O trato com o conteúdo Jogo no Ensino Médio: perspectivas, conteúdos, metodologias e práticas de avaliação

Renan Santos Furtado, Carlos Nazareno Ferreira Borges

Resumo


A presente pesquisa discute o trato com o conteúdo jogo no Ensino Médio a partir de estudos e de experiências realizadas na Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará. Por via da pesquisa bibliográfica, temos como objetivo: discutir as perspectivas, as metodologias, os possíveis conteúdos e as práticas de avaliação que podem direcionar o trato com o fenômeno do jogo no Ensino Médio. Apontamos que o ensino do jogo no Ensino Médio deve perpassar por três perspectivas, que são: 1 – O jogo é um fenômeno que transcende a conceituação de prática corporal. 2 - É preciso produzir estudo e compreensão sobre o jogo, superar o fazer pelo fazer. 3 - As experiências corporais devem provocar uma reflexão ampliada sobre o jogo.


Palavras-chave


Educação Física escolar. Jogo. Ensino Médio.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, G. Profanações. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007.

ALMEIDA, F. Q. GOMES, I. M. Traçados analíticos e esforços de autointerpretação: uma entrevista com Valter Bracht. IN: ALMEIDA, Felipe. GOMES, Ivan (orgs.). Valter Bracht e a Educação Física: um pensamento em movimento. Vitória: EDUFES; Ijuí, RS: Unijuí, 2014.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaio sobre literatura e história da cultura (Obras Escolhida v. I). São Paulo: Brasiliense, 2012.

BETTI, M. Educação Física e sociedade. São Paulo: Movimento, 1991.

BETTI, M; GOMES-DA-SILA, P. N. Corporeidade, jogo, linguagem: a Educação Física nos anos iniciais do ensino fundamental. São Paulo: Cortez, 2019.

BRACHT, V. Educação Física e aprendizagem social. Porto Alegre, Magister, 1992.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a base. Ministério da Educação, 2017.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BREGOLATO, R. A. Cultura corporal do jogo. São Paulo: Ícone, 2007.

BROUGÉRE, G. A criança e a cultura lúdica. Rev. Fac. Educ. vol. 24 n. 2 São Paulo July/Dec. 1998.

CAILLOIS, R. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2017.

CAPARROZ, E. F. Entre a educação física na escola e a educação física da escola. 3. ed. Campinas, SP: Autores associados, 2007.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 1992.

COLL, C. Ensino, aprendizagem e discurso em sala de aula. São Paulo: Editora Artmed, 1997.

DAOLIO, J. Educação Física brasileira: autores e atores da década de 80. Campinas, SP: Papirus, 1998.

DARIDO, S. C. Os conteúdos da Educação Física escolar: tendências, dificuldades e possibilidades. Perspectivas em Educação Física Escolar, Niterói, v. 2, n. 1 (suplemento), 2001.

DARIDO, S.C. Educação Física escolar: compartilhando experiências. São Paulo, Phorte, 2011.

FARIA, Bruno et al. Inovação pedagógica na educação física. O que aprender com práticas bem sucedidas? Ágora para la EF y el deporte, Nº12 (1) 2010, 11-28

FREIRE, J. B. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação física. ed. 4. São Paulo: Editora Scipione, 1994.

FREIRE, J. B. O jogo: entre o riso e o choro. Campinas, SP: Autores Associados, 2002.

FREIRE, P. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

FREITAS, L. C. Crítica da Organização do Trabalho Pedagógico e da Didática. São Paulo: Papirus, 1995.

FURTADO, R et al. O jogo nas aulas de educação física na educação infantil: do interesse pedagógico da educação física à produção de compreensão das crianças. Revista Kinesis, Santa Maria, v. 37, p.01-12, 2019.

GONZÁLEZ, F. J. FENSTERSEIFER, P. E. Entre o “não mais” e o “ainda não”. Penando saídas do não-lugar da EF na escola I. Cadernos de Formação RBCE, p. 9-24, set. 2009.

GONZÁLEZ, F. J. FENSTERSEIFER, P. E. Entre o “não mais” e o “ainda não”. Penando saídas do não lugar da EF na escola II. Cadernos de Formação RBCE, p. 9-24, set. 2010.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 1980.

KANT, I. Crítica da faculdade do juízo. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2010.

KISHIMOTO, T. M. O jogo e a educação infantil. IN: KISHIMOTO, T. M. (org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortes, 2011.

KUNZ, E. Educação Física: ensino & mudanças. Ijuf: Unijuf, 1991.

KUNZ, E. Transformações Didático-Pedagógicas do Esporte. Ijui: Unijuf, 1994.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Editora Cortez, 1990.

LOVISOLO, H. R. Educação Física: arte da mediação. Rio de Janeiro: Sprint Editora, 1995.

SCHILLER, F. A educação estética do homem. São Paulo: Editora Iluminuras, 1995.

MACHADO, T et al. As práticas de desinvestimento pedagógico na Educação Física escolar. Movimento, Porto Alegre, v. 16n n. 02, p. 129-147, abril/junho de 2010.

MARX, K. O capital: crítica da economia política: Livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Martin Claret,

WERNECK, C; FERREIRA, H (orgs.). Lazer, recreação e educação física. Belo Horizonte: Autência, 2003.

WITTGENSTEIN, L. Investigações filosóficas. São Paulo: Abril cultural e Industrial, 1975.




DOI: https://doi.org/10.28998/2175-6600.2020v12n27p667-684

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

_________________________________________________________________________________________________________________________

CONTATO:

E-mail: debatesemeducacao@gmail.com

Universidade Federal de Alagoas – UFAL
Centro de Educação – CEDU
Programa de Pós-graduação em Educação – PPGE
Campus A. C. Simões
Av. Lourival Melo Mota, s/n - Tabuleiro do Martins
57072-900 - Maceió - AL, Brasil.
Telefone: +55 82 3214 1196
Link: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/

ISSN ELETRÔNICO: 2175-6600

DOI (Digital Object Identifier - Identificador de Objeto Digital)

Em 14 de dezembro de 2017, a Revista Debates em Educação passou a atribuir o DOI às suas publicações, padrão para identificação de documentos em redes digitais. 

Prefixo: 10.28998/2175-6600

QUALIS/CAPES (2013 - 2016):

– Ensino B1
– Interdisciplinar B4
– Letras / Linguística B4
– Psicologia B4
– Comunicação e Informação B4
– Sociologia B4
– Educação B5

PERIODICIDADE – QUADRIMESTRAL

De 2009 a 2016, a periodicidade da Revista Debates em Educação era semestral. A partir de 2017, a revista se tornou quadrimestral, de acordo com as datas abaixo:

– Primeiro quadrimestre: jan./abr. - limite para publicar a edição 30 abril.
– Segundo quadrimestre: maio/ago. - limite para publicar a edição 31 agosto.
– Terceiro quadrimestre: set./dez. - limite para publicar a edição 31 dezembro.

Os dizeres acima dizem respeito somente à data de publicação da edição e não ao envio de artigos.

O recebimento de artigos caracteriza-se por fluxo contínuo sem que seja possível prever a data de sua publicação.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação foi contemplada com o Edital Fapeal Nº 5/2016 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos e com o Edital Fapeal Nº 9/2018 Apoio à Editoração e Publicação de Periódicos Científicos.

________________________________________________________________________________________________________________________

A Revista Debates em Educação está indexada nas seguintes bases científicas.

 

. Open Journal Systems (OJS);

. Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES);

. Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal (Latindex);

. Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades (CLASE);

. Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras (Diadorim);

. Directory of Open Access Journals (DOAJ);

Indice de Revistas de Educación Superior e Investigación Educativa (IRESIE);

European Reference Index for the Humanities (ERIH);

. Google Scholar;

. Clasificación Integrada de Revistas Científicas (CIRC);

. Periódicos de livre acesso (LivRe);

. Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Cientifico (REDIB);

. Sumários de Revistas Brasileiras (Sumários.org);

. Journals for Free (J4F);

. Information Matrix for the Analysis of Journals (MIAR);

. Directory of Research Journals Indexing (DRJI);

. Elektronische Zeitschriftenbibliothek (EZB);

. Bielefeld Academic Search Engine (BASE);

. World Catalog (WorldCat);

Finna | Satakunta University of Applied Sciences Library;

. CiteFactor;

International Institute of Organized Research (I2OR).

 

                 

_________________________________________________________________________________________________________________________

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.