“Princípio didático”, “autonomia docente” e “matriz pedagógica” em tessitura complexa e transdisciplinar

Autores

  • Ettiene Guerios UFPR - Universidade Federal do Paraná
  • Heliza Colaço Góes Universidade Federal do Paraná (UFPR) / Instituto Federal do Paraná
  • Karine Monteiro Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.28998/2175-6600.2022v14n36p239-256

Palavras-chave:

Formação de Professores, Prática docente, Autonomia Docente, Matriz Pedagógica, Complexidade

Resumo

A questão central deste artigo é identificar de que modo a complexidade e a transdisciplinaridade emergem da tessitura entre “princípio didático”, “autonomia docente” e “matriz pedagógica” que, por sua vez, constituem-se em pilares estruturantes do fazer pedagógico, cujos fundamentos entrelaçados tecem uma malha educativa conceitual, da qual emergem indicadores para uma formação de professores complexa e transdisciplinar. O objetivo é colaborar com os indicadores emergentes para uma perspectiva formativa complexa e transdisciplinar. De natureza qualitativa, desenvolve-se em uma perspectiva complexa apoiada em extratos narrativos construídos por meio de metainterpretação de três pesquisas que dão origem aos pilares em foco. O resultado aponta que a auto-eco-recursão, a auto-reflexão recursiva e a auto-eco-construção são processos intrinsecamente dinâmicos considerados indicadores constitutivos para a formação de professores pretendida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ettiene Guerios, UFPR - Universidade Federal do Paraná

Professora Titular na Universidade Federal do Paraná. Doutorado em Educação Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Licenciatura em Matemática (UFPR). Licenciatura em Pedagogia (UFPR). Atua no Departamento de Teoria e Prática de Ensino, no Programa de Pós-Graduação em Educação (Acadêmico) e no Programa de Pós-Graduação em Educação: Teoria e Prática de Ensino (Profissional). Membro dos seguintes Grupos de Pesquisa certificados pelo CNPq: a) Cognição, Aprendizagem e Desenvolvimento Humano, b) Ensino e Aprendizagem de Ciências e Matemática e (c) Estudos e Pesquisa Pedagogia, Complexidade e Educação. Líder do grupo TESSITURA: Grupo de Estudos e Pesquisas em Complexidade, Formação de Professores e Educação Matemática.

Heliza Colaço Góes, Universidade Federal do Paraná (UFPR) / Instituto Federal do Paraná

Doutora em Educação e mestre em Educação em Ciências e em Matemática ambos na Universidade Federal do Paraná. Professora do Instituto Federal do Paraná, campus Curitiba. Possui 13 anos de experiência na educação básica e atua em pesquisas na área de Educação, Expressão Gráfica e Educação Matemática. E-mail: heliza.goes@ifpr.edu.br Vice Lider do TESSITURA: Grupo de Estudos e Pesquisa em Coplexidade, Formação de Porfessores e Educação Matemática,

Karine Monteiro, Universidade Federal do Paraná

Doutorand e Educação no Porgrama de Pós Grdauçaõ em Educação da Universidade Federal do Paraná. Porfessora na Universidade Estadual de Ponta Grossa. Membro doTessitura: Grupo de Estudo e Pesquisa em Complexidade, Formação de Porfessores e Educação Matemática

Referências

BACKES, D. S.; ZAMBERLAN, C. ; SIQUEIRA, H. C. H. de; BACKES, M. T. S.; SOUSA, F. G. M. de; LOMBA, M. de L. L. de F. Educação de qualidade na enfermagem: fenômeno complexo e multidimensional. Texto e Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 27, n. 3, p. 1-7, agosto. 2018.

FREIRE, Isabel Pimenta. MACEDO, Sheyla M. Fontenele. A investigação qualitativa em educação – aspectos epistemológicos e éticos. Revista Pesquisa Qualitativa. São Paulo (SP), v.10, n.24, 2022, p. 276-296.

GÓES, Heliza Colaço. Aproximações entre pensamento complexo e processos didáticos: tessitura pelas vozes de professores que ensinam matemática. 2021. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2021. https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/72774. Acesso em 18/10/2022.

GUÉRIOS, E. Espaços oficiais e intersticiais da formação docente: histórias de um grupo de professores na área de ciências e matemática. 2002. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002. http://repositorio.unicamp.br/Acervo/Detalhe/245250 . Acesso em 18/10/2022

Guérios. E. Prática pedagógica na perspectiva da complexidade: articulação entre educação matemática e educação para a vida. Revista Polyphonía, v. 32, n. 1, pp. 100-117. https://www.revistas.ufg.br/sv/article/view/67393 . Acesso em 18/02/2022.

LE MOIGNE, J. l. A teoria do sistema geral: teoria da modelização. Lisboa: Instituto Piaget, 1977.

MONTEIRO, K. Centros de Aprendizagem: transdisciplinaridade na Educação Bilíngue. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2017.

MORAES, MARIA Cândida; VALENTE, Jossé Armando. Como pesquisar em Educação a partir da complexidade e da transdisciplinaridade. São Paulo: Paulus, (sem ano).

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo/DF: Cortez/UNESCO, 2000.

MORIN, E. ; MOIGNE, J. L. A Inteligência da Complexidade. 2. ed. São Paulo: Fundação Peirópolis, 2000.

Downloads

Publicado

2022-12-23

Como Citar

GUERIOS, Ettiene; COLAÇO GÓES, Heliza; MONTEIRO, Karine. “Princípio didático”, “autonomia docente” e “matriz pedagógica” em tessitura complexa e transdisciplinar. Debates em Educação, [S. l.], v. 14, n. 36, p. 239–256, 2022. DOI: 10.28998/2175-6600.2022v14n36p239-256. Disponível em: https://seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/14304. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Complexidade, Tessituras Educacionais e Poética Transdisciplinar

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.