Ser professora Quilombola: em busca de uma identidade “outra”

Sandro Guimarães de Salles, Halda Simões Silva

Resumo


Este artigo apresenta alguns aspectos da construção identitária de professoras quilombolas da comunidade Serrote do Gado Brabo, localizada no município de São Bento do Una, Agreste Central de Pernambuco. Em nossa reflexão, partimos da importância das experiências vividas por nossas interlocutoras, sobretudo do fato de serem docentes cujas práticas cotidianas são marcadas pela etnicidade (BARTH, 2000). Procuramos enfatizar, no presente artigo, os desafios por elas enfrentados durante sua formação escolar e acadêmica, o que reverbera na construção de uma identidade docente diferenciada. Observamos que, no contexto escolar, as diferenças expressas pelas professoras quilombolas geraram conflitos e tensões, quando da interação com outros grupos. A pesquisa apontou, a partir do conjunto das narrativas das nossas interlocutoras, que a identidade docente, no caso estudado, é tecida através das experiências de vida que constituem sua identidade étnica.


Palavras-chave


Educação escolar quilombola; Formação docente; Identidade étnica

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Manuel Correia de. Pernambuco imortal: evolução histórica e social de Pernambuco. Recife: CEPE, 1997.

APPADURAI, Arjun. O medo ao pequeno número: ensaio sobre a geografia da raiva. São Paulo: Iluminuras, Itaú Cultural, 2009.

ARROYO, Miguel. Outros sujeitos, outras pedagogias. Petrópolis: Vozes, 2014.

ARRUTI, José Maurício. Etnicidade. In: SANSONE, Livio; FURTADO, Cláudio Alves (Orgs.). Dicionário crítico das ciências sociais dos países de fala oficial portuguesa. Salvador: EDUFBA, 2014.

BARTH, Fredrik. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2000.

BARTH, Fredrik. Etnicidade e o conceito de cultura. Revista Contemporânea de Antropologia e Ciência Política. Disponível em: http://www.uff.br/antropolitica/revistasantropoliticas/revista_antropolitica_19.pdf. Acesso em: 10 de agosto de 2016.

BRASIL. Emenda constitucional nº 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 2016.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 2014.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Brasília: MEC, 2012.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora, 1992.

CINTRA, Ivete de Morais. Gado Brabo: de senhores e senzalas. Centro de Estudos de História Municipal. Recife: 1988.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica. Antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002.

DUSSEL, E. Apel, Ricoeur Rorty y la filosofía de la liberacion. (1993a). Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/otros/20111218052727/APEL.pdf. Acesso 02 de março de 2019.

ELLIS, Carolyn; ADAMS, Tony E. & BOCHNER, Arthur P. Autoethnography: an overview – in Historical Social Research. Vol. 36, n. 4, p. 273-290. 2011. Disponível em: . Acesso em 08 de agosto de 2019.

FABIAN, Johannes. O Tempo e o outro: como a antropologia estabelece seu objeto. Petrópolis: Editora Vozes, 2013.

FERREIRA, Francisco Marcelo Gomes. Serrote do Gado Brabo: Identidade, Territorialidade e Migrações em uma comunidade remanescente de quilombos. 2008. 146 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.

GEERTZ, Clifford. Obras e vidas: O antropólogo como autor. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002.

GROSFOGUEL, RAMÓN. Dilemas dos estudos étnicos norte-americanos: multiculturalismo identitário, colonização disciplinar e epistemologias descoloniais. Revista Ciência e Cultura. vol. 59, n. 2, Abr/Jun. 2007.Disponível em http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v59n2/a15v59n2.pdf. Acesso 7 de março de 2020.

HALL, Stuart. Sin Garantías: trayectorias y problemáticas em estudios culturales. Colômbia: Envión, 2014.

MELLO, José Antônio Gonsalves de. Tempo dos flamengos. Rio de Janeiro: Topbooks, 2001.

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In PIMENTA, Selma Garrido (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 2009.

POUTIGNAT, Philippe; STREIFF FENART, Jocelyne. Teorias da etnicidade: seguido de Grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

RICOEUR, Paul. O CONFLITO DAS INTERPRETAÇÕES: ensaios de hermenêutica. Porto: RES-Editora, 1988.

RIBEIRO, René. O negro em Pernambuco. In RIBEIRO, Celina Hutzler (Org.). René Ribeiro e a Antropologia dos cultos afro-brasileiros. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2014.

SAID, Edward W. Orientalismo: o oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SANTOS, Boaventura de Souza. Uma concepção multicultural de direitos humanos. Lua Nova: Revista de Cultura e Política. São Paulo. 1997, v. 39, pp.105-124. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 64451997000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em 10 de dezembro de 2019.

SALLES, Sandro Guimarães de; SALLES, Conceição Nóbrega Lima de. Etnografia do cotidiano escolar. In: (Org.) GUIMARÃES, Orquídea Maria de Souza; SILVA, Jaqueline Barbosa. Pesquisa em Educação: teorias, experiências e orientações. Série Livro-Texto. Recife: Edufpe, 2018.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In SILVA, Tomaz Tadeu. Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

THOMAS, JIM. Doing Critical Ethnography. Newbury Park: SAGE Publications. 1993.

WALSH, C. Interculturalidad crítica y educación intercultural. In. WALSH, C (Org.). Construyendo Interculturalidad crítica. La paz, Convenio Andrés Bello; Instituto Internacionalo de Integración, 2010.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In SILVA, Tomaz Tadeu. Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Vozes, 2000.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p427-445

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.