Os pilares do pensamento ecossistêmico e inclusão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14n36p149-167

Palavras-chave:

Inclusão, Pensamento ecossistêmico, Educação inclusiva

Resumo

Estamos vivenciando um período de transformação social e de lutas por uma educação que considere todas as nuances do fenômeno educativo dentro e fora da escola. Considerando as emergências atuais, é preciso repensar novas formas de incluir e educar, pois as maneiras atuais não são suficientes. Deste modo, o texto em tela trata-se de reflexões teóricas acerca da inclusão e dos pilares do pensamento ecossistêmico. Para tanto, em um texto teórico-reflexivo, realizou-se um resgate histórico sobre as bases do pensamento ecossistêmico, inclusão, sociedade. Intencionamos contextualizar e promover o despertar de consciência acerca  da educação das pessoas com deficiência em um contexto educacional emergente e novos modos de olhar a educação e sociedade. Diante de tal cenário, percebemos que, a grande responsabilidade de colocar em prática os princípios inclusivos, não cabe exclusivamente aos professores. Inclusão requer o envolvimento de toda equipe de profissionais da escola, da sociedade e do Estado. Igualmente, provendo a atuação de profissionais especializados, gestão participativa e propositiva e o envolvimento de toda a comunidade e, acima de tudo, mudança de consciência para compreendermos a multidimensionalidade humana e a necessidade de um olhar ecossistêmico e de inteireza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arlete Rodrigues dos Santos Santa Rosa, Universidade Federal de Alagoas

Doutoranda em Educação na Universidade Federal de Alagoas.MESTRE em Educação pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL). GRADUADA em Psicologia pela Universidade São Marcos - SP. GRADUADA em Pedagogia (UFAL) e ESPECIALISTA em Educação Inclusiva - (UFAL). GRADUADA em Letras Português/Inglês pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC) Salvador/ Bahia. DOCENTE no curso de Letras no Instituto Federal de Educação (IFAL/UAB) e da UFAL no Centro de Educação (CEDU) e PESQUISADORA do GPPAII - Grupo de Pesquisa e Práticas de Aprendizagem Integradoras e Inovadoras com experiência na área de Educação Especial com ênfase nos seguintes temas: Educação Especial/ inclusiva, Atendimento Educacional Especializado (AEE), Psicologia da aprendizagem e do Desenvolvimento; Relações Interpessoais, e Atividade docente. Professora do Ensino Fundamental da rede Estadual de Ensino de Alagoas (SEDUC).Professora do AEE Associação Pestalozzi- Maceió- AL.

Maria Dolores Fortes Alves, Universidade Federal de Alagoas

MARIA DOLORES FORTES ALVES é Professora da Universidade Federal de Alagoas com atuação na graduação e pós-graduação; coordenadora do programa de Pós-Graduação em Educação (stricto sensu) PPGE/CEDU/UFAL; Doutora em Educação: Currículo (PUC-SP, 2013) com sanduich pela Universidade de Barcelona (2012); Mestre em Educação (PUCSP, 2008); Mestre em Psicopedagogia e Pedagoga - UNISA; Especialista em Educação em Valores Humanos-Fundação Petrópolis; Especialista em Distúrbios de Aprendizagem pela Universidade de Buenos Aires- UBA; Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Formação Pedagógica de Professores, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Inclusiva, Psicopedagogia, formação de professores, Tecnologia Assistiva, Inclusão e Ecoformação, novos Paradigmas, Complexidade, Transdisciplinaridade e Pensamento Ecossistêmico; Membro da equipe de formadores da Pró-reitoria de Graduação (PROGRAD) pelo Programa de Formação Continuada de Professores (PROFORD) na área de Educação Inclusiva; Pesquisadora RIES (Rede Internacional Ecologia dos Saberes), RIEC (Rede Internacional de Escolas Criativas (RIEC- Espanha), ECOTRANSD (Ecologia dos Saberes e Transdisciplinaridade - CNPq) e ADESTE (A Adversidade Esconde um Tesouro - Universidade de Barcelona); líder do Grupo de Pesquisadora - GP-PAII (Práticas de Aprendizagem Integradoras e Inovadoras) -UFAL, certificado pelo CNPq (dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/8345567266334868); Membro titular da Comissão Permanente de Avaliação (CPA) da Universidade Federal de Alagoas (biênio 2018-2020) ; coordenadora do projeto PIBIC Mapeando e Difundindo Práticas de Aprendizagem Integradora na EaD biênio 2020 ? 2022; coordenadora no projeto Práticas de Aprendizagem Integradora e Inovadoras (2018-2020)-UFAL. Coordenadora da Rede Internacional de Escolas Criativas RIEC-UFAL. Avaliadora de projetos de fomento na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (FAPEAL). Alagoas; Membro da SOCIEDADE INTERNACIONAL DE PSICOPEDAGOGIA-ISP. Autora de mais de 20 artigos e livros.

Referências

ALVES M. D. F. Favorecendo a inclusão pelos Caminhos do Coração: complexidade e pensamento ecossistêmico e transdisciplinaridade. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2009.

ALVES, M. D. F. Práticas de Aprendizagem Integradoras e Inclusivas: autoconhecimento e motivação. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2016.

ARNT, R. M. de M. Docência transdisciplinar: em busca de novos princípios para ressignificar a prática educacional. São Paulo: São Paulo PUCSP, 2007, 266P. Tese de doutorado. Programa de pós-graduação em educação: currículo, pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo,2007.

CAPOVILLA, F. C. (Org.) Neuropsicologia e aprendizagem: uma abordagem multidisciplinar. 2 ed. São Paulo: Memnon, 2004.

D´ AMBRÓSIO U. A era da Consciência. São Paulo: Peirópolis,1997.

Disponível em . Acesso em Set.2019.

DUARTE, R. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Curitiba: Educar, nº 24, p, 213-225. Ed. UFPR, 2004.

FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. São Paulo: Papirus,1994.

JANNUZZI, G. M. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. Campinas: Autores Associados, 2004.

MANTOAN, M.T.E. Sobre diferença, deficiência e escola inclusiva: deslocamentos de

sentidos e proposições. In: Educar para transformar o mundo: inovação e diferença por uma educação de todos e para todos/ Educar para transformar el mundo: innovación y diferencia por una educación de todos y para todos. Enrico Bocciolesi; Silva Ester Orru (Orgs). Campinas, SP: Librum Editora, 2019. E-book

MATURANA, H. VARELA, F. De máquinas e seres vivos. Porto Alegre: Artes Médicas,1997.

MORAES, M. C. A aula como expressão da Convivência e Transformação.2008.

MORAES, M. C. Ecologia de saberes: Transdisciplinaridade, Complexidade e Educação. São Paulo: Prolíbera Editora: Antakarana,2008.

MORAES, M. C. Trandisciplinaridade e Ecoformação. São Paulo: Triom,2008.

MORAES, M. C.; SUANNO, J. H. O pensar Complexo na Educação: sustentabilidade, transdisciplinaridade e criatividade. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2014.

MORAES M. C. Referências Teóricas e Epistemológicas da Complexidade e da Transdisciplinaridade. In: Transdisciplinaridade e Educação Fundamentos ontológicos e epistemológicos e ensaios criativos. Juan Miguel Batalloso Navas (Org). São Paulo, SP: Paulus Editora,2015

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

MORIN, E., ROGER_C., E. & MOTTA, R. D. D. Educar na era planetária: O pensamento complexo como método de aprendizagem pelo erro e incerteza humana. São Paulo: Cortez e UNESCO, 2003.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. São Paulo: Cortez e UNESCO, 2005.

NARDI, Roberta G. Ressignificando a Educação Especial a partir da Complexidade e do Pensamento Ecossistêmico. São Paulo: São Paulo PUCSP, 2007, 266P. Tese de doutorado. Programa de pós-graduação em educação: currículo, pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo,2007.

NASCIMENTO, S. R. M. B. SZYMANSKI, M. L. S. Ensino e Concepção de Deficiência Intelectual. Journal of Research in Special Educational Needs. vol.16, n.s1, p. 453-457, 2016.

NICOLESCU, B. O manifesto da transdisciplinaridade. São Paulo: Triom, 1999.

______. Um novo tipo de conhecimento - transdisciplinaridade. In: Educação e transdisciplinaridade I. Brasília: UNESCO, 2000

______. et al. Educação e transdisciplinaridade. Brasília: UNESCO, 2000.

PIAGET. J. O julgamento moral da criança. Rio de Janeiro: Zahar,1977.

POMBO, O. Interdisciplinaridade, conceitos, problemas e perspectivas. In Revista de Educação. IV, 1 / 2: 4. p.3-11. Disponível em https://webpages.ciencias.ulisboa.pt/~ommartins/mathesis/vocabulario-interd.pdf.

SANTOS, B. S., CHAUI, M. Direitos humanos, democracia e desenvolvimento. São Paulo: Cortez, 2013.

SILVA, N. L. P, DESSEN, M. A. Deficiência Mental e família: Implicações para o desenvolvimento da criança. Psicol. Teor. E Pesq, Brasília, v. 17, n. 2, maio/ out 2019.

SOUZA, A. M. M. de; DEPRESBITERIS, L; MACHADO, O. T. M. A mediação como princípio educacional: bases teóricas das abordagens de Reuven Feuerstein. São Paulo: Editora Senac, 2012.

TORRE, S. de La et al. Decálogo sobre Transdisciplinaridade e Educação. In: MORAES, M. C. Trandisciplinaridade e Ecoformação. São Paulo: Triom,2008.

VYGOTSKY, L.S.; LURIA, A. R. Estudos sobre a história do comportamento: o macaco, o primitivo e a criança. Porto Alegre; Artes Médicas, 1996.

VYGOTSKY, L. S.A formação social da mente. São Paulo: Marins Fontes,2000.

Downloads

Publicado

2022-12-23

Como Citar

SOUZA, Rosane; RODRIGUES DOS SANTOS SANTA ROSA, Arlete; ALVES, Maria Dolores Fortes. Os pilares do pensamento ecossistêmico e inclusão. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. 36, p. 149–167, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14n36p149-167. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/14323. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Complexidade, Tessituras Educacionais e Poética Transdisciplinar

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.