A formação do fisioterapeuta e sua intersecção com a Saúde Mental: percepções dessa realidade

Murillo Nunes de Magalhães, Mara Cristina Ribeiro

Resumo


Estudo descritivo-exploratório e documental de abordagem qualitativa, realizado com vinte e nove participantes entre docentes e discentes do curso de Fisioterapia de uma universidade pública de Alagoas e fisioterapeutas de um hospital geral de doenças infectocontagiosas, por meio de entrevistas semiestruturadas e análise da matriz curricular. Os dados coletados foram submetidos à análise de conteúdo e os resultados revelaram que a formação do discente em fisioterapia para atuar na saúde mental apresenta limitações, pois o conteúdo relacionado ao tema não é abordado de maneira estruturada no curso. Assim, o estudo demonstrou a existência de fragilidades na formação em saúde mental na graduação em Fisioterapia e sugere a necessidade de avançar a discussão sobre o tema.


Palavras-chave


Integralidade em Saúde. Saúde Mental. Fisioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4. ed. São Paulo: Edições, 2011.

BRASIL. Decreto-Lei N. 938, de 13 de Outubro de 1969. Provê sobre as profissões de fisioterapeuta e terapeuta ocupacional, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União; 1969. Disponível em:. Acesso em 12 de dezembro de 2018.

BRASIL, Transtornos mentais atingem 23 milhões de pessoas no Brasil. Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em 02 de fevereiro de 2019.

CAMPOS, G. W. S.; ONOCKO-CAMPOS, R. T.; DEL BARRIO, L. R. Políticas e práticas em saúde mental: as evidências em questão. Ciência e Saúde Coletiva, vol.18, n10, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em:. Acesso em: 10 de dezembro de 2018.

CANDIDO, M. R. et al . Conceitos e preconceitos sobre transtornos mentais: um debate necessário. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. port.), Ribeirão Preto, v. 8, n. 3, p. 110-117, dez. 2012. Disponível em:. Acesso em: 03 fevereiro de 2019.

CARDOSO, L.; GALERA S.A.F. O cuidado em saúde mental na atualidade. RevEscEnferm USP, vol.45, núm.3, São Paulo, 2011. Disponível em:. Acesso em 14 de janeiro de 2019.

COFFITO. Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. Lei N. 6.316/75. Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Fisioterapia e Terapia Ocupacional e dá outras providências. 1975. Disponível em:. Acesso em 02 de setembro de 2017.

CRISPIM, C.C. A luta antimanicomial e os desafios da desinstitucionalização dos usuários do hospital de Custódia e tratamento psiquiátrico de Santa Catarina. TCC graduação. Universidade Federal de Santa Catarina, 2017. Disponível em:. Acesso em 21 de fevereiro de 2019.

DALTRO, M.C.S.L.; GARCIA, V.V.C.G. Fisioterapia na Saúde Mental. Patos, PB: FIP, 2016.

FADEL, C. B.; BALDANI, M. H. Percepção de formandos do curso de Odontologia sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 339-354, 2013. Acesso em 16 de janeiro de 2019. Disponível em:.

FILHO, A. V. D; RODRIGUES, J.E. Ensino superior em Fisioterapia no Brasil. Fisioterapia Brasil - Volume 11 - Número 5 - setembro/outubro de 2010.

FLORÊNCIO, P.C.S. Concepções dos docentes do curso de graduação em Enfermagem sobre o processo Ensino aprendizagem nos cenários de prática, Dissertação de mestrado. Maceió, 2015.

FLORÊNCIO, P.C.S. Concepções dos docentes do curso de graduação em Enfermagem sobre o processo Ensino aprendizagem nos cenários de prática, Dissertação de mestrado. Maceió, 2015.

FREITAS, B. M. C.; KEBBE, L. M. A saúde mental na percepção de estagiários: Uma revisão de literatura. Psicol. Argum., Curitiba, v. 31, n. 74, p. 519-528, jul./set. 2013. Disponível em:. Acesso em 02 de fevereiro de 2019.

GARCIA, A. B. O estágio curricular como instrumento modificador da imagem da doença mental entre os estudantes de fisioterapia: um relato de experiência. 2008. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Saúde e Gestão do Trabalho) – Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2008.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª edição, São Paulo: Atlas, 2008.

MACIEL, R. V. et al. Teoria, prática e realidade social: uma perspectiva integrada para o ensino de fisioterapia. Fisioterapia em Movimento, Curitiba, v. 18, v. 1, p. 11-17, 2005. Disponível em:. Acesso em 16 de janeiro de 2019.

MARQUES, A.P.; SANCHES, E.L. Origem e evolução da Fisioterapia: aspectos históricos e legais. RevFisioter Univ. São Paulo,1(1):5-10jul/dez, São Paulo, 1994.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

MINAYO, M. C. S. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa, v. 5, n. 7, p. 01-12, abril. São Paulo, 2017.

MORALEIDA, F. R. J. NUNES, A.C. L.Cuidado em Saúde Mental: Perspectiva de Atuação Fisioterapêutica. RevFisioter S Fun. Fortaleza, 2013 Jan-Jun; 2(1): 3-5

OLIVEIRA, W. F.; DORNELES, P. Patrimônio e am¬biente da loucura: A formação do profissional de saúde mental e o diálogo com a vida da cidade. In P. Amarante (Org.). Archivos de saúde mental e atenção psicossocial. Vol. 2, pp. 13-43. Rio de Janeiro, 2005.

OLIVEIRA, R. F.; ANDRADE, L. O. M.; GOYA, N. Acesso e integralidade: a compreensão dos usuários de uma rede de saúde mental. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 17, n. 11, p. 3069-3078, Nov. 2012 . Disponível em: . Acesso em 10 Fev. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (2017). Atlas de Saúde Mental 2017. Genebra. Organização Mundial da Saúde. Disponível em: . Acesso em 02 de fevereiro de 2019.

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA. Núcleo docente estruturante do curso de fisioterapia. UNCISAL, 2016. Disponívelem: . Acesso em 15 de janeiro de 2019.

QUINDERÉ, P.H.D.; JORGE, M.S.B.; FRANCO, T.B. Rede de Atenção Psicossocial: qual o lugar da saúde mental? Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 24 [1]: 253-271, 2014. Disponível em:>. Acesso em 02 de fevereiro de 2019.

RIBEIRO, M. C. A saúde mental em Alagoas : trajetória da construção de um novo cuidado. Maceió: Grafipel, 2014.

RIBEIRO, M.C.; OMENA, K.V.M. Saúde Mental: da assistência psiquiátrica às novas práticas no campo da atenção psicossocial. In: DALTRO, M. C. S. L.; GARCIA, V. V. C. G. 2016. Fisioterapia na saúde mental. Patos, PB: FIP, 2016.

RODRIGUES, J.;SANTOS, S. M. A.; SPRICIGO, J. S. Ensino do cuidado de enfermagem em saúde mental através do discurso docente. Texto & Contexto Enfermagem, vol.21, nº 3(Julho - Setembro) Santa Catarina, 2012. Disponível em: . Acesso em 11 de janeiro de 2019.

SANTOS, J. E.; et al. Processos formativos da docência em saúde mental nas graduações de enfermagem e medicina. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, Porto , n. spe4, p. 85-92, out. 2016 . Disponível em . Acesso em 07 fev. 2019.

SILVA, I. D.; SILVEIRA, M. F. A. A humanização e a formação do profissional em fisioterapia. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, supl. 1, p. 1.535-1.546, 2011.

SILVA, S. B.; PEDRAO, L. J.; MIASSO, A. I. O Impacto da fisioterapia na reabilitação psicossocial de portadores de transtornos mentais. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. port.), Ribeirão Preto, v. 8, n. 1, p. 34-40, abr. 2012. Disponível em:. Acesso em 15 jan. 2019.

SILVA, E.C.; SENA, E.L.S.; PITHON, K.R.;AMORIM, C.R.; RIBEIRO, J.F. Abordagem de saúde mental na formação em fisioterapia: Concepções de Docentes da Área. Revista contexto & saúde. Editora Unijuí v. 15 n. 29 jul./dez. 2015. Disponível em:. Acesso em 26 de janeiro de 2019.

SILVA D.J.; Da Ros M.A. Inserção de profissionais de Fisioterapia na equipe de saúde da família e Sistema Único de Saúde: desafios na formação. Cienc.Saude Coletiva 2007;12(6):1673-81.

TEIXEIRA, R. R. Humanização e atenção primária à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 10(3), 585-597, 2005.

TEIXEIRA, C. B. Diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em fisioterapia: o perfil do fisioterapeuta. 2004. 145f. Curitiba. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2004.

VIEIRA, V.A.; TIBOLA, F. Pesquisa qualitativa em marketing e suas variações: trilhas para pesquisas futuras. Rev. adm. Contemp.vol.9 nº. 2 Curitiba Abr./Jun. 2005.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p266-284

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.