teia da produção do sentido e sua mediação na educação. Actac do III SOPCOM, VI LUSOCOM e II IBÉRICO, vol. 4, p. 343 – 351, 2004.

GLADDEN, J. Animania: Inside the world of Japanese Animation and Comic Art.Art Education, vol. 367, nº 1, 1997.

GRAVETT, Paul. Mangá: Como o Japão reinventou os quadrinhos. Conrad Editora do Brasil, São Paulo, 2006.

GUSMAN, S. Mangás: hoje, o único formador de leitores do mercado brasileiro de quadrinhos. In: Luyten, S. B. (Org.). Cultura Pop Japonesa. Hedra, São Paulo, 2005.

HATARAKU SAIBOU [Anime]. Direção: Senichi Suzuki. Japão: Estúdio David Production, 2018. Adaptação do mangá criado por Akane Shimizu, lançado em 2015.

HATARAKU SAIBOU, Akane Shimizu (autora), Tóquio: Shounen Sirius, nº 1, 2015.

KNAUL, A. P.;RIBEIRO, S. P.; SCHNELL, R. F.; RAMOS, D. K. Jogos digitais educativos em contextos escolares: características e contribuições. In: Jogos Digitais em Contextos Escolares, Ramos, D. K. & Cruz, D. M. (Orgs.), 1ª edição, Curitiba: Editora CRV, p. 193 -207, 2018.

LISINGEN, V. L. Mangás e sua utilização pedagógica no ensino de ciências sob a perspectiva CTS.Ciência& Ensino, vol. 1, 2007.

LODISH, H.; BERK, A.; MATSUDAIRA, P.; KAISER, C. A.; KRIEGER, M.; SCOTT, M. P.; ZIPURSKY, L.; DARNELL, J. Molecular Cell Biology, 5th Edition, 2003. 961 p.

LUYTEN, S. M. B. Mangá produzido no Brasil: Pioneirismo, experimentação e produção. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares daComunicação. XXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Belo Horizonte, 2003.

LUZ, F. Mangá Hataraku Saibou, que retrata o que acontece dentro do corpo humano, ganha vídeo comercial. Disponível em: https://www.crunchyroll.com/pt-br/anime-news/2017/07/02/mang-hataraku-saibou-que-retrata-o-que-acontece-dentro-do-corpo-humano-ganha-vdeo-comercial . Acesso em: 20 de fevereiro de 2019.

MOLINÉ, A. O grande livro dos mangás. Editora JBC, São Paulo, 2006.

MÓRAN, J. M. O vídeo na sala de aula. Comunicação e Educação, vol. 2, p. 27 a 35, 1995.

MORENO, A. C. Biólogo e quadrinista transformam artigo científico sobre o ciclo de vida dos insetos em história em quadrinhos. G1 – Ciência e Saúde, 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2019/02/20/biologo-e-quadrinista-transformam-artigo-cientifico-sobre-o-ciclo-de-vida-dos-insetos-em-historia-em-quadrinhos.ghtml . Acesso em 20 de março de 2019.

NAGADO, A. O mangá no contexto da cultura pop japonesa universal. In: Luyten, S. B. (Orgs.). Cultura Pop Japonesa. Hedra, São Paulo, 2005.

NICOLA, J. A.; PANIZ, C. M. A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no ensino de ciências e biologia. In: For, Inovação e Informação - Revista do Núcleo de Educação a Distância da Unesp, São Paulo, vol. 2, nº 1, p. 355 - 381, 2016.

OLIVEIRA, B. J. Cinema e o imaginário científico. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, vol. 13, p. 133-150, 2006.

PENAFRIA, M. Análise de filmes – conceitos e metodologia(s). VI Congresso SOPCOM, p. 2 – 10, 2010.

PIASSI, L. P.; PIETROCOLA, M. Ficção científica e ensino de ciências: para além do método de ‘encontrar erros em filmes’. Educação e pesquisa, São Paulo, vol. 35, nº 3, p. 525 – 540, 2009.

RODRIGUES, J. L. M.; ROCHA, C. B. R. Mangá e animê: um recurso para a aprendizagem do ensino de ciências. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, vol. 14, nº 8, p. 65-85, 2018.

RONCA, A. C. C.; ESCOBAR, V. F. Técnicas Pedagógicas: Domesticação ou desafio à participação?, 3ª edição, Petrópolis: Editora Vorazes, 1984.

SATO, C. A. A cultura popular japonesa: anime. In: Luyten, S. B. (Org.). Cultura Pop Japonesa. Hedra, São Paulo, 2005.

SANTOS, J. C. F. Aprendizagem significativa: modalidades de aprendizagem e o papel do professor.2008, Porto Alegre: Mediação, 93 p.

SCANLON, V. C.; SANDERS, T. Essentials of Anatomy and Physiology. 5th Edition, 2007. Estados Unidos: F.A. Davis Company, 622p.

SECCO, M.; TEIXEIRA, R. R. P. As leis da física e dos desenhos animados na educação científica. Sinergia – Revista do Centro Federal de Educação e Tecnologia de São Paulo, vol. 9, nº 2, 2008.

SAINT SEIYA [Anime]. Direção: Yasuhito Kikuchi. Japão: Estúdio Toei Animation, 1986. Adaptação do mangá criado por Masami Kurumada, lançado em 1985.

SAMURAI KID. Nome original: Shounen Ninja Kaze no Fujimaru [Anime]. Direção: Sanpei Shirato. Japão: Estúdio Toei Animation, 1964.

SILVA, K. G. O universo dOs Simpsons: o poder da marca entre os seus consumidores. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Comunicação Social, Publicidade e Propaganda), Faculdade Estácio de Sá, Vitória - ES, 2008.

SILVA, S. A. Os animês e o ensino de ciência. Universidade de Brasília, Mestrado profissional em ensino de Ciências, Brasília, 2011.

SILVA, M. A. S. Utilização de recursos didáticos no processo de ensino e aprendizado de Ciências Naturais em turmas de 8º e 9º anos de uma escola pública de Teresina no Piauí. In: VII Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação, Palmas, 2012.

SOUTH PARK [Desenho animado]. Criadores: Trey Parker e Matt Stone. Produção: Vernon Chatman. Estados Unidos: Produtora South Park Studios, 1997.

TANAKA, N. D. O mangá como material como material alternativo no ensino de japonês como língua estrangeira em nível de graduação. Dissertação (Mestrado em Letras), Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2007.

THE SIMPSONS [Desenho animado]. Criador: Matt Groening. Estados Unidos: Produtora Fox TelevisionAnimation, 1989.

THOMPSON, J. Manga: The Complete Version. 2012. E-book. Estados Unidos: Editora Del Rey, 594 p.

XAVIER, I. Um cinema que “educa” é o cinema que (nos) faz pensar. Entrevista com Ismail Xavier. Educação & Realidade, vol 33, nº 1, p. 13-20, 2008.

WILSEK, M. A. G; TOSIN, J. A. P. Ensinar e aprender ciências no ensino fundamental com atividades investigativas através da resolução de problemas. Estado do Paraná, vol. 3, nº 5, 2012.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p703-723

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.