Exergames como forma de cuidado no âmbito da Saúde Mental: estado da arte e perspectivas futuras

Adilson Rocha Ferreira, Deise Juliana Francisco

Resumo


Este estudo apresenta o estado da arte das pesquisas com exergames na saúde mental, tendo como objetivo mapear a produção acadêmica acerca da utilização dos exergames como forma de cuidado no âmbito da saúde mental. Foram realizadas buscas por trabalhos nas bases de dados Periódicos CAPES, PubMed, Web of Science, SciELO e Biblioteca Virtual em Saúde (BVS). As buscas foram realizadas nos meses de abril e maio de 2019 e foram limitadas em trabalhos empíricos publicados em periódicos revisados por pares entre os anos de 2005 e 2019. Ao total, foram encontrados 292 trabalhos, mas, após a remoção de artigos duplicados (n=53), após a leitura do título e resumo do artigo (n=227) e leitura na íntegra dos artigos (n=6), identificamos que apenas 6 (seis) deles abordavam a utilização dos exergames como forma de cuidado na saúde mental. A partir dos resultados dos estudos, em síntese podemos constatar que os exergames podem ser utilizados como uma alternativa potencial para o cuidado em saúde mental, tendo em vista que o fator motivacional ocasiona maior adesão a programas de exercício físico baseados em jogos digitais, trazendo benefícios tanto cognitivo/psicológicos quanto físico/fisiológicos.

Palavras-chave


Saúde mental. Jogos digitais. Exergame. Aspectos cognitivos Aspectos físicos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. Game over: jogos eletrônicos e violência. São Paulo: Futura, 2005.

AMARANTE, P. Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: SciELO-Editora FIOCRUZ, 2007.

ANDERSON-HANLEY, C. et al. Autism and exergaming: effects on repetitive behaviors and cognition. Psychology research and behavior management, v. 4, p. 129-137, 2011. Disponível em: https://dx.doi.org/10.2147%2FPRBM.S24016. Acesso em: 14 abr. 2019.

BRASIL. Constituição. Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria SNAS nº 224, de 29 de janeiro de 1992: estabelece diretrizes e normas para o atendimento em saúde mental. Diário Oficial da União, 1994.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os Centros de Atenção Psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Portaria GM n° 336, de 19 de fevereiro de 2002. Define e estabelece diretrizes para o funcionamento dos Centros de Atenção Psicossocial. Diário Oficial da União, 2002.

BORG, Gunnar A. Psychophysical bases of perceived exertion. Med Sci Sports Exerc, v. 14, n. 5, p. 377-381, 1982.

CAMPOS, C. et al. Feasibility and acceptability of an exergame intervention for schizophrenia. Psychology of Sport and Exercise, v. 19, p. 50–58, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.psychsport.2015.02.005. Acesso em: 2 maio 2019.

DOBBINS, S. et al. Play provides social connection for older adults with serious mental illness: A grounded theory analysis of a 10-week exergame intervention. Aging and Mental Health, p. 1–8, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1080/13607863.2018.1544218. Acesso em: 2 maio 2019.

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 79, p. 257–272, 2002. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302002000300013. Acesso em: 30 out. 2018.

GEE, J. Good video games and good learning: collected essays on video games, learning, and literacy. New York: Peter Lang, 2014.

GEE, J. What video games have to teach us about learning and literacy. New York: Palgrave Macmillan, 2007.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 8 ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

LEUTWYLER, H.; HUBBARD, E.; DOWLING, G. Adherence to a Videogame-Based Physical Activity Program for Older Adults with Schizophrenia. Games for health: research, development, and clinical applications, v. 3, n. 4, p. 227-233, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1089/g4h.2014.0006. Acesso em: 15 abr. 2019.

LEUTWYLER, H. et al. Videogames to promote physical activity in older adults with schizophrenia. Games for health: research, development, and clinical applications, v. 1, n. 5, p. 381-383, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1089/g4h.2012.0051. Acesso em: 11 abr. 2019.

LI, J.; THENG, Y.-L.; FOO, S. Exergames for Older Adults with Subthreshold Depression: Does Higher Playfulness Lead to Better Improvement in Depression? Games for Health Journal, v. 5, n. 3, p. 175–182, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1089/g4h.2015.0100. Acesso em: 4 maio 2019.

MOITA, F. Game on: jogos eletrônicos na escola e na vida da geração @. São Paulo: Alínea, 2007.

OH, Y.; YANG, S. Defining exergames and exergaming. Proceedings of Meaningful Play, p. 1-17, 2010. Disponível em: http://meaningfulplay.msu.edu/proceedings2010/. Acesso em: 2 fev. 2019.

PAPASTERGIOU, M. Exploring the potential of computer and video games for health and physical education: a literature review. Computers & Education, v. 53, n. 3, p. 603-622, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.compedu.2009.04.001. Acesso em: 20 nov. 2018.

SOTHERN, M. Obesity prevention in children: physical activity and nutrition. Nutrition, v. 20, n. 7, p. 704-708, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.nut.2004.04.007. Acesso em: 14 out. 2018.

VAGHETTI, C.; BOTELHO, S. Ambientes virtuais de aprendizagem na educação física: uma revisão sobre a utilização de Exergames. Ciências e Cognição, v. 15, n. 1, p. 64-75, 2010. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/292. Acesso em: 13 ago. 2018.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p562-575

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.