Jogos educativos para o ensino de Química: adultos podem aprender jogando?

Ana Flávia Souza Miranda, Márlon Herbert Flora Barbosa Soares

Resumo


O uso de jogos no ensino de química é uma alternativa que cresce a cada ano como uma alternativa em sala de aula para despertar o interesse dos alunos, melhorando sua aprendizagem e também a relação com o professor. Este trabalho objetiva a aplicação e análise de dois jogos didáticos em salas de aula de educação de jovens e adultos, na região metropolitana de Goiânia, avaliando sua possível eficácia em adultos, considerando-se que há resultados promissores em crianças e adolescentes. Os resultados mostram um aumento no interesse, dificuldades nas regras e competição desmedida caracterizada pela corrupção do lúdico. A análise mostra que o adulto também se diverte com um jogo didático e os conceitos científicos discutidos são expressos durante o jogo, possibilitando avaliação pelo professor.


Palavras-chave


jogo didático; ensino de química; conceitos químicos

Texto completo:

PDF

Referências


BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K.. Investigação qualitativa em educação: introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 2006.

BROUGERE, G. Lúdico e educação: novas perspectivas. Linhas Críticas. Brasília, Vol. 8, n. 14, p. 5-20, 2002.

BUDEL, G. J.. Ensino de Química Para a Educação de Jovens e Adultos Buscando uma Abordagem Ciência, Tecnologia e Sociedade. 2016. Dissertação (Mestrado). Curitiba: Mestrado, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, 2016.

CAILLOIS, R.. O Jogo e os Homens. São Paulo: Vozes, 2017.

CAMARGO, L. S.. O jogo na vida adulta: possíveis relações entre a Epistemologia Genética e os processos motivacionais. Revista Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genéticas. Vol. 7, n. 2, p. 135-147, 2015.

CHATEAU, J. O Jogo e a Criança. São Paulo: Summus Editora, 1984.

CLEOPHAS, M. G., CAVALCANTI, E. L. D., SOARES, M. H. F. B..Afinal de Contas, é Jogo Didático, Educativo ou Pedagógico? Colocando os Pingos nos is. In: CLEOPHAS, M. G.; SOARES, M. H. F. B. Didatização Lúdica no Ensino de Ciências/Química: teorias de aprendizagem e outras interfaces. São Paulo: Livraria da Física Editorial, 2018.

FELÍCIO, C. M. Do compromisso a Responsabilidade Lúdica: Ludismo em Ensino de Química na Formação Básica. 2011, 196 p. Tese (Doutorado). Goiânia: Universidade Federal de Goiás. 2011.

FELÍCIO, C. M., SOARES, M. H. F. B.. Da intencionalidade à Responsabilidade Lúdica: novos termos para uma reflexão sobre o uso de jogos no ensino de química. Química Nova na Escola, Vol. 40, n. 3, p. 160-168, 2018.

FOCETOLA, P. B. M., CASTRO, P. J., SOUZA, A. C. J., GUERRA, A. C. O., SILVA, J. F. M.. Os Jogos Educacionais de Cartas como Estratégia de Ensino em Química. Química Nova na Escola, vol. 34, n. 4, p. 248-255, 2012.

GUIMARÃES, O. M.. Cadernos Pedagógicos do Prodocência: Atividades Lúdicas no Ensino de Química e a Formação de Professores. Curitiba: Editora UFPR, 2006.

KISHIMOTO. T. M.. O Jogo e a Educação Infantil. In: KISHIMOTO, T. M. Jogo, Brinquedo, Brincadeira e a Educação. (4ª. Ed.). São Paulo, Cortez Editora, 1996.

MIRANDA, S.. No Fascínio do jogo, a alegria de aprender. Ciência Hoje, Vol. 28, 2001, p. 64-66, 2001.

MIRANDA, A. F. S. Jogos Pedagógicos no Processo de Ensino e Aprendizagem em Química na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. 2005. Dissertação (Mestrado), Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2005.

PIAGET, J. Relações entre a Afetividade e a Inteligência no Desenvolvimento Mental da Criança. São Paulo: EditoraWak, 2014.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p649-666

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.