A família existente no imaginário de adolescentes contemporâneos

vivências e convivências complexas na instituição escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14n36p13-20

Palavras-chave:

família, escola, imaginário, adolescente, epistemologia da complexidade, fenomenografia

Resumo

Este artigo busca identificar, descrever, interpretar, compreender e documentar as configurações de família existentes no imaginário de adolescentes contemporâneos a partir de entrevistas com alunos matriculados no ensino médio de instituições escolares localizadas no estado do Rio de Janeiro, integrantes da tese de doutorado “A família existente no imaginário de adolescentes contemporâneos: vivências e convivências complexas na instituição escolar”. Pesquisa esta de natureza qualitativa descritiva tendo como base a Epistemologia da Complexidade proposta por Edgar Morin buscando responder à indagação: quais as diferentes configurações familiares existentes no imaginário de adolescentes matriculados no ensino médio, percebidas e identificadas na prática cotidiana da instituição escolar? Fenomenografia é a estratégia de pesquisa utilizada para o mapeamento e tratamento dos dados adquiridos nos relatos adolescentes que mostram a família matrimonial como prioridade da instituição escolar com a expectativa de encontrá-la nos encontros que estabelece em seu cotidiano, não demonstrando, em sua lide, acreditar na existência de uma família diferente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jardinete Tavares, Universidade Metodista de São Paulo

Doutora em Educação pela Universidade Metodista de São Paulo. Psicóloga – Abordagem Gestáltica. Pesquisadora do GEPEC – Grupo de Estudos e Pesquisas em Complexidade/CNPq, da UMESP.

Orcid: https://orcid.org/0000-0002-9689-3944.

E-mail: jardinetett@gmail.com

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em 12 nov. 2019.

DURKHEIM, E. L’Évolution pédagogique en France. Paris: PUF, 1890.

FREIRE, P. A pedagogia do oprimido. 9. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

GROPPO, L. A. Juventude: ensaios sobre sociologia e história. Rio de Janeiro: Difel, 2000, p. 7-27.

HARVEY, D. O neoliberalismo: história e implicações. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2014.

LAVAL, C. A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

LEMGRUBER, M. S. Por que ler Montaigne? Educação em foco, Juiz de Fora, v. 17, n. 2, p. 169-187, jul./out. 2012.

LENINE, V. I. Karl Marx: breve esboço biográfico seguido de uma exposição do marxismo (2021). Disponível em: <http://www2.uefs.br/filosofia-bv/pdfs/lenin_07.pdf>. Acesso em 24 jun. 2021.

MAFFESOLI, M. O imaginário é uma realidade. Revista Famecos. Porto Alegre: EDIPUCRS, n. 15, p. 75-76, 2001.

MARTON, F.; FAI, P. M. Two faces of variation. Paper presented at 8th. European Conference for Learning and Instrution August 24-28. Goteborg Universit, Goteborg, Sweden, 1999. Disponível em: . Acesso em 21 jan. 2019.

MAYER, G. Friedrich Engels: uma biografia. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2020.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

MORIN, E. A noção de sujeito. In: SCHNITMAN, D. F. (Org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Tradução Jussara H. Rodrigues. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996a.

MORIN, E. Ciência com consciência. Tradução Maria D. Alexandre e Maria Alice Sampaio Dória. 13. ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 2010.

MORIN, E. Complexidade e transdisciplinaridade: a reforma da universidade e do ensino fundamental. Tradução Edgar de Assis Carvalho. Natal: EDUFRN, 1999.

MORIN, E. Ética e imaginário. In: PENA-VEGA, A; ALMEIDA, C. R. S.; PETRAGLIA, I. C. (Orgs.). Edgar Morin: ética, cultura e educação. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2010, p. 89-103.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Tradução Eliane Lisboa. 4. ed. Porto Alegre: Sulina, 2011.

MORIN, E. O método 1: a natureza da natureza. Tradução Ilana Heineberg. Porto Alegre: Sulina, 2016.

MORIN, E. O método 3: o conhecimento do conhecimento. Tradução Juremir Machado da Silva. 5. ed. Porto Alegre: Sulina, 2015.

MORIN, E. O método 5: a humanidade da humanidade. Tradução Juremir Machado da Silva. 5. ed. Porto Alegre: Sulina, 2012.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. 8. ed. São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, 2003.

MORIN, E. Para sair do século XX. Tradução Vera Azambuja Harvey. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

MORIN, E. Política de civilização e problema mundial. Revista Famecos, Porto Alegre, n. 5, Semestral, p. 7-13, nov. 1996b.

MORIN, E.; CIURANA, R.; MOTTA, R. D. Educar na era planetária: o pensamento complexo como método de aprendizagem no erro e na incerteza humana. Tradução Sandra Trabucco Valenzuela. São Paulo: Cortez, 2003.

PETRAGLIA, I. C. Pensamento complexo e educação. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2013.

Downloads

Publicado

2022-12-23

Como Citar

TAVARES, Jardinete; PETRAGLIA, Izabel Cristina. A família existente no imaginário de adolescentes contemporâneos: vivências e convivências complexas na instituição escolar. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. 36, p. 13–20, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14n36p13-20. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/14108. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Complexidade, Tessituras Educacionais e Poética Transdisciplinar

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.