Contribuições teóricas da Teoria de Aprendizagem Significativa e do ensino por meio da resolução de problemas para qualificar o processo de ensino

Cassiano Scott Puhl, Thaísa Jacintho Müller, Isolda Gianni de Lima

Resumo


Este artigo apresenta alguns dos princípios da Teoria de Aprendizagem Significativa (TAS) e suas possíveis correlações com a Resolução de Problemas enquanto estratégia didática. O objetivo deste estudo foi identificar confluências entre a teoria e o método de ensino, a partir da análise dos pressupostos que os caracterizam. Constataram-se aspectos similares e complementares que possuem potencial para qualificar os processos de ensino e de aprendizagem: ambas as propostas são fundamentadas no protagonismo do estudante e o entendem propulsor do seu desenvolvimento cognitivo e intelectual. Além disso, o método de resolução de problemas requer do aprendiz, além de conhecimentos, habilidades e competências que são princípios da Aprendizagem Significativa. Conclui-se, portanto, que é neles que a estratégia didática conflui com a teoria: na necessidade da predisposição em aprender, na utilização de material potencialmente significativo, nos subsunçores e na interação de conhecimentos.


Palavras-chave


Aprendizagem Significativa; Resolução de problemas; Confluências

Texto completo:

PDF

Referências


ALLEVATO, N. S. G. Trabalhar através da resolução de problemas: possibilidades em dois diferentes contextos. VIDYA, Santa Maria, v. 34, n. 1, p. 209-32, 2014.

ALLEVATO, N. S. G.; ONUCHIC, L. R. Ensino-Aprendizagem-Avaliação de Matemática: por que Através da Resolução de Problemas? In: ONUCHIC, L. R. et al. (org.). Resolução de Problemas: teoria e prática. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

ALLEVATO, N. S. G.; ONUCHIC, L. R. Pesquisa em resolução de problemas: caminhos, avanços e novas perspectivas. Bolema. Rio Claro, n. 41, p. 73-98, dez. 2011.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimento: uma perspectiva cognitiva. Lisboa: Paralelo, 2003.

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D.; HANESIAN, H. Psicologia Educacional. 2. ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Educar é a base. Brasília: MEC, 2018.

BRASIL. Orientações curriculares para o ensino médio. Brasília: MEC, 2006a.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias Brasília: Ministério da Educação, 1999.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio (PNCEM): orientações complementares aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEMT, 2006b.

BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN + Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, 2002.

BROLEZZI, A. C. Criatividade e resolução de problemas. São Paulo: Livraria da Física, 2013.

CARVALHO, M. Problemas? Mas que problemas?!. Estratégias de resolução de problemas em sala de aula. Petrópolis: Vozes, 2005.

CORDEIRO, E. M. Resolução de problemas e aprendizagem significativa no ensino de Matemática. 2015. 108f. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015.

COSTA, S. S. C.; MOREIRA, M. A. A resolução de problemas como um tipo especial de aprendizagem significativa. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 18, n. 3, p. 263-276, jan. 2001.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. 4.ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

DINIZ, M. I. Resolução de problemas e comunicação. In: SMOLE, K. S.; DINIZ, M. I. Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender Matemática. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DUARTE, D. W. A. Q-memória: um jogo digital para o estudo de química. Debates em Educação, Maceió, v. 9, n. 19, p. 155-161, dez. 2017.

ECHEVERRÍA, M. D. P. P.; POZO, J. I. Aprender a resolver problemas e resolver problemas para aprender. In: POZO, J. I. (org.). Solução de problemas: aprender a resolver, resolver para aprender. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

FREITAS, J. L. M. Teoria das Situações Didáticas. In: MACHADO, S. D. A. (org.). Educação Matemática: Uma (nova) introdução. 3a ed. São Paulo: EDUC, 2008.

GONÇALVES, R. Resolução de problemas: uma proposta para a aprendizagem significativa das funções definidas por várias sentenças. 2015. 26f. Produto educacional (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática). Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, 2015.

KENSKI, V. M. Tecnologias e ensino presencial e a distância. 3. ed. Campinas, SP: Papirus, 2006.

MAURI, T. O que faz com que o aluno e a aluna aprendam os conteúdos escolares?. In: COLL, César et al. O construtivismo na sala de aula. 6. ed. São Paulo: Ática, 1999.

MELO, C. C.; OLIVEIRA, R. C. B.; SOUZA, A. N. Utilização de experimentação como aporte em atividades problematizadoras para a significação de conceitos químicos no Ensino Básico. Debates em Educação, Maceió, jul. 2019.

MORAIS, R. S.; ONUCHIC, L. R. Uma Abordagem Histórica da Resolução de Problemas. In: ONUCHIC, L. R. et al. (Org.). Resolução de Problemas: teoria e prática. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21. ed. Campinas, SP: Papirus, 2013.

MOREIRA, M. A. A teoria da Aprendizagem Significativa segundo Ausubel. IN: MASINI, E. A. F. S.; MOREIRA, M. A (Org.). Aprendizagem significativa: condições para ocorrência e lacunas que levam a comprometimentos. São Paulo: Vetor, 2008a.

MOREIRA, M. A. Aprendizaje significativo: un concepto subyacente. In: ENCUENTRO INTERNACIONAL SOBRE EL APRENDIZAJE SIGNIFICATIVO, 2., 1997, Burgos. Actas... Burgos (Espanha), 1997.

MOREIRA, M. A. O que é afinal aprendizagem significativa. In: MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Livraria de Física, 2011.

MOREIRA, M. A. Organizadores previos y aprendizaje significativo. Revista Chilena de Educación Científica, v. 7, n. 2, p. 23-30, 2008b.

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. A. F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2006.

MORETTO, V. P. Prova: um momento privilegiado de estudo, não um acerto de contas. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

ONUCHIC, L. R.; ALLEVATO, N. S. G. Novas reflexões sobre o ensino-aprendizagem de matemática. In: BICUDO, M. A. V.; BORBA, M. C. (Org.). Educação matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2004.

ONUCHIC, L. R.; ALLEVATO, N. S. G. Pesquisa em Resolução de Problemas: caminhos, avanços e novas perspectivas. Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, v. 25, n. 41, p. 73-98, dez. 2011.

PIAGET, J. A psicologia da inteligência. Petrópolis: Vozes, 2013.

PIEKARSKI, M.; RIBAS, J. L. D. Resolução de problemas em matemática: um olhar a partir da Aprendizagem Significativa de Ausubel. In: PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE, 2013. Curitiba: SEED/PR, 2016.

POLYA, G. O ensino por meio de problemas. Revista do Professor de Matemática. São Paulo, SBM, n. 7, p. 11-16, 1985.

POZO, J. I.; ANGÓN, Y. P. A solução de problemas como conteúdo procedimental da educação básica. In: POZO, J. I. et al. (Org.). A solução de problemas: aprender a resolver, resolver para aprender. Porto Alegre: Artmed, 1998.

PUHL, C. S. Números complexos: interação e aprendizagem. 2016. 244f. Dissertação (Mestrado Profissional). Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, 2016.

ROZAL, E. F.; SOUZA, E. S. R.; SANTOS, N. T. Aprendizagem em matemática, aprendizagem significativa e neurociência na educação dialogando aproximações teóricas. Revista REAMEC, Cuiabá, v. 5, n. 1, p. 143-164, jan./jun. 2017.

SANGOI, E,; ISAIA, S. M. A.; MARTINS, M. M. Aprendizagem significativa da derivada com o uso do software Maple através da metodologia da resolução de problemas. Vidya, Santa Maria, v. 31, n. 1, p. 99-110, jan./jun., 2011.

SCHASTAI, M. B.; SILVA, S. C. R.; ALMEIDA, M. F. M. Resolução de problemas – Uma perspectiva no ensino de matemática. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Ponta Grossa, v. 5, n. 3, p. 52-69, jan. 2012.

VAN DE WALLE, J. A. Matemática no ensino fundamental. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p125-140

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.