Elaboração de atividades exploratório-investigativas: uma possibilidade de planejamento coletivo

Márcia Jussara Hepp Rehfeldt, Camila Bassegio Gräff, Marli Teresinha Quartieri, Ieda Maria Giongo, Sônia Elisa Marchi Gonzatti

Resumo


Este artigo tem por objetivo compartilhar a experiência do planejamento e confecção de atividades exploratório-investigativas desenvolvidas por um grupo de pesquisadores em parceria com professores dos Anos Iniciais da escola básica. Os resultados apontam que os professores participantes: a) sentiram-se envolvidos no processo e participaram ativamente, sugerindo e auxiliando na confecção do material; b) perceberam a importância do material manipulável e contribuíram fornecendo materiais alternativos para as práticas; c) instigaram seus discentes, no momento da exploração das atividades, seguindo os passos da Investigação Matemática. A partir dos resultados, pode-se inferir que o planejamento “com” a escola foi relevante para a obtenção de resultados satisfatórios no estudo desenvolvido.


Palavras-chave


Planejamento conjunto. Anos Iniciais. Atividades exploratório-investigativas.

Texto completo:

PDF

Referências


BISHOP, A; GOFFREE, F. Classroom organization and dynamics. In CHRISTIANSEN, B; HOWSON, A.G; OTTE, M. (Eds) Perspectives on mathematics education. Dordrecht: D. Reidel. 1986, p. 309-365.

BERTINI, L. F; PASSOS, C. L. B. Uso da Investigação Matemática no Processo de Ensino e Aprendizagem nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: XII Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-Graduação em Educação Matemática

EBRAPEM, 2008. Rio Claro. Educação Matemática: Possibilidades de interlocução. São Paulo, 2008.

BLANTON, M; KAPUT, J. Characterizing a classroom practice that promotes algebraic reasoning. Journal for Research in Mathematics Education, Reston, v. 36, n. 5, p. 412-443, 2005.

BRAIT, B. O processo interacional. In PRETI, D. (Org.). Análise de textos orais. São Paulo: Humanitas FFLCH/USP, 2001. p. 189-215.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC 2ª versão. Brasília, DF, 2017.

BRAUMANN, C. Divagações sobre investigação matemática e o seu papel na aprendizagem da matemática. In: PONTE, J. P.; COSTA, C.; ROSENDO, A. I.; MAIA, E.; FIEGUEIREDO, N.; DIONÍSIO, A. F. As atividades de investigação na aprendizagem da matemática e na formação de professores. Lisboa: SEM-SPCE, 2002. p. 5 – 24.

CAMPOS, I. I. F. A motivação no processo educativo: relação entre os interesses e a aprendizagem da criança. 2016. 125 f. Tese (mestrado) - Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti, Porto.

CHALUH, L. N. Formação e alteridade: pesquisa na e com a escola. 2008. 318 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

CUNHA, O. M. A.; KRASILCHIK, M. A formação continuada de professores de ciências: percepções a partir de uma experiência. Disponível em < http://23reuniao.anped.org.br/textos/0812t.PDF>. Acesso em: 01 mar, 2019.

DAHER, A. F. B. Aluno e professor: protagonistas do processo de aprendizagem. 2017. Disponível em: . Acesso em: 04 abr, 2019.

DE LA TORRE, S. Aprender com os erros: o erro como estratégia de mudança. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DOOLEY, L. M. Case Study Research and Theory Building. Advances in Developing Human Resources, v. 4, n. 3, p. 335-354, 2002.

FANIZZI, S. A importância da interação nas aulas de Matemática: da elaboração oral à construção de conhecimentos. Revista PUC, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 317-336, 2012.

FIORENTINI, D.; FERNANDES, F.; CRISTÓVÃO, E. Um estudo das potencialidades pedagógicas das investigações matemáticas no desenvolvimento do pensamento algébrico. In: SEMINÁRIO LUSO-BRASILEIRO DE INVESTIGAÇÕES MATEMÁTICAS NO CURRÍCULO E NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR, 2005, Lisboa. Anais... Lisboa: Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, 2005. Disponível em: . Acesso em: 01. nov, 2018.

GARCIA. Carlos Marcelo. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 2005.

GERHARDT, T. E; SILVEIRA, D. T. (organizadoras). Métodos de Pesquisa. 1ª Ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

HANKE, T. A. F. Padrões de regularidades: Uma abordagem no desenvolvimento do pensamento algébrico. 2008. 212 f. Tese (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) – Pontífica Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

KAPUT, J; BLANTON, M; MORENO, L. Algebra from a symbolization point of view. In J. Kaput, D. Carraher, & M. Blanton (Eds.), Algebra in the Early Grades. New York: Lawrence Erlbaum Associates, 2008, p. 133-160.

LIBÂNEO, J. C. Organização e Gestão da Escola: Teoria e Prática. Goiânia, Editora Alternativa, 2004.

LIMA, M. E. C. C; MAUÉS, E. Uma releitura do papel da professora das séries iniciais no desenvolvimento e aprendizagem de ciências das crianças. Ensaio, Belo Horizonte, v.8, n. 2, p. 184-198, 2006.

LUNA, A. V. A.; SOUZA, C. C. C. F. Discussões sobre o ensino de álgebra nos anos iniciais do ensino fundamental. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 15, número especial, p. 817-835, 2013.

NCTM. Princípios e normas para a matemática escolar. Lisboa: APM, 2007.

PONTE, J. P. Números e Álgebra no currículo escolar. In I. VALE, T; PIMENTEL, A; BARBOSA, L; FONSECA, L; SANTOS & A. P. CANAVARRO (Orgs.), Números e Álgebra na Aprendizagem da Matemática e na Formação de Professores. Porto: SEM/SPCE, 2006, p. 5-27.

PONTE, J. P; OLIVEIRA, H; BRUNHEIRA, L; VARANDAS, J.M; FERREIRA, C. O trabalho do professor numa aula de investigação matemática. Quadrante, São Paulo, v. 07, n. 2, p. 41-70, 1998.

PONTE, J. P., OLIVEIRA, H., CUNHA, H., & SEGURADO, I. Histórias de investigações matemáticas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1998. Disponível em: . Acesso em: 01. nov, 2018.

PONTE, J. P.; BROCADO, J.; OLIVEIRA, H. Investigações matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2003.

RODRIGUES, P. M. L; LIMA, W. S. R; VIANA, M. A. P. A importância da formação continuada de professores da escola básica: a arte de ensinar e fazer cotidiano. Saberes Docentes em Ação, Maceió, v. 03, n. 01, p. 28-47, 2017.

RODRIGUES, A; MAGALHÃES, S. C. A resolução de problemas nas aulas de Matemática: diagnosticando a prática pedagógica. Revista Acadêmica Feol, Minas Gerais, v. 1, n. 1, p. 1-16, 2012.

SANTOS, J. C. F. O papel do professor na promoção da aprendizagem significativa. 2005. Disponível em: < http://juliofurtado.com.br/papeldoprof.pdf> Acesso em: 01 mar, 2019.

SCARTON, C. R. Reflexão Sobre as Competências e Habilidades que Surgem no Contexto Educacional na Perspectiva do Ensino de Matemática. 2012. Disponível em: . Acesso em: 04 abr, 2019.

SCHIFFL, D. Um estudo sobre a calculadora no ensino de Matemática. 2006. 134 f. Tese (mestrado) – Centro Universitário Franciscano, UNIFRA, Santa Maria.

SCHLICKMANN, L; SCHMITZ, L. L. Da escola tradicional à escola contemporânea: algumas considerações sobre a constituição do espaço escolar. In: 6° Seminário de Iniciação Científica do Curso de Pedagogia (SEMIC), 2015, Santa Catarina. Disponível em: . Acesso em: 04 abr, 2019.

SCHWANTES, V.; SCHWANTES, E.B.F. Uma reflexão sobre o desenvolvimento do pensamento algébrico discente no Ensino Fundamental. Varia Scientia, Unioeste, v. 04, n. 07, p. 77-87, 2004.

SELLES, S. E. Formação contínua e desenvolvimento profissional de professores de ciências: anotações de um projeto. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, v. 02, n. 2, p. 1-15, 2002.

SILVA, G. B. O papel da motivação para a aprendizagem escolar. 2014. 41 f. Tese (monografia – especialização) – Universidade Estadual de Paraíba, João Pessoa.

SILVA, J. F.; ALMEIDA, L. A. A. Política Permanente de Formação continuada de Professores: entraves e possibilidades. In: FERREIRA, A. T. B. e SILVA CRUZ, S. P. (org.). Formação Continuada de Professores: reflexões sobre a prática. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2010, p. 11-33.

SOUZA, J; TANJI, J; MACHADO, B. A influência da dinâmica de grupo no ambiente escolar do ensino fundamental. In: VII Encontro Internacional de Produção Científica, 2011, Paraná. Anais... Maringá, 2011.

TOZETTO, S. S. Docência e formação continuada. In: XIII Congresso Nacional de Educação, 2017, Paraná. Anais... Paraná: Pontífica Universidade Católica do Paraná, 2017. Disponível em:

>. Acesso em: 10, nov, 2018.

VALE, I; PALHARES, P; CABRITA, I; BORRALHO, A. Os padrões no Ensino e aprendizagens da Álgebra. In: VALE, I; PIMENTEL, A; BARBOSA, L; FONSECA, L; SANTOS; CANAVARRO, P (Orgs). Números e Álgebra, p. 193-211. Lisboa: SEM-SPCE, 2008.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2019v11n25p202-221

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.